Carta de motivação: boas práticas para a sua redação

Conseguir uma vaga de emprego ou uma vaga no mestrado que tanto deseja exige sempre algum trabalho, bem como alguma sorte. É por isso que é necessário usar todas as ferramentas disponíveis para tentar ingressar no mercado de trabalho (que em função do setor de atividade pode ser mais ou menos complicado). Para além do currículo, a carta de motivação é uma das mais importantes.

Para quem não sabe do que se trata, a carta de motivação é um documento exigido por algumas empresas e universidades, cuja função é servir como um tipo de “carta de apresentação” do candidato à vaga de emprego.

Em algumas situações, não basta excelente currículo para destacar as suas aptidões, qualidade e experiência profissional/académica, sendo a carta de motivação uma excelente forma de o fazer.

Neste artigo abordamos os pontos que consideramos essenciais se vai escrever a sua carta de motivação, seja esta para um emprego ou até para se candidatar a um mestrado ou pós-graduação.

Antes de escrever a carta de motivação

Antes mesmo de começar a redigir a carta de motivação, é aconselhável que obtenha informações sobre a entidade à qual se está a candidatar. Isto é importante, pois estas informações ajudá-lo-ão a aferir o perfil de pessoa que poderão estar à procura.

Para facilitar a sua pesquisa, deverá recorrer em primeiro lugar ao anúncio de emprego (ou o equivalente no caso de candidatura a formação académica). Outra boa fonte de informação é visitar o site da empresa e ler com atenção as páginas de cariz institucional, como “quem somos”.

Qual ideal de uma carta de motivação?

Da mesma forma que não propriamente um consenso em torno da extensão do “currículo ideial”, o mesmo se passa quanto à carta de motivação. Não obstante, acreditamos que esta não deve ser demasiado extensa, sob pena que desincentivar a pessoa encarregue de as ler.

Desta forma, acreditamos que uma página será mais que suficiente para transmitir a ideia que pretende, afinal de conta o seu currículo também é uma fonte de informação caso o recrutador pretende saber algo mais detalhado.

Relativamente à forma, a carta de motivação deve estar organizada em quatro parágrafos (não mais que isso), devendo o texto total rondar as 250 a 400 palavras.

É igualmente importante ficar atento à cor, estilo e tipo de letra utilizada. O estilo e tipo de letra devem ser iguais e, de preferência, sem nenhum adorno. A carta deve ser limpa e concisa. Relativamente à cor da letra, sugerimos o preto ao longo de todo o texto. Ao contrário do curriculum, onde é importante que se destaque face aos outros concorrentes, a carta de apresentação deve ser sóbria – quanto mais não seja porque, à partida, só será lida se o seu currículo tiver despertado o interesse do recrutador.

Informações básicas como o seu nome completo, o local e data são tidos como essenciais. A carta deve ser assinada (pode recorrer a uma assinatura digital, sem problema). No fim, antes de enviar, é aconselhável que converta o ficheiro .doc num ficheiro .pdf.

O que escrever numa carta de motivação?

É importante que para conseguir o emprego/mestrado desejado consiga responder através da carta de motivação qual o motivo pelo qual deve ser contratado ou aceite pela empresa ou pela universidade. Queremos com isto dizer que deve apresentar – de forma sucinta e concisa – qual o motivo que o diferencia dos demais candidatos.

Nesse sentido, é importante que tenha uma “certa postura” ao escrever a carta. Por outras palavras, para além de ser autêntico e sincero, faça um esforço por entender o que a pessoa que vai ler a carta poderá querer efectivamente saber. Considerações genéricas que nada acrescentam face ao que já está no seu currículo dificilmente o ajudarão. Porque se encaixa no perfil da vaga? Porque é o candidato ideal?

Outro aspeto relevante é o tom que dá à carta. Se numa entrevista de emprego até pode arriscar mandar uma piada (até porque conseguirá perceber o perfil do recrutador que o entrevista) na carta de motivação não terá essa oportunidade. Desta forma recomendamos que procure ser minimamente formal. Caso saiba o nome da pessoa responsável pela análise das candidaturas, melhor ainda, pois poderá endereçar a carta ao seu cuidado.

A linguagem, no geral, precisa de ser simples, objetiva e direta (até mesmo porque só dispõe de uma página para escrever o que é preciso, pelo que deverá pensar a pertinência da informação que lá coloca). Para facilitar o seu entendimento da importância da carta de motivação, pense que este documento será, a parta do currículo, a primeira fonte de informação que a empresa ou instituição terá de si.

Capriche na escrita e sempre que escrever não se esqueça de reler – os erros ortográficos e gramaticais dão uma péssima imagem.

Como enviar a carta de motivação?

Há muitas formas de enviar a carta de motivação. Atualmente, a mais comum delas é por email, que deverá ser enviada juntamente com o seu currículo (também em PDF). É também cada vez mais frequente a candidatura ao emprego/mestrado ocorrer através do preenchimento de um formulário no site da empresa/universidade. Caso não seja solicitada carta de motivação, mas exista um campo onde lhe é questionado qual o motivo da sua candidatura, deverá entender este como a carta de motivação.

Dicas finais para a carta de motivação

Numa carta de motivação deverá evitar fazer citações, até mesmo porque o documento é sobre si e não a respeito de terceiros. Em suma, o teor do texto deve ser absolutamente pessoal. Fazer citações, além de não agregar valor algum à sua carta de motivação, ainda passa a impressão de falta de originalidade. Evite também escrever na carta aquilo que já consta do seu currículo.

A título de conclusão, referir uma boa carta de motivação é uma excelente oportunidade de se apresentar para uma instituição mesmo antes de participar fisicamente em qualquer processo seletivo, como são as entrevistas de emprego.

Em muitos casos, a carta de motivação poerá ajudá-lo a dar um passo extra para conseguir o emprego que pretende, razão pela a sua redação não deverá ser feita à pressa.

A redação do trabalhador.pt