Artrite gotosa: causas, sintomas e tratamentos para a gota

Já sentiu uma dor intensa nas articulações acompanhada por inchaço e vermelhidão que se manifesta, via de regra, nos pés. Se reconheceu esses sintomas, provavelmente sabe do que estamos a falar. A gota, nome pelo qual é habitualmente conhecida a artrite gotosa, é uma doença inflamatória provocada pela hiperuricemia, ou seja, pelo excesso de ácido úrico no sangue.

O ácido úrico é uma substância formada pelo organismo depois da digestão das proteínas, que formam uma substância chamada purina. A purina, por sua vez, dá origem aos cristais de ácido úrico, responsáveis pela dor, que se intensifica durante o caminhar.

A artrite gotosa é uma doença dolorosa, que causa impacto na vida de quem sofre com essa condição. No entanto, é possível controlar os sintomas por meio de terapias adequadas, sejam estas medicamentosas ou relacionadas a mudanças no estilo de vida, fator fundamental para que a doença crónica tenha as suas crises controladas.

Se sofre com a artrite gotosa ou conhece alguém que esteja a passar por esse problema, então não deixe de ler este artigo, no qual abordaremos com detalhes o que é gota, os seus principais sintomas e as suas possíveis causas e tratamentos.

O que é a gota (artrite gotosa)?

A gota, ou artrite gotosa, é uma doença causada pelo excesso de ácido úrico no sangue, nomeadamente, a hiperuricemia. Entretanto, convém referir que nem todas as pessoas que apresentam altas taxas de ácido úrico no sangue irão desenvolver gota, já que a doença depende de outros fatores para se manifestar, tais como obesidade, excesso de peso, estilo de vida sedentária e consumo excessivo de bebidas alcóolicas, por exemplo.

Ademais, a generalidade das pessoas que sofrem de gota são homens adultos, principalmente entre os 40 e 50 anos. As mulheres raramente desenvolvem artrite gotosa antes da menopausa, pois o estrógeno, hormona feminina, tem um efeito uricosúrico, capaz de estimular a eliminação do ácido úrico pela urina. Por esse motivo, regra geral, as mulheres que desenvolvem essa condição têm mais de 60 anos de idade.

Principais sintomas da gota (artrite gotosa)

Quando as taxas de ácido úrico estão elevadas no sangue (facto que apenas pode ser atestado por meio de exames laboratoriais), ocorre a deposição de cristais de ácido úrico nos tecidos, principalmente nas articulações, resultando numa dor intensa que dura alguns dias e que tende a piorar com o movimento. Confira os sintomas mais importantes:

  • Dor, inchaço e vermelhidão, principalmente nas articulações do dedo grande do pé, tornozelos e joelhos. A crise costuma surgir abruptamente e, frequentemente começa durante a noite;
  • Calafrios, suor e febre podem acompanhar as crises de artrite gotosa;
  • Formação de nódulos (tofos gotosos), que produzem cólicas renais e depósitos de cristais de ácido úrico na pele, formando protuberâncias localizadas nos dedos, cotovelos, joelhos, pés e orelhas. Este sintoma manifesta-se geralmente em pessoas que padecem da doença há muitos anos e que não fazem o tratamento adequado;
  • Deformidades e limitação do movimento da articulação, causada pelos nódulos (tofos gotosos).

Importante referir que durante os períodos entre as crises de gota, o paciente pode ficar livre dos sintomas durante vários meses, todavia, sem o devido tratamento, os intervalos entre as crises tendem a ficar menos espaçados. Para evitar a artrite crónica, é fundamental procurar ajuda médica na logo nos primeiros sintomas, atitude que evitará que as articulações fiquem permanentemente dolorosas e inflamadas.

Valores de referência de cristais de urato

Feitos os exames clínicos, o médico poderá solicitar exames complementares para confirmar a suspeita de artrite gotosa, bem como para descartar outros tipos de artrite, como a artrite infeciosa ou reumatoide, por exemplo.

Como referido, as taxas de ácido úrico apenas poderão ser analisadas através de exames laboratoriais, sejam estes ao sangue ou à urina. O padrão para diagnóstico da gota é a observação de cristais de urato através da microscopia. Conheça os valores de referência:

 GéneroSangueUrina
Masculino3,4 – 7,0 mg/dL0,75 g/dia
Feminino2,4 – 6,0 mg/dL0,24 g/dia

Quais as principais causas da artrite gotosa?

Consequência da hiperuricemia, a gota pode acontecer também devido à deficiência da eliminação do ácido úrico. Não obstante, existem outras causas que poderão estar relacionadas, nomeadamente:

  • Uso excessivo de diuréticos;
  • Ingestão abusiva de medicamentos;
  • Abuso de álcool;
  • Obesidade ou excesso de peso;
  • Diabetes;
  • Hipertensão arterial não controlada;
  • Arteriosclerose;
  • Consumo excessivo de alimentos ricos em proteínas, como carnes vermelhas, frutos do mar e leguminosas, como ervilhas, feijão ou lentilha.

Tratamento para a artrite gotosa

Não existe cura para a gota, não obstante, o tratamento pode diminuir a ocorrência das crises e, consequentemente, a dor provocada pela inflamação nas articulações. O médico reumatologista, especialista mais indicado para conduzir o tratamento, é quem irá propor a terapêutica mais indicada de acordo com as especificidades do paciente.

As crises podem ser minimizadas com o uso de remédios anti-inflamatórios ou corticoides, sendo que estes últimos, regra geral, serão receitados apenas se os anti-inflamatórios não apresentarem bons resultados. O médico reumatologista poderá prescrever também medicamentos para controlo dos níveis de ácido úrico no sangue, o que evitará novas crises e prevenirá eventuais complicações.

Ademais, é fundamental aliar novos hábitos de vida a um eventual tratamento medicamentoso, especialmente no que diz respeito à alimentação, visto que esta pode influenciar diretamente na quantidade de ácido úrico circulante e, consequentemente, na deposição de cristais na articulação. Tratar doenças pré-existentes, como a diabetes e a hipertensão, também é essencial, pois estas podem favorecer o surgimento das crises.

É importante ressaltar que, embora seja uma condição que provoca diminuição na qualidade de vida, a artrite gotosa não é considerada doença incapacitante, especialmente quando tratada adequadamente. O paciente que não procura ajuda médica especializada pode ter as suas articulações deformadas e ainda apresentar depósitos de cristais de monourato de sódio em cartilagens, tendões, articulações e bursas.

Recomendações para os portadores de artrite gotosa

Para aliviar os sintomas de gota e evitar novas crises, é essencial, além do tratamento, promover uma mudança nos hábitos de vida, especialmente na alimentação, para que os níveis de ácido úrico sejam normalizados. Confira as principais recomendações:

  • Evite consumir alimentos como frutos do mar, sardinhas, miúdos (rim e fígado).
  • A ingestão de carnes vermelhas deve ser moderada. Já as peles das carnes de aves devem ser eliminadas totalmente do seu cardápio;
  • O consumo de bebidas alcoólicas também pode ser feito sem exageros, desde que os níveis de ácido úrico estejam controlados;
  • Evite uma dieta hipercalórica, principal causa da obesidade, que por conseguinte, é um fator de risco para os portadores de gota. Além disso, é importante referir que o excesso de peso pode sobrecarregar as articulações inflamadas;
  • Beba cerca de 2 a 4 litros de água por dia, pois a água ajuda a remover o excesso de ácido úrico pela urina;
  • Procure o tratamento e acompanhamento médico adequado caso haja doenças associadas como hipertensão arterial, diabetes, etc.

A gota, ou artrite gotosa, é uma doença que não tem cura, contudo, é possível controlar as crises e evitar que as articulações sejam comprometidas. Não negligencie a sua saúde: caso apresente os sintomas descritos neste artigo, não deixe de consultar o seu médico de família. Lembre-se de que é possível viver bem com a artrite gotosa, mas para isso, cuide-se!

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)