Aumento do nível do mar: causas e possíveis consequências

É muito provável que já tenha ouvido falar sobre os impactos nefastos provocados pelo aumento do nível do mar em diferentes regiões do planeta. Irremediavelmente associado a outro tema preocupante, o aquecimento global, exige de todos nós, principalmente dos líderes globais, medidas urgentes para que ilhas, cidades costeiras e até mesmo países inteiros, como o Bangladesh – não desapareçam do mapa nos próximos anos.

Facto é que o aumento do nível dos mares é incontrolável e está a acelerar, e isto dá-se em razão do degelo nos extremos norte e sul do planeta, conforme conclusão recente do Intergovernmental Panel on Climate Change, organismo da Organização das Nações Unidas (ONU) responsável pela avaliação das alterações climáticas.

Os cientistas que participam do painel afirmam, categoricamente, que as mudanças climáticas hoje observadas são oriundas das ações predatórias do homem em relação ao meio ambiente, incluindo a emissão desenfreada de gases de efeito estufa que colaboram para o degelo e, consequentemente, para o aumento do nível dos mares.

Para se ter uma ideia do tamanho do problema, a perda de gelo na Antártida por causa do aumento da temperatura no período entre 2007 e 2016 triplicou quando comparado à década anterior; já na Groenlândia, duplicou. As previsões dão conta de que durante os próximos séculos esse ritmo continuará a ganhar velocidade e intensidade; por isso, é urgente que o aumento dos níveis dos mares seja contido ou desacelerado, o que evitará uma possível catástrofe global.

Se ficou interessado neste tema e quer saber mais sobre o aumento do nível do mar, as suas causas e consequências, então não deixe de ler este artigo onde encontrará as respostas para algumas das perguntas mais frequentes sobre este tema.

Quais as causas do aumento do nível do mar?

O aumento do nível dos mares ocorre, basicamente, por causa de dois fatores, nomeadamente, a expansão térmica e a perda de glaciares e das calotas polares.

Entende-se por expansão térmica o fenómeno do aquecimento da água e a sua consequente expansão, tal e qual um líquido num termômetro se expande quando exposto a altas temperaturas. Desta forma, ao passo em que as temperaturas globais sofrem uma considerável elevação, os oceanos ficam mais quentes e, consequentemente, expandem-se, causando então o aumento do nível dos mares.

Quanto aos glaciares e calotas polares, estas sofrem a influência dos altos níveis de emissão dos gases de efeito estufa, portanto, derretem e suas águas fluem para o oceano – aumentando assim seu volume.

Este problema pode ser observado em todo o mundo?

Sim, e continuará a acontecer no futuro a uma velocidade e intensidade cada vez mais perceptíveis. Desde 1900 o nível dos oceanos tem subido, em média, 20 cm, uma taxa de mudança significativa – sobretudo quando comparada aos últimos 2 mil anos, em que estas mesmas taxas variavam muito mais lentamente. Facto é que a taxa de mudança nas últimas duas décadas é aproximadamente o dobro da taxa de mudança nos últimos 100 anos, o que indica um aumento considerável do nível do mar.

Quais as áreas mais afetadas por este problema?

As comunidades costeiras em todo o mundo serão aquelas que mais sofrerão com ondas gigantes induzidas por tempestades, inundações frequentes de marés altas, entre outras consequências do aumento do nível do mar. Cidades como Nova York, Nova Orleães e Miami, apenas para citar alguns exemplos, poderão sofrer graves danos nas suas infraestruturas – colocando em risco as populações residentes na costa e nas zonas de baixa elevação.

Além destas, muitas ilhas do oceano Pacífico serão dramaticamente prejudicadas, especialmente as regiões mais baixas, cuja geografia costeira sofrerá modificações importantes em virtude da erosão das praias. Este é o caso, por exemplo, das Ilhas Marshall, um país situado abaixo de 5 metros de altitude e que pode ser facilmente “engolido” pelas águas dos mares, caso as intensas mudanças climáticas não comecem a ser revertidas com a máxima urgência.

Outra situação preocupante acontece no sul da Ásia, mais precisamente no Bangladesh, país que tem a oitava maior população do mundo (158 milhões) e onde a generalidade das pessoas vive em áreas em que a corrente dos rios sofrerá interferências drásticas do aumento do nível dos mares.

Quantas pessoas poderão ser afetadas?

Se considerado um cenário de aumento de 2 graus na temperatura mundial até o final deste século – o que resultaria em cerca de meio metro de elevação do nível do mar – provavelmente centenas de milhões de pessoas, aproximadamente 267 milhões, poderão ser afetadas por inundações costeiras oriundas das mudanças climáticas.

Entre as regiões mais afetadas estão o Leste, Sudeste e Sul da Ásia, onde estão localizados países que não dispõem de recursos para combater o aumento do nível do mar, o que dá à situação contornos ainda mais dramáticos. Em boa parte dos casos, o custo da adaptação costeira pode ser muito alto, o que dificultará a permanência de populações inteiras nestas áreas e as forçará a abandonar as suas casas e cidades.

Como conter o aumento do nível do mar?

Para evitar o aquecimento global e o aumento da temperatura em até 2 graus Celsius, é fundamental que toda comunidade internacional mantenha as emissões de gases de efeito estufa suficientemente baixas – compromisso firmado por muitas nações no Acordo de Paris, tratado no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, que rege medidas de redução de emissão de gases estufa a partir de 2020.

Portanto, as decisões tomadas hoje são de extrema importância, pois quanto mais rápido as emissões de carbono se aproximarem do zero, mais lentamente o gelo reagirá – o que dará às cidades costeiras mais tempo para se prepararem ou mesmo se mudarem.

Muitos especialistas argumentam que é urgente colocar o problema do aumento do nível dos mares em destaque, para que se possam apontar soluções e implementar medidas de contenção com o objetivo de salvar as regiões dos trópicos – sobretudo as asiáticas. Quando finalmente o assunto for tratado com a devida seriedade poderão ser, finalmente, promovidas medidas de adaptação e planeamento que previnam inundações a longo prazo.

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)