Crowdfunding: como dar vida a uma ideia?

O termo crowdfunding é cada vez mais popular e tem sido responsável pelo início de novas ideias de negócio no nosso país. Sabia que, em Portugal, foi até utilizado no financiado de uma greve de trabalhadores? Mas afinal, em que consiste afinal o crowdfunding e como funciona? Explicamos tudo neste artigo!

O que é o crowdfunding?

Tal como a palavra indica, o crowdfunding é um forma de obter financiamento (funding) coletivo ou da comunidade (crowd) que funciona por recurso a plataformas online.

O crowdfunding é um “instrumento” muito utilizado por empreendedores e proprietários de pequenas empresas que, não tendo capitais próprios, pretendem obter financiamento junto de um vasto conjunto de pessoas para lançarem as suas ideias (produtos ou serviços), sem terem de estar depedentes de alguém.

O crowdfunding é também uma boa forma de obter “validação antecipada” de um produto ou serviço que se pretenda desenvolver, mesmo antes de este ser lançado. Regra geral, sendo uma campanha de crowdfunding bem sucedida, podemos considerar que o produto ou serviço em questão passou pelo crivo dos seus financiadores.

Para que fins pode ser pedido crowdfunding?

Tanto quanto sabemos, não há nenhuma regra para saber o que pode ou não ser financiado por crowdfunding (desde que legal, obviamente). São vários os fins para os quais pode ser utilizada esta forma de financiamento, desde logo:

  • Organização de um evento;
  • Criação de um negócio, nomeadamente a venda de produtos ou serviços;
  • Apoios de cariz social (crowdfunding social);
  • Greves de trabalhadores – pode até parecer estranho, no entanto, em 2018, foi constituido um fundo para apoiar uma greve de enfermeiros;
  • Entre outros.

Porquê financiar uma campanha de crowdfunding?

Regra geral, ao contrário do investimento tradicional onde os financiadores ficam com um participação nos lucros gerados, no crowdfunding o “retorno pelo investimento” assume a forma de produtos/serviços exclusivos, acesso antecipado a estes ou incentivos pessoais.

No caso de uma campanha de crowdfunding de um filme, por exemplo, os financiadores ao investirem um determinado montante poderão constar nos créditos do filme, obter uma cópia digital ou DVD, bilhetes para a antestreia ou até um poster assinado pelos atores. Em doações de maior montante, a recompensa poderá ser uma carta de agradecimento do próprio realizador, o acesso a uma festa exclusiva com toda a equipa e, em alguns casos, até um papel secundário no próprio filme.

Quais as vantagens do crowdfunding?

  • É fácil – Qualquer pessoa pode iniciar uma campanha de crowdfunding de forma gratuita e, se bem sucedida, a espera pela obtenção dos fundos não é longa.
  • Publicidade gratuita – De imediato começa a ser feita a divulgação do evento, da atividade, do negócio. Pode ainda nem existir um negócio propriamente dito e já está a ser publicitado. E isto, sem custos.
  • Menos arriscado – Consegue, desta forma, o montante necessário para o seu objetivo simplesmente com a ajuda da comunidade sem correr os riscos associados à criação normal de uma empresa, como pedidos de empréstimos.
  • Um simples euro pode ajudar – Qualquer pessoa pode investir ou ajudar nestas campanhas já que não existe (normalmente) montante mínimo.

Quais as desvantagens do crowdfunding?

  • Risco de cópia – Ao divulgar a sua ideia para abrir um crowdfunding e sem meios para a registar, corre o risco de ver a sua ideia reproduzida por outrém.
  • Fácil de iniciar mas menos fácil de manter – Pode não conseguir o valor pretendido para iniciar a atividade e, caso consiga, o valor é exclusivamente  para o início. Terá de garantir rendimento a médio e longo prazo.
  • Risco de fraude – Existe sempre algum risco para quem investe, uma vez que podem ser vítimas de fraude.

Que tipos de crowdfunding existem?

  • Doação – É a situação mais comum. Qualquer pessoa pode doar determinado montante para uma causa sem esperar nada em troca. O responsável pela campanha de crowdfunding não está obrigado a recompensar os investidores de forma alguma.
  • Capital – Os investidores em capmpanhas de crowdfunding podem ser recompensados com a partilha dos lucros, distribuição de dividendos ou com uma participação no respetivo capital social.
  • Recompensa – O organizador da campanha oferece uma recompensa em troca do investimento. Pode ser com a prestação de algum serviço ou outro.
  • Empréstimo – Existe ainda a opção de o investidor ser remunerado com os juros afixados no momento da angariação de fundos.

Plataformas para campanhas de crowdfunding

1. Kickstarter

A Kickstart uma plataforma de crowdfunding criada em 2009 e direcionada para projetos ligados às artes como dança, design, cinema, música, moda, videojogos, fotografia, banda desenhada, entre outros. É, porventuar, a plataforma de crowdfunding mais conhecida no mundo.

Através da plataforma Kickstarter, a Nordgreen, uma startup de relógios de moda, conseguiu arrecadar o montante necessário para o seu financiamento (apenas em duas horas!). Esta startup tem sede em Copenhaga, na Dinamarca mas o seu grande crescimento deve-se ao português Daniel Rocha. Esta marca cria relógios com design minimalista e a sua grande preocupação prende-se com a sustentabilidade. A meta de financiamento estava nos 13 mil euros mas conseguiram angariar mais de 100 mil euros com a ajuda de mais de 800 subscritores.

2. GoFundMe

É o líder na angariação de fundos para questões médicas, para situações de emergência, para organizações sem fins lucrativos e educação. Trata-se portanto de uma plataforma de crowdfunding social. O GoFundMe “gaba-se” de ser o primeiro site de crowdfunding a oferecer garantia de confiança aos seus investidores.

3. Indiegogo

Ideal para pequenas empresas e ideias de cariz tecnológico, a Indiegogo é uma das maiores e mais conhecidas plataformas de crowdfunding online. Aposta fortemente no equity crowdfunding, ou seja, o investimento pode ser recompensado através de capital da empresa e por isso, uma ótima rampa de lançamento para startups.

4. PPL

A PPL é uma plataforma portuguesa de crowdfunding (financiamento colaborativo), focada em projetos sociais, criativos e empreendedores. O seu funcionamento está dividido de dois: o PPL Causas e o PPL Crowdfunding. Na primeira, destinada a causas solidárias, os fundos são transferidos no final do prazo, seja ou não atingido o valor pretendido. Já a segunda, funciona numa lógica de “tudo ou nada”, isto é, caso não seja atingidio o valor pretendido os apoios são devolvidos ao financiadores.

5. Patreon

Embora diferente das plataformas de financiamento coletivo (crowdfunding) que abordamos anteriormente, em grande medida, por funcionar numa lógica de doação mensal e não de doação única, são vários os projetos financiados através do Patreon. Como referimos o Patreon funciona segundo um modelo de subscrição, permitindo que os fãs paguem aos seus artistas/criadores favoritos uma quantia mensal da sua escolha em troca de acesso exclusivo a contéudo extra.

Como criar uma iniciativa de crowdfunding?

Não basta aceder a uma destas plataformas, colocar um vídeo bonito e esperar que os donativos apareçam. É necessário ter uma ideia estruturada de negócio, provar que a ideia tem potencial, que pode ser efetivada e de que modo. A honestidade e a clareza são de extrema importância no momento de iniciar uma campanha de crowdfunding.

Regra geral, os primeiros investidores na campanha de crowdfunding podem ser a própria família e os amigos mais chegados uma vez que já o conhecem, confiam em si e decidem ajudar. Depois desta linha de investidores, deve avançar para o público que mais interesse terá na campanha. Estude os potenciais investidores e contacte-os através de e-mail. As redes sociais são um bom meio de divulgação mas o envio de e-mail é mais pessoal. Aqui deve ser direto e assertivo, explique o porquê de ser a pessoa indicada para encabeçar este movimento e o que torna o projeto especial.

Também deve fazer o investidor sentir que é importante e para isso deve tratá-lo de forma especial. Sem ser o vulgar porta chaves ou um tapete para o rato. Pense no que pode oferecer em troca do valor monetário investido na sua campanha de crowdfunding.

As pessoas que não podem contribuir monetariamente também são fundamentais porque partilham a campanha, publicitam aos amigos e colegas de trabalho.

A campanha de crowdfunding só pode ser bem sucedida se for sincero, esta é a chave.

Se tem uma boa ideia para um negócio ou se existe alguma causa pela qual queira lutar mas não tem as posses necessárias, avance com uma campanha de crowdfunding. Crie um movimento, chame os seus familiares e amigos, eles que peçam o apoio dos seus e espalhe a palavra. Talvez consiga cumprir o seu sonho ou o sonho de alguém.

O que considerar antes de lançar uma campanha?

Existem vários fatores a considerar se estiver a pensar em financiar um negocio, produto, serviço ou evento, através de crowdfunding, nomeadamente:

  1. Quão boa é a sua ideia. Tem a certeza que as pessoas se vão interessar?
  2. Qual o valor acrescentado do seu produto ou serviço para o consumidor?
  3. O que é que diferencia o seu projeto dos seus concorrentes?
  4. Consegue expressar as suas ideias de maneira simples e, ao mesmo tempo, cativar as pessoas?
  5. Tem algo tangível para mostrar ou apresentar do seu projeto?
  6. Até que ponto conhece e entende o seu público-alvo?
  7. Tem confiança na sua capacidade de alcançar e conectar-se com patrocinadores?
  8. Já pensou quais os canais que usará para chegar ao seu público-alvo?
  9. Considerou todas as variáveis ​​financeiras, incluindo os custos com as recompensas aos financiadores, pagamentos à plataforma de crowdfunding e impostos?
  10. O seu orçamento permite “espaço para respirar”?
  11. Tem a certeza de que pode cumprir todas as suas promessas?
  12. Considerou o impacto na identidade da marca do seu produto ou até a sua própria marca pessoal, caso a campanha não seja bem sucedida?
  13. Tem ótimas recompensas em mente para incentivar o financimaneto?
  14. Consegue oferecer recompensas significativas em função do nível de investimento?
  15. Quais as atividades de campanha promocional que planeia executar antes, durante e após o lançamento?
  16. Como irá manter o burburinho após o lançamento da campanha de crowdfunding?

Agora é consigo, boa sorte a lançar a sua campanha de crowdfunding!

Mariana Ledo

Uma eterna namorada da literatura, vibra com as pequenas notas que encontra nas páginas dos livros da biblioteca. Decidiu viver das palavras e por isso formou-se em Estudos Portugueses e Lusófonos, pela Universidade do Minho.