Como escrever um livro? Guia prático para a escrita

Em algum momento já se sentiu invadido por ideias simultâneas que de maneira complementar poderiam resultar num livro? Já pensou que organizar todas aquelas ideias de forma ascendente e com a estruturação necessária poderiam sim concretizar este feito? Em caso afimartio, ou se está apenas curioso para entender mais sobre como escrever um livro de maneira efetiva, então acreditamos que este artigo é para si.

Pode até já ter tentado escrever um livro, mas por um ou outro motivo desistiu a meio do caminho. E isso é absolutamente normal. Tenha a certeza de que até os maiores escritores já experienciaram fases parecidas. A junção dos rascunhos e das páginas em branco nem sempre resultam num processo linear, mas entender mais sobre o desenvolvimento de cada etapa pode ser determinante para que consiga esclarecer algumas questões e até mesmo minimizar os percalços envolventes na conclusão da sua obra.

Quais os passos para escrever um livro?

Não existe uma fórmula mágica para escrever um livro

Não existe uma fórmula mágica para escrever um livro, muitos dizem que o segredo está na dedicação e na persistência. Este é um guia prático de organização de ideias para começar a escrever um livro e, até quem sabe, publicá-lo.

1. Estude sobre escrita e o seu público

Este tópico engloba mais do que as regras de gramática ou ortografia necessárias para escrever um livro. É igualmente importância o domínio do tema que será abordado, bem como o comportamento do seu público.

Melhor do que falar de maneira gramaticalmente correta, é encantar e persuadir o leitor com a sua narrativa. E a maneira como ela é estruturada faz a diferença. Por exemplo, capítulos mais pequenos dão a sensação de uma leitura mais rápida e dinâmica.

Entenda que o envolvimento do leitor dá-se pelo nível de interesse na forma como expõe as suas ideias, logo, é fundamental que a sua escrita inclua alguns dos elementos seguintes:

  • Tire o leitor da sua zona de conforto e o faça repensar;
  • Desperte a curiosidade do seu público;
  • Discorra de maneira interessante e “ensine” através das palavras;
  • Use figuras de estilo com entonação inteligente, como metáforas e analogias.

Peter Guber que, para além de empreendedor e CEO de uma grande empresa ligada ao cinema, é responsável por blockbusters como Batman e Flashdance, tem algumas dicas valiosas para construir uma história:

  • Estimule o seu leitor com um call to action;
  • Ganhe a atenção dos leitores com uma questão inesperada;
  • Conte uma história de superação que levará à conquista.

2. Brainstorming de ideias

No processo criativo para escrever um livro, o mais importante são todas aquelas ideias que escrevemos “sem filtro” ao longo do caminho. Essa é uma parte imprescindível no planeamento daquilo que queremos escrever, seja para incluir temas, personagens ou até mesmo um estilo de escrita. Antes de começar a escrever a sua história deve ser capaz de responder sem hesitação às seguintes questões:

  • O que é que a minha história tem de diferente?
  • Qual a razão para criar uma determinada narrativa?
  • O que torna o meu conteúdo único?

3. Estimule a criatividade

“Uma boa forma de estimular a sua criatividade é desenvolver 3 páginas por dia”, recomendou a escritora Júlia Cameron no seu livro “O caminho do artista”, e isto ajuda não só a criar uma rotina de escrita, mas também aflorar a criatividade que pode estar “engessada”. Se tiver a sentir dificuldades em começar, uma boa forma de vencer a página em branco é escrever acerca do seu dia a dia ou imaginar uma conversa com um amigo que já não vê há muito tempo, deixando fluir sentimentos e emoções através das palavras.

Além da escrita, é necessário que o escritor seja também um exímio leitor. Consumir e absorver conteúdo de outros escritores é uma excelente forma de aprendizagem e de reflexão, sendo capaz de instigar a nossa criatividade.

4. Crie uma rotina de escrita

Estabelecer uma rotina de escrita é algo necessário para escrever um livro, nem que seja uma hora por dia, ou uma página, faz com que o cérebro entenda e aproveite ao máximo quando chega a hora de produzir. Dedique um espaço sossegado e confortável à sua escrita e limite o contacto com outras atividades que o podem distrair. Ao tornar a escrita um hábito, melhora a sua performance em todas as frentes e até o aproveitamento na sua execução.

Outra dica muito válida é anotar sempre os seus pensamentos e possíveis diálogos. Eles simplificam a descrição dos cenários que enxerga e impulsionam sempre a escrever e o desenvolvimento de novas ideias que surjam repentinamente.

5. Evite a procrastinação

Não pare ou diminua o tempo de escrita no processo de criação de uma obra. É preciso manter a regularidade para que o seu trabalho não perca o impulso inicial. Identificar os pontos que o fazem procrastinar na escrita é importante para evitá-los ao máximo quando a fadiga começar a aparecer. Analise os seus bloqueios criativos e reflita se a “síndrome do impostor” o impede de finalizar ou dar sequência à sua publicação.

Dê o tempo necessário para analisar estes pontos, mas não desista. Se precisar, use aplicativos como Pomodoro e Forest, ou até mesmo aqueles destinados aos autores, como Ommwriter, Zen Writer e Scrivener. Eles o ajudarão a identificar as suas distrações e tornarão a organização do livro mais simples a partir das características da rotina de um autor.

6. Estabeleça objetivos, metas e prazos

O próximo tópico é uma ótima dica para evitar o anterior. Ao estipular um objetivo e um prazo, consegue identificar ao certo aonde quer chegar, e o caminho para escrever um livro flui muito melhor. Nem sempre vai conseguir bater as suas metas (daí ser importante serem realistas!), porém, com o tempo, irá criar o hábito de escrever diariamente, executando “este trabalho” de forma mais concisa e constante, tornando a página em branco um problema do passado.

7. Estruturação, revisão e primeira versão

Como saber se um livro está pronto ao final da primeira versão? Bem, no final da primeira versão, concluímos a exclusão de todos os pontos negativos que tratamos neste artigo e temos a estruturação básica da sua obra. Talvez, tenha 40% do trabalho feito até aqui. E não há problema nisso. Permita-se reescrever quantas vezes forem necessárias até que o resultado esteja do seu agrado.

Uma ótima maneira de analisar todo o seu trabalho até ao momento e ser capaz de ter o distanciamento necessário para fazer correções é colocá-lo de lado durante alguns dias, enquanto anota todas as ideias que lhe vierem à cabeça durante esse período e as transcreve após esses dias de descanso. Isso ajudará a desenvolver pontos que não foram bem esclarecidos na sua narrativa.

8. Publicação e divulgação

É necessário analisar os meios mais viáveis de publicação, seja através de uma editora, ou até mesmo a auto publicação, e entender qual das opções se enquadra melhor com o que procura para a sua obra. Existem algumas opções de plataformas online disponíveis, como o Medium, Sweek ou Wattpad, que por sua vez, facilitam o alojamento das obras na internet.

Para a divulgação, é importante que o escritor entenda alguns conceitos básicos de vendas online, mas sobretudo, é preciso manter um diálogo constante com os seus leitores. Em cada canal de vendas, é necessário conquistar leitores.

Considerações finais sobre escrever um livro

A criatividade é importante para escrever um livro

Além de todo o tema abordado, é essencial que o autor:

  • Domine a escrita e o seu idioma na perfeição;
  • Melhore a habilidade com diálogos;
  • Esteja em constante evolução de estilos e práticas;
  • Trabalhe em bons títulos e capítulos;
  • Desenvolva a narrativa e cada personagem, separadamente.

Escrever um livro exige-nos apenas uma caneta e um papel para que possamos transcrever o que pensamos. O que difere cada escritor é a veracidade e intensidade colocada nesse processo, que apesar de trabalhoso, é imensamente recompensador.

Esperamos que este guia o tenha ajudado a dar o pontapé de saída, restando-lhe agora começar a escrever um livro!

A redação do trabalhador.pt