Como ser uma boa mãe: dicas que vão fortalecer a maternidade

Se chegou até este artigo, cujo título é “como ser uma boa mãe“, é certamente uma “marinheira de primeira viagem” ou alguém que está às voltas com as inúmeras dúvidas que a maternidade provoca todos os dias, afinal de contas, ser mãe não é definitivamente um mar de rosas.

Acontece que a maioria das mulheres só descobre isso quando tem os filhos nos braços, e à medida que os pequenos crescem – e deixam de ser pequenos – essa busca incessante pela maternidade perfeita, este faz-de-conta cruel imposto pela sociedade, pode transformar-se em sofrimento e doses, quase sempre desnecessárias, de remorso e culpa. Se alguém lhe disse que seria fácil ser mãe, pode ter certeza que não estava a ser tão sincero assim!

Não obstante, existem bons conselhos que podem desmistificar a maternidade, dicas possíveis que ajudam a tornar essa experiência tão prazerosa (e igualmente dolorosa), que é ser mãe, um pouco menos solitária e muito mais solidária, seja consigo mesmo ou com seus filhos. E é para compartilhar experiências e ajudá-la nessa jornada tão desafiadora que preparamos algumas dicas que acreditamos serem muito úteis no dia a dia.

Como ser uma boa mãe: maternidade mais forte

1. Pare de procurar a perfeição

Esta é, sem sombra de dúvidas, a mais importante de todas as dicas. Não há como ser uma boa mãe se está o tempo todo a comparar-se com outras mães, sejam elas da sua convivência ou aquelas que compartilham as suas rotinas – com ares de “la dolce vita” – nas redes sociais.

Essa comparação, além de gerar frustração, alimenta um sentimento nocivo de estar a falhar miseravelmente na educação dos filhos. Liberte-se da ideia de maternidade perfeita, porque isso não existe! Os seres humanos são imperfeitos, passíveis de erros a todo o tempo, e logicamente isso incide na nossa relação com os filhos. Aceitar que não é uma heroína com super poderes já é meio caminho andado na busca pela maternidade possível. Seja mais gentil consigo mesma, afinal de contas está a tentar fazer o seu melhor!

2. Pare de fazer tudo pelos seus filhos

É do tipo de mãe que não permite que os filhos preparem o seu próprio prato, ou que lavem a louça depois do jantar? Em caso afirmativo, saiba que poderá estar, mesmo sem querer, a prejudicá-los a longo prazo.

Nós sabemos que é bastante tentador estar o tempo todo disponível para fazer as pequenas tarefas diárias por eles, afinal de contas, cuidar é um gesto de amor (foi isso que nos ensinaram, não é mesmo?). Contudo, proteção em excesso pode-os impedir de serem pessoas independentes e emocionalmente fortes.

Sempre que possível, ensine-os a preparar refeições simples, permita que ajudem na organização da casa, que façam sozinhos os deveres da escola, principalmente quando não necessitarem de ajuda, entre outras tarefas que podem ser facilmente desempenhadas por eles próprios. Estimule a autonomia todos os dias!

3. Esteja presente

Muitas mães têm uma rotina de trabalho árdua, e por isso nem sempre podem estar o dia todo ao lado dos filhos. E que bom que é poder ter uma carreira profissional e ser mãe ao mesmo tempo, não é mesmo? Se esta é a sua realidade, entenda que não existe nenhum problema em contar com uma rede de apoio para criar os seus filhos, seja ela formada por familiares ou profissionais especializados, como babysitters, por exemplo.

Não obstante, sempre que estiver com os seus pequenos, priorize-os! Esteja, de facto, presente naquele momento que para eles é tão precioso, afinal de contas, estar perto da mãe é algo realmente reconfortante. Isto significa que vai precisar de dar um tempo no telemóvel, adiar a arrumação da casa para outro dia ou hora (e pode convocar as crianças para ajudar!) e focar-se integralmente nas brincadeiras e atividades que eles propuserem ou que você sugerir. Por algumas horas, deixe as preocupações de lado e sinta o prazer de vivenciar a infância dos seus filhos.

4. Faça comentários positivos aos filhos

É claro que todos nós gostamos de ser incentivados e elogiados. É claro que todos gostamos de nos sentir protegidos e amados, e isso não seria diferente com os seus filhos. Por isso, nunca perca a oportunidade de dizer palavras encorajadoras, que estimulem e façam com que as crianças se sintam seguras e preparadas para enfrentar grandes ou pequenos desafios diários.

Além disso, dizer coisas positivas faz com que elas fiquem felizes e também mais fortes quando precisarem de superar momentos difíceis. O amor demonstra-se com gestos, mas também com palavras.

5. Converse com os seus filhos

Se quer aprender como ser uma boa mãe, precisa de aprender também a ouvir os seu filhos. Pratique a escuta ativa, demonstre interesse real por aquilo que eles têm a dizer. Jamais interrompa quando quiserem desabafar, evite julgamentos ou comparações e esteja disposta a ouvi-los, pois isso os encorajará a procurar sempre os seus conselhos ou o seu abraço acolhedor, principalmente nos momentos difíceis da vida.

Quando ouvimos, compreendemos o que nossos filhos estão a sentir e podemos até mesmo ter respostas para certos comportamentos que pareciam injustificáveis. Faça do seu lar – e do seu colo – o melhor e mais aconchegante lugar do mundo.

6. Seja transparente ao falar de assuntos importantes

Tão importante quanto ouvir é falar, principalmente quando o assunto é sério. Você é responsável pela educação dos seus filhos, por isso tem o dever de os aconselhar sobre questões como sexualidade, morte, bullying, entre outros temas que são considerados tabus pela sociedade. Trate-os de forma aberta e honesta, pois assim os seus filhos saberão que podem sempre contar consigo quando tiverem alguma preocupação ou dúvida.

7. Proporcione bons momentos aos seus filhos

E se em vez de um brinquedo novo como presente de aniversário optar por um piquenique no parque, um dia na praia ou uma viagem no fim de semana? Certamente essas experiências vivenciadas em família, ou entre mãe e filho, tornar-se-ão memórias muito mais significativas do que aquelas propiciadas por um simples objeto. Sorrisos, abraços, descobertas e aventuras marcam vidas para sempre!

8. Peça ajuda

Não, não precisa de ser uma guerreira e dar conta de tudo, casa, trabalho, família… Quando sentir que está prestes a ter um colapso emocional, faça uma pausa, respire e não hesite em pedir ajuda, seja da família, do seu parceiro ou dos amigos.

Apoie-se na sua rede de afetos e não tenha vergonha de ser amparada. Ninguém precisa de se estar sempre a sacrificar para ser uma boa mãe, aliás, sacrifícios geralmente trazem sofrimento, e relações baseadas em sofrimento podem não ser nada saudáveis.

9. Tire um tempo para cuidar de si

Antes de ser mãe, é uma mulher que precisa de cuidados e de se sentir bem consigo mesma. Por isso, não se sinta culpada por não querer estar o tempo todo ao serviço dos seus filhos. Sempre que possível, tire um tempo para si e faça algo prazeroso (ou não faça nada!). Momentos assim ajudam-nos a reestabelecer a conexão com os nossos sentimentos, com os nossos anseios, com a nossa individualidade. Para que os seus filhos cresçam felizes é preciso que você também se sinta assim: feliz.

10. Seja o melhor exemplo para os seus filhos

As crianças aprendem quando ouvem os nossos ensinamentos, mas aprendem mais ainda quando observam as nossas atitudes. Já diz o ditado que um gesto vale mais que mil palavras, por isso, tente dar os bons exemplos que gostaria que os seus filhos seguissem.

Evite palavras rudes, comportamentos intempestivos e outras demonstrações de desequilíbrio que tanto mal causam aos pequenos. Se precisar de ajustar a sua conduta, não tenha medo de contar com a ajuda de um profissional de saúde mental, nomeadamente um psicólogo ou psiquiatra. Todas as mães também precisam de amparo, e quase o tempo todo!

E não se esqueça: atente-se para as opiniões construtivas e deixe de lado as pressões de quem só sabe julgar e pouco se importa se detrás daquela mãe maravilhosa existe um ser feminino dotado de sensibilidade, medos e fraquezas. Entenda também que, antes de ser uma boa mãe, é preciso, inquestionavelmente, ser uma pessoa feliz, realizada e plena, pois só na alegria conseguimos educar com amor, acolhendo os nossos filhos e ensinando-os a serem humanos igualmente amorosos e fraternos.

Cuide-se e cuide de quem ama! É aí que reside parte do segredo de ser uma boa mãe.

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)