Copos de vinho: modelos ideais para cada estilo da bebida

O universo dos vinhos é um lugar absolutamente encantador! Quando se apaixona pela bebida, não se contenta em saber pouco sobre esta: quer experimentar todos os sabores, todas as castas, entender as peculiaridades de cada uma delas, etc. Afinal, há muito que descobrir e aromas para desvendar!

Se começou a estudar agora sobre esse assunto, pode até se perguntar porque existem tantos copos de vinho diferentes, não é mesmo? Tratam-se de opções tão diversas, capazes de deixar até mesmo o mais experiente dos enófilos um tanto quanto confuso!

Mas não se preocupe, pois o objetivo deste artigo é precisamente responder às suas principais dúvidas e partilhar um conjunto de informações que consideramos importantes para entender os vários modelos de copos de vinho. Boa leitura!

Porque existem copos de vinho diferentes?

Imagine os copos de vinho como peças de vestuário. Certamente escolherá aquela que se melhor se adapta às formas do seu corpo, não é verdade? Afinal de contas, nem todas lhe servirão, precisará de ser algo que valorize as suas características, a sua silhueta.

Esta é uma analogia simples, contudo, eficiente para explicar porque de existir um copo de vinho ideal para cada estilo da bebida. Os acessórios são tão importantes quanto a peça de vestuário, podendo ser a diferença entre uma experiência razoável e uma experiência memorável.

Os copos de vinho foram concebidos de forma a conduzir o vinho para a boca e o aroma deste para o nariz, de forma a tornar a experiência completa, valorizando o aroma, o sabor e a cor. Um paladar aguçado certamente perceberá a diferença ao beber um mesmo vinho em copos absolutamente distintos. Portanto, escolher o copo mais adequado faz parte da experiência de degustação desta bebida.

Existe um copo próprio para cada vinho?

Sim. Todavia, isso não significa que precise de ter uma vasta coleção de copos de vinho, sobretudo se não pretender investir muito. A primeira dica é adquirir um modelo de copo de vinho versátil, especialmente desenvolvido para degustações técnicas e que se adequa a qualquer vinho.

Ciente desta necessidade, a Organização Internacional para Padronização (ISO) criou as normas técnicas para um copo de vinho, em formato de ovo alongado, capaz de maximizar a experiência de degustação, independentemente do estilo/tipo de vinho.

Os copos de vinho produzidos de acordo com a norma ISO 3591:1977 são transparentes, lisos e compostos por cristal com, no máximo, 9% de chumbo. A sua estrutura com haste e base possui uma abertura mais estreita, com 4,6 cm, em relação à parte mais convexa, que mede 6,5 cm. A sua altura é de 15 cm, devidamente dividida entre 10 cm de corpo e 5 cm de haste e base.

Aconselhamos também que tenha em casa aqueles que são os formatos tidos como essenciais para os tipos de vinho que gosta habitualmente de beber. Vários enófilos entendem que são quatro os modelos básicos: um copo para brancos, um para espumantes e dois para diferentes tipos tintos Bordeaux e Borgonha. Caso prefira, pode adquirir também um copo de vinho próprio para rosés e outro para doces.

Melhor copo para vinhos tintos

Por ser um vinho com aromas e sabores marcantes, precisa de espaço para “respirar”. Por este motivo, o copo deve ter um corpo grande, pois só assim o vinho tinto poderá “dançar” no recipiente e libertar toda a sua potência. E para que este movimento aconteça como se tratasse de um “ballet”, o vinho não deve ocupar mais do que ⅓ da capacidade do copo.

Os tipos mais comuns de copos de vinho tinto são o Bordeaux e o Borgonha, copos que receberam estes nomes em homenagem às famosas regiões produtoras da França. Em seguida evidenciamos as características distintivas entre estes:

  • Copos de vinho Bordeaux – são apropriados para vinhos mais encorpados e ricos em tanino, produzidos a partir da uva Cabernet Sauvignon. Estes possuem um bojo grande e borda mais fechada, evitando assim a dispersão de aromas.
  • Copos de vinho Borgonha – são em formato de balão, ideal para a complexidade e concentração desta bebida. A sua estrutura permite um maior contato com o ar, fazendo com que a junção dos vários aromas do vinho se liberte mais rapidamente.

Melhor copo para vinhos brancos

É nítido que os copos para vinhos brancos são menores que os copos para tintos. Isto acontece porque o vinho branco precisa de ser consumido em temperaturas mais baixas, portanto, torna-se necessário um recipiente menor, em que as trocas de calor com o ambiente sejam limitadas. Além disso, a menor dimensão do copo permite ainda que as notas de frutas sejam realçadas.

Melhor copo para vinhos rosés

Os copos ideais para vinhos rosés são ainda menores que as copos para vinho branco, contudo, apresentam um bojo maior. Isto porque os vinhos rosés possuem o aroma dos brancos, mas os taninos dos tintos. Este tipo de recipiente acentua a acidez do vinho, equilibrando a sua doçura. Entretanto, caso não queira investir neste modelo de copo, poderá usar um copo para vinho branco sem que a experiência de degustação seja prejudicada.

Melhor copo para vinhos doces e fortificados

Por serem mais potentes, os vinhos concentrados e adocicados geralmente são consumidos em quantidades menores, por isso, o seu copo ideal deve apresentar um bojo pequeno, sendo mais estreito na parte superior. O seu desenho ajuda a conduzir o fluxo da bebida diretamente para a ponta da língua, região em que os sabores doces são mais percetíveis.

Melhor copo para vinhos espumantes

Para este tipo de vinho existe o famoso copo flûte, também conhecido por “taça”. Este recipiente é perfeito para que seja apreciado o borbulhar deste tipo de vinho, enquanto direciona a efervescência e os aromas para o nariz. Além disso, controla o fluxo acima da língua, mantendo o equilíbrio entre a limpeza da acidez e a saborosa profundidade.

Qual o material ideal dos copos de vinho?

No que concerne a copos para vinho, existem basicamente três opções: copos de cristal, copos de cristal de vidro ou copos de vidro. O que os distingue é o teor de chumbo e metal utilizado no processo de fabrico. O vidro, por exemplo, não possui chumbo na sua composição. Já o copo de cristal poderá ter até 24% de chumbo, enquanto o de cristal de vidro tem cerca de 10%.

E porque estamos a falar de chumbo? Bom, porque o chumbo confere maior leveza, sonoridade e delicadeza ao copo, influindo, inclusive, sobre na sua espessura. Embora seja um material tóxico, apenas será libertado no vinho em quantidades consideradas perigosas se a bebida repousar no copo por horas e horas, até mesmo dias.

Portanto, pode beber apreciar o seu copo de vinho tranquilamente, dado que o tempo de contato com a copo não será o suficiente para a sua contaminação.

Como cuidar dos copos de vinho?

Se adquiriu copos próprios para vinho fique a saber que deverá ter algum cuidado com estes, sob pena de comprometer a experiência de degustação.

Recomendamos que os lave com água morna e uma quantidade mínima de detergente líquido. Enxague-os bem, para que o produto de limpeza não interfira no sabor e aroma do vinho. Ao secar, certifique-se que o faz com um pano de linho, segurando a base com uma mão enquanto gira o copo com a outra em direções opostas. Depois, basta guardar os copos para vinho num local limpo e livre de odores.

Gostou deste artigo? Que tal partilhar com seus amigos? Assim poderão trocar experiências e aprender mais sobre o incrível universo dos vinhos!

Luana Castro Alves

Graduada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)