Como reduzir o consumo de carne? Dicas para uma vida mais sustentável

Sabia que a produção de carne emite gases poluentes e acelera os efeitos do aquecimento global? Além disso, a expansão da agropecuária sobre as paisagens naturais em diversos países tem consumido uma boa parte dos recursos hídricos, promovido a desflorestação, a contaminação dos solos e da água, entre outros impactos ambientais que já podem ser sentidos – e que se agravarão no futuro.

Diante desse cenário assustador, há um conjunto de assuntos que tem ganho projeção internacional, nomeadamente, a necessidade iminente de se repensar o consumo de carne – atitude que pode minimizar os efeitos nefastos que o atual modelo de produção provoca na natureza. Além da questão ambiental, reduzir o consumo de carne é também uma questão de saúde, pois são várias as evidências que mostram que diminuir a quota de carne da alimentação ajuda a prevenir várias doenças.

Se ficou interessado neste assunto e quer saber como reduzir o consumo de carne no seu dia a dia, então não deixe de ler este artigo. Nele encontrará dicas que lhe vão ajudar a ter uma relação mais saudável com esse alimento que, embora saboroso, é extremamente controverso.

Dicas de como reduzir o consumo de carne

Já parou para pensar se é realmente necessário consumir carne em todas as refeições, todos os dias? Se sim, certamente já cogitou tornar-se vegetariano – ou vegano – mas por conta da grande dificuldade de mudar os seus hábitos alimentares, acabou por desistir a meio do caminho.

Se não deseja eliminar a carne do seu dia a dia, mas sente a necessidade de diminuir o seu consumo (seja por questões ideológicas ou por preocupação com a saúde), então está na hora de conhecer o reducitarianismo. Este movimento, que tem conquistado cada vez mais adeptos em todo mundo, assenta na ideia de um consumo consciente, e ensina-nos como reduzir o consumo de carne de forma gradual, respeitando o nosso ritmo e necessidades.

Conheça algumas dicas para começar a colocar em prática o quanto antes:

1. Procure a orientação de um nutricionista

Para começo de conversa, convém avisar: antes de aderir a qualquer dieta, não deixe de consultar um nutricionista ou médico nutrólogo, profissionais que solicitarão exames para averiguar as características peculiares do seu organismo e o ajudarão a encontrar a melhor maneira de repor os nutrientes da carne de acordo com o seu perfil.

Os alimentos de origem vegetal possuem uma quantidade boa de proteína e ferro e sabendo equilibrar os nutrientes nas refeições é possível optar por novas receitas sem colocar o seu bem-estar e saúde em risco.

2. Comece gradualmente a reduzir o consumo de carne

Já ouviu falar na campanha internacional Segunda sem Carne? Com milhões de adeptos em todo o mundo, inclusive celebridades como o ex-Beatle Paul McCartney, este movimento incentiva a adotar um dia livre de carne, substituindo a proteína animal pela vegetal pelo menos uma vez por semana. Ao aderir à ideia, estará a melhorar a sua saúde e a colaborar para a saúde do planeta. Uma excelente dica para quem está a descobrir como reduzir o consumo de carne.

3. Aprenda a equilibrar o seu cardápio diário

Vai reduzir o consumo de carne? Então não se esqueça de equilibrar a sua dieta com legumes, vegetais e grãos. Caso não seja um grande fã dos alimentos de origem vegetal, tente-os introduzir aos poucos na sua alimentação, retirando gradualmente os “indesejados”.

Ao diminuir a ingestão da proteína animal, a tentação de abusar dos hidratos de carbono (como as massas, por exemplo) poderá falar mais alto, por isso, fique atento para não prejudicar a sua saúde, e evite esse tipo de alimento que, vale referir, é bastante calórico e pobre em nutrientes.

4. Opte por carnes magras

Existem alguns tipos de carne que são mais indicadas do que outros, por isso, evite cortes mais gordurosos, como picanha e costela, por exemplo, e prefira carne magras, como alcatra e filé mignon. Esta é uma atitude que certamente vai proteger a sua saúde cardiovascular e ajudar nesta jornada na procura de uma alimentação sustentável.

5. Crie o seu próprio cardápio

Se está habituado a comer carne todos os dias, então é provável que nem pense muito sobre os outros nutrientes que compõem o seu prato. Ao começar a mudar a sua dieta, estará a dar mais valor a outros elementos do seu cardápio e prestará mais atenção a cada tipo de nutriente que está a ingerir. É assim que tem início a etapa de consciencialização do consumo dos alimentos adequados e alimentos complementares. Faça o teste!

6. Saia da monotonia, opte por um prato colorido!

Um prato colorido é muito mais atraente do que um prato monocromático, concorda? Para facilitar o processo de redução do consumo de carne, aposte em legumes, folhas da estação, frutas, cereais (arroz, grãos de cevada, milho, aveia, etc.), incremente com castanhas e finalize com um pouco de linhaça, gergelim ou chia, fibras que aumentam a saciedade e melhoram o trânsito intestinal.

7. Aposte em alimentos veganos

Sentiu falta da carne? Que tal dar uma chance a alimentos veganos que imitam a carne vermelha? Conheça algumas opções:

  • Rosbife de farinha de glúten: A base desta receita é a farinha de glúten – inclusive, a carne de glúten também é chamada de seitan. Adicione farinha de grão-de-bico, água, fermento seco, azeite e temperos a gosto, como molho shoyu, alho e pimenta. Essa massa ficará semelhante a uma massa de pão, por isso, amasse bastante antes de levar ao forno.
  • Hambúrguer vegano de lentilha: uma ótima dica de como reduzir o consumo de carne vermelha é apostar na lentilha, grão rico em proteínas e capaz de colaborar com a saúde vascular e até mesmo com o bom humor. Para fazer o hambúrguer, use a lentilha cozida, farinha de arroz, farelo de aveia, água e azeite. Para temperar, use salsa, cebola, alho picado, sal e outros ingredientes da sua preferência. Depois de modelar os hambúrgueres com a mão untada, pode fritar normalmente ou, se preferir, assar no forno.
  • Frango vegetal de carne de jaca: parece estranho, mas pode acreditar, a carne de jaca fica muito parecida com a carne de frango. Para obter um bom resultado, cozinhe a jaca cortada na panela de pressão e depois tempere como preferir, visto que essa fruta tem um alto potencial de absorção de temperos. Ademais, é rica em antioxidantes, previne a anemia e contém um alto teor de fibras – o que é ótimo para a saúde do intestino.
  • Carne de soja: que tal preparar umas espetadas com carne de soja? Basta cozinhar em água e depois temperar da forma como preferir. Pode intercalar os pedaços no espeto junto com vegetais como pimentos e cenoura. Importante referir que a soja é rica em minerais e altamente proteica.

Gostou deste artigo? Então não esqueça de o partilhar com os seus amigos, que assim como você poderão querer saber como reduzir o consumo de carne para ter uma vida mais saudável e sustentável. Cuide-se!

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)