Dentes do siso: mitos e verdades sobre o assunto!

Sabe o que são órgãos vestigiais? Este nome é atribuído às partes do corpo que não possuem uma função evidente no organismo. Mas isto não significa que os órgãos vestigiais tenham sido sempre “inúteis”. Há muito tempo, eram imprescindíveis para os seres humanos.

Contudo, em virtude da evolução de nossa espécie, tornaram-se obsoletos. Bem, deve estar a perguntar-se o que é que isso tem a ver com o tema deste artigo, não é mesmo? Nós respondemos: tudo! Os dentes do siso, assim como o apêndice e o cóccix são apenas alguns exemplos de órgãos vestigiais.

Os dentes do siso, como são mais comummente conhecidos, são também chamados de terceiros molares, tratam-se de uma “herança” dos nossos antepassados. Estes dependiam deles para mastigar alimentos crus e duros. Na época, em virtude de não existir o fogo, os dentes eram fundamentais para a sobrevivência do homem.

A partir do momento em que os nossos antepassados perceberam que era possível cozinhar os alimentos, tudo ficou mais fácil, o que tornou dispensável o trabalho duro, literalmente, do terceiro molar. Por isso, a utilização dos dentes do siso foi pouco a pouco sendo reduzida.

Os homens pré-históricos possuíam mandíbulas muito maiores, o que pode ser comprovado através da observação de fósseis. A arcada dentária era tão grande, mas tão grande, que eles possuíam, inclusive, um quarto molar! Pois bem, com o passar dos séculos, nós, seres humanos, ficamos com uma arcada dentária menor e, consequentemente, diminuiu também o espaço para esses dentes na boca.

Outro facto curioso é que o nosso cérebro, à medida que foi sendo melhor utilizado, também aumentou de tamanho, exigindo, portanto, mais espaço na caixa craniana, tornando impossível a acomodação de 32 dentes num maxilar reduzido.

Mitos e verdades sobre os dentes do siso

Agora que já conhece algumas curiosidades sobre os dentes do siso, partilhamos consigo algumas das perguntas mais comuns sobre o assunto. Acompanhe!

Quando nascem os dentes do siso?

Estes dentes são os últimos a nascer, por isso mesmo, não encontram espaço na nossa arcada dentária, que já está devidamente formada. Os dentes do siso “rompem” (ou não) entre os 16 e os 20 anos de idade, por este motivo são carinhosamente apelidados de “dentes do juízo”.

Porém, podem causar vários transtornos, os quais abordaremos adiante. Além disso, despertam muita curiosidade, pois, se já não servem para nada, qual a razão de insistirem em nascer e, em alguns casos, incomodar? Nós respondemos.

É necessário extrair os dentes do siso?

Algumas pessoas precisarão de extrair, outras, não. Caso os dentes do siso provoquem dor, incómodo e dificuldades na mordida, provavelmente o seu dentista indicará a sua remoção. Além disso, o procedimento pode também ser necessário se os terceiros molares ficarem desalinhados, causando prejuízo estético.

Por outro lado, pessoas que possuem mandíbulas maiores têm espaço suficiente na arcada dentária para acomodar os dentes do siso, não sendo necessário, portanto, extraí-los.

Existem pessoas que nascem sem os dentes do siso?

Sim, mas isso não significa que sejam mais evoluídas que os “meros mortais” que possuem os dentes do siso. Significa apenas que nasceram sem a base que dá origem aos dentes.

Qual o procedimento para a extração dos dentes do siso?

A extração é feita com anestesia local e o procedimento demora, em média, cerca de 30 minutos para ser concluído. Não obstante, há casos mais complexos, que podem necessitar de mais tempo, dependendo do posicionamento e situação do dente.

Depois disso, o dentista faz uma sutura na região de forma a conter sangramentos. Dor, incómodo e inchaço são sensações normais no pós-operatório, no entanto, se persistirem, será necessário procurar ajuda do médico dentista que realizou a cirurgia.

É verdade que os dentes do siso já nascem com cáries?

Estes dentes não nascem com cáries, até porque estas apenas podem surgir a partir do momento em que o dente já está exposto, seja integralmente ou parcialmente.

Algumas pessoas confundem a dor provocada pela gengiva – localizada em redor do dente -, cuja forma lembra um capuz, com a dor provocada pelas cáries, daí a confusão. Além disso, essa gengiva costuma reter alimentos no local, levando a um processo inflamatório. Nestes casos, este “capuz” pode ser eliminado por meio de uma pequena cirurgia, possibilitando que o dente nasça normalmente.

É preciso aguardar que nasçam para os retirar?

Não, sobretudo se na radiografia ficar claro o posicionamento do dente. Se esse posicionamento for problemático, a extração será indicada pelo dentista com o dente ainda recluso.

É importante salientar que a idade ideal para a remoção dos dentes do siso poderá variar, no entanto, regra geral, é entre os 15 e 17 anos de idade, período em que as raízes dos terceiros molares ainda não estão totalmente formadas.

É preciso extrair todos os dentes do siso?

Não, mas é recomendado que superiores e inferiores de um mesmo lado da arcada dentária sejam conjuntamente removidos. Isto deve ser feito para evitar a extrusão dentária, isto é, quando o dente oposto tenta suprir a ausência do que foi extraído, por esse motivo, cresce de maneira anormal, ocasionando um aspeto desagradável.

Os dentes do siso contêm células estaminais?

Sim. Por esta não esperava, não é mesmo? A polpas dos dentes do siso, assim como dos restantes, são ricas em células estaminais, também conhecidas por células “tronco”. Estas diferem-se das demais por terem a capacidade de se autorrenovarem, bem como a indefinidamente a capacidade de se diferenciarem em múltiplas linhagens celulares.

A extração destes dentes com o propósito coletar células estaminais é apenas realizada em clínicas especializadas. Quando bem armazenadas, as células estaminais podem ser úteis em transplantes de medula óssea, lipoenxertia (cirurgia plástica que introduz gordura noutras regiões do corpo), pesquisas científicas, reconstrução óssea em fissura labio-palatina, tratamento do diabetes tipo 1, entre outros procedimentos.

Gostou deste artigo? Então partilhe com os seus amigos! Mas lembre-se: em caso de dor provocada pelos terceiros molares, procure visita o seu médico dentista. Apenas este profissional poderá indicar a necessidade de remover os dentes do siso, bem como de o dispensar

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)