Desenvolvimento infantil: conheça as suas diferentes fases

O desenvolvimento pleno e integral das crianças faz-se em diversos domínios. À medida que a criança cresce, desenvolve-se não apenas do ponto de vista físico e motor, mas também a nível psicológico, social e emocional. Deste modo, para que a criança se desenvolva de forma saudável é necessária a aquisição de importantes competências socio emocionais, bem como a existência de condições favoráveis ao seu desenvolvimento.

Conhecer o desenvolvimento infantil, perceber como é que a criança se desenvolve e quais as etapas do desenvolvimento é muito importante e pode ajudar os pais e educadores a melhor responder às necessidades da criança. Além disso, com este conhecimento os pais podem também mais facilmente detetar alterações ou sinais de alerta e procurar ajuda especializada, prevenindo o agravamento de eventuais problemas de desenvolvimento infantil.

Neste artigo pretende-se explicar como se processa o desenvolvimento infantil, quais os principais marcos desenvolvimentais e quais os sinais de alerta a que os pais devem estar atentos.

Como se processa o desenvolvimento infantil?

Por desenvolvimento entende-se um processo progressivo, em que algo nasce e gradualmente se desenvolve. Como uma semente que cresce até se transformar numa planta. Até ao estado de planta existe todo um processo, a passagem por diferentes “paragens” ou “marcos”.

Também no desenvolvimento infantil existem marcos desenvolvimentais, que corresponde à aquisição de competências importantes nos diversos domínios. Por exemplo, os primeiros passos da criança, as primeiras palavras, começar a comer comida sólida, etc.

O desenvolvimento infantil faz-se de forma sequencial, ou seja, por etapas. Além disso, os vários domínios do desenvolvimento estão relacionados entre si: o desenvolvimento da linguagem afeta o desenvolvimento social, e vice-versa. Por exemplo, uma criança que apresente um atraso no desenvolvimento da linguagem e comece a falar mais tarde vai ter dificuldade também ao nível das competências sociais e da interação com os adultos e pares, o que pode por sua vez comprometer a aprendizagem.

Embora existam marcos de desenvolvimento, não devemos ver o desenvolvimento infantil de forma rígida, como uma série de passos que todas as crianças têm de cumprir ao mesmo tempo. Existe sempre uma grande margem de variação, uma vez que cada criança é diferente e com ritmos diferentes.

Além disso, para além de existirem fatores genéticos que justificam esta variação, os fatores sociais e contextuais também têm uma grande influência. Por exemplo, uma criança que não é tão estimulada poderá desenvolver determinadas competências mais tarde do que outra que é mais estimulada.

Quais os fatores importantes do desenvolvimento infantil?

Como vimos, o desenvolvimento infantil é influenciado por vários fatores, desde a genética aos fatores sociais. Por um lado, há a influência daquilo que já nasce com a criança, a parte genética, e por outro a influência da experiência, do contexto, daquilo que é adquirido. Estes fatores interagem entre si e provocam as mudanças que acompanham o desenvolvimento.

Embora todas as fases do desenvolvimento infantil sejam importantes, existem períodos especialmente críticos e “janelas” ótimas de desenvolvimento. Ou seja, há fases em que é mesmo importante que a criança adquira determinadas competências, caso contrário isto irá comprometer a sua capacidade em subir os restantes “degraus” do processo de desenvolvimento infantil.

Os cinco primeiros anos de vida são fundamentais (sobretudo os três primeiros) para a organização do cérebro. Neste período, as aquisições são feitas a um ritmo estonteante e todos os estímulos são importantes para que a criança atinja o seu potencial.

A partir da gravidez qualquer alteração pode ter um grande impacto no desenvolvimento infantil. Daí que sejam tão importantes os cuidados pré-natais: a alimentação da mãe, o seu estado de saúde global, possíveis hábitos nocivos, substâncias lesivas ao feto, etc, são tudo fatores que podem ter um peso significativo no desenvolvimento da criança, porque o seu cérebro começa a desenvolver-se.

Um dos fatores extremamente importantes para o desenvolvimento infantil é a possibilidade de a criança brincar. O ato de brincar permite à criança múltiplas oportunidades para aprender, explorar, interagir, imitar e, enfim, desenvolver-se. Por isso, é muito importante que a criança possa brincar e explorar o mundo, com o amparo dos pais, mas também de forma autónoma, para poder usar a imaginação e aprender com os erros, bem como resolver dificuldades sozinha e explorar o mundo pela sua mão.

Quais as fases do desenvolvimento infantil?

O desenvolvimento infantil dá-se por fases e etapas

Para melhor compreendermos o desenvolvimento infantil devemos conhecer os principais marcos desenvolvimentais, isto é, as aquisições esperadas para casa fase do desenvolvimento:

Desenvolvimento infantil aos 2 meses

  • Desenvolvimento motor: movimentos bruscos dos membros; consegue levantar a cabeça quando está de barriga pra baixo;
  • Desenvolvimento cognitivo: foca a atenção em rostos;
  • Desenvolvimento social e emocional: começa a sorrir; acalma-se colocando as mãos na boca; fica mais calmo quando os cuidadores falam e interagem;
  • Linguagem e comunicação: emite sons; vira a cabeça em direção à fonte de som.

Desenvolvimento infantil aos 4 meses

  • Desenvolvimento motor: une as mãos a meio do corpo (integração da linha média); toca com as mãos no tronco e joelhos; controla bem a posição da cabeça;
  • Desenvolvimento cognitivo: alcança brinquedos com uma mão; esboça coordenação entre os olhos e as mãos (olhar para um brinquedo e tentar alcançá-lo);
  • Desenvolvimento social e emocional: sorri espontaneamente, sobretudo na presença de pessoas; gosta de brincar com os outros e pode chorar quando param; tem autorregulação (acalma-se por pequenos períodos e pode levar as mãos à boca e chupar na mão); olha frequentemente para os pais; imita alguns movimentos e expressões faciais, como sorrir ou franzir a testa;
  • Linguagem e comunicação: balbucia e copia sons que ouve; usas diferentes tipos de choro para diferentes necessidades.

Desenvolvimento infantil aos 6 meses

  • Desenvolvimento motor: rola em ambas as direções; usa os membros direitos e esquerdos de forma independente; transfere objetos de uma mão para a outra e alcança com uma mão;
  • Desenvolvimento cognitivo: é curioso e atento ao meio envolvente; coloca objetos na boca; olha à volta para objetos próximos;
  • Desenvolvimento social e emocional: reconhece os rostos familiares e diferencia-os dos estranhos; gosta de brincar com os outros, sobretudo os pais; responde às emoções dos outros; gosta de se olhar ao espelho;
  • Linguagem e comunicação: responde a sons, emitindo sons; revela intenção comunicativa.

Desenvolvimento infantil aos 9 meses

  • Desenvolvimento motor: sustém-se de pé; começa os movimentos de pinça fina e a apontar;
  • Desenvolvimento cognitivo: observa o trajeto de um objeto a cair; procura com o olhar os objetos que são escondidos; aponta com o indicador; procura objetos que perceba terem sido escondidos ou que tenham caído;
  • Desenvolvimento social e emocional: pode ter medo de estranhos; tem brinquedos preferidos; mostra conforto quando os pais regressam;
  • Linguagem e comunicação: expressa-se por jargão (linguagem pouco compreensível); dá respostas repetitivas, como adeus, palminhas.

Desenvolvimento infantil aos 12 meses

  • Desenvolvimento motor: senta-se sem ajuda, levanta-se e anda agarrado à mobília; consegue dar passos sem ajuda; desenvolve destreza bimanual;
  • Desenvolvimento cognitivo: explora objetos de forma diferente, como abaná-los e atirá-los; encontra facilmente objetos escondidos; copia gestos; começa a usar os objetos corretamente; junta dois objetos, coloca-os e retira-os da caixa, explora de diferentes modos;
  • Desenvolvimento social e emocional: é tímido ou ansioso na presença de estranhos; chora quando o pai ou a mãe se afastam; tem objetos e pessoas preferidos; reproduz jogos como o “cucu”;
  • Linguagem e comunicação: responde a ordens simples; usa gestos simples como abanar a cabeça para dizer não ou dizer adeus; diz “mama”, “papa” e exclamações como “ohh”.

Desenvolvimento infantil aos 18 meses

  • Desenvolvimento motor: marcha autónoma; consegue correr e saltar com pés juntos; come sozinho; faz torres de quatro cubos; copia grosseiramente uma linha vertical; bebe com um copo; alimenta-se com a colher; tira sapatos e roupa; segura um lápis e faz rabiscos;
  • Desenvolvimento cognitivo: começa a imitar atividades domésticas; consegue apontar partes do seu corpo;
  • Desenvolvimento social e emocional: brinca ao faz de conta, como dar comida a uma boneca; aponta para partilhar interesses;
  • Linguagem e comunicação: diz várias palavras simples; compreende e cumpre ordens simples.

Desenvolvimento infantil aos 24 meses

  • Desenvolvimento motor: atira uma bola; anda de triciclo; folheia uma página de cada vez; copia círculos; copia linha horizontal; folheia uma página de cada vez; calça sapatos e veste roupa simples;
  • Desenvolvimento cognitivo: segue instruções simples com dois passos (por exemplo “vai buscar os sapatos e arruma-os no armário”); reconhece-se ao espelho; começa a organizar formas e cores; completa frases e rimas em livros familiares; fala sozinho enquanto brinca; nomeia objetos num livro de figuras; manifesta a sua vontade e reconhece dois terços do corpo (na boneca);
  • Desenvolvimento social e emocional: imita os outros, sobretudo adultos e crianças mais velhas; fica muito entusiasmado por estar com outras crianças; pode revelar comportamento desafiante; faz birras e tem um pico de agressividade (geralmente aos 30 meses); tem empatia (tenta confortar outras crianças); brinca ao lado de outras crianças, mas começa a incluir amigos em jogos simples, tais como a “apanhada”;
  • Linguagem e comunicação: junta duas palavras; aumenta o vocabulário.

Desenvolvimento infantil aos 3 anos

  • Desenvolvimento motor: salta ao pé-coxinho; sobe com alternância e desce escadas sem alternância; veste-se; copia círculos;
  • Desenvolvimento cognitivo: faz puzzles de três ou quatro peças; faz perguntas para obter informação; brinca ao faz de conta com bonecas, animais e pessoais; compreende o que significa “dois”; reconhece e emparelha seis cores;
  • Desenvolvimento social e emocional: copia adultos e amigos; expressa afeto pelos amigos; mostra preocupação quando os amigos choram; tem amigos imaginários (3-7 anos de idade); participa em jogos cooperativos e inicia brincadeira com os pares; pode partilhar brinquedos, sentir-se culpado e triste quando magoa um amigo; espera pela sua vez nos jogos; mostra emoções várias e já se separa mais facilmente da mãe e do pai (por exemplo na escola);
  • Linguagem e comunicação: segue instruções simples de dois ou três passos; consegue nomear muitos objetos familiares; percebe palavras como “dentro”, “em cima”, “em baixo”, diz primeiro nome, idade e género, diz o nome de um amigo, diz palavras como “eu”, “nós”, “tu” e alguns plurais “carros”, cães”, “gatos”; expressa-se na maioria das vezes em linguagem percetível.

Desenvolvimento infantil aos 4 anos

  • Desenvolvimento motor: sustém-se num pé por mais de dois segundos; apanha uma bola; copia um quadrado;
  • Desenvolvimento cognitivo: nomeia algumas cores e números; compreende a ideia da contagem; compreende alguns conceitos temporais; lembra-se de parte de uma história; compreende a ideia de “igual” e “diferente”; espera pela sua vez; resolve problemas simples do quotidiano;
  • Desenvolvimento social e emocional: gosta de fazer coisas novas; cada vez mais criativo no faz de conta; fala sobre o que gosta e o que lhe interessa; aumenta a capacidade de regular emoções como raiva e agressividade; percebe regras como certo e errado; mostra arrependimento, culpa ou vergonha quando o seu comportamento é “mau” e simpatia e cooperação pelos colegas; prefere brincar com outras crianças do que sozinho;
  • Linguagem e comunicação: sabe algumas regras básicas de gramática, como usar corretamente “ele” ou “ela”; consegue dizer o primeiro e o último nome; conta histórias.

Desenvolvimento infantil aos 5 anos

  • Desenvolvimento motor: melhoria as capacidades motoras globais; tem coordenação motora com objetos; desce escadas com alternância; copia um triângulo;
  • Desenvolvimento cognitivo: revela atenção mais focada e duradoura; percebe o conceito de opostos; compreende regras de um jogo; define objetos pelo uso; mostra interesses mais específicos;
  • Desenvolvimento social e emocional: destrinça entre o real e a fantasia; mostra preocupação e simpatia com os outros; compreende regras do jogo e de grupo e quer agradar os amigos e ser como eles; gosta de cantar, dançar, atuar;
  • Linguagem e comunicação: tem um discurso inteligível a 90/100%; usa o tempo futuro; diz o seu nome completo.

Desenvolvimento infantil aos 6 anos

  • Desenvolvimento motor: a criança atinge maturidade postural e motora;
  • Desenvolvimento cognitivo: tem maior capacidade de concentração; emerge o raciocínio abstrato; consegue adiar a recompensa;
  • Desenvolvimento social e emocional: consegue trabalhar em equipa; revela maior independência em relação aos pais;
  • Linguagem e comunicação: define conceitos abstratos; mantém tópicos de conversa.

Desenvolvimento infantil aos 10 anos

  • Desenvolvimento cognitivo: traça a leitura e visão de si próprio, dos outros e do meio envolvente; revela aumento da capacidade de focar a atenção; começa a ver o ponto de vista do outro com maior facilidade;
  • Linguagem e comunicação: expressa-se num discurso mais social, menos egocêntrico.

Desenvolvimento infantil aos 12 anos

  • Desenvolvimento cognitivo: destrinça entre o certo e o errado; demonstra pensamentos mais complexos; tem pensamento concreto, domina o “aqui e agora”; possui uma maior capacidade de expressar sentimentos verbalmente;
  • Desenvolvimento social e emocional: é influenciado por colegas e amigos; está mais centrado em si, oscila entre uma confiança elevada e baixa; preocupa-se com a aparência; tem oscilações de humor; aumentam os interesses e influência do grupo de amigos e diminui a demonstração de afeto pelos pais; tem contacto com pares do sexo oposto em situações de grupo e a autoconfiança flutua;
  • Linguagem e comunicação: fim da capacidade de ser bilíngue; tem padrões próprios de fala.

Desenvolvimento infantil aos 15 anos

  • Desenvolvimento cognitivo: melhor compreensão da relação causa-efeito; matura o pensamento abstrato;
  • Desenvolvimento social e emocional: tem curiosidade em vivenciar novas experiências; adquire maior independência; ganha poder de argumentação para fundamentar as suas escolhas e defender aquilo que acha correto; aumentam as atividades e o tempo passado com os amigos; aumenta o interesse pelo sexo oposto e há maior capacidade para estabelecer relacionamentos íntimos.

Desenvolvimento infantil aos 18 anos

  • Desenvolvimento cognitivo: pensamento abstrato estabelecido; revela capacidade de planeamento; orientado para o futuro; capacidade de compreender, planear e perseguir objetivos a longo prazo;
  • Desenvolvimento social e emocional: demonstra valores morais e éticos; é menos suscetível à influência de amigos e colegas; compreende os limites e tem noção da mortalidade; constrói relações íntimas e afetivamente mais complexas; relaciona-se com a família num papel de adulto e com os pares de uma forma mais individual.

Como estimular o desenvolvimento infantil?

O desenvolvimento da criança depende também muito do contexto e da estimulação que esta recebe. Um contexto familiar responsivo e que corresponde às necessidades da criança, estimulando também a sua autonomia e as aprendizagens, será promotor de um saudável desenvolvimento infantil.

Em diferentes idades diferentes materiais poderão ser mais apelativos e adequados:

  • Dos 0 aos 6 meses: livros com imagens grandes, simples, coloridos, com material resistente ou plastificado para usar por exemplo durante o banho;
  • Dos 6 aos 12 meses: livros com fotos de bebés, pessoas familiares, objetos comuns, com páginas resistentes, plastificados, apelativos para tocar e que, ao toque, emitam som;
  • Dos 12 aos 24 meses: livros com animais variados, com palavras simples e imagens, com crianças a executar atividades do dia-a-dia, com rimas simples, livros para a hora de deitar, livros com crianças a dizer olá e adeus;
  • Dos 24 aos 36 meses: livros com rimas simples que possam memorizar, que contem histórias, com números, letras, formas geométricas, cores, animais, meios de transporte.

Quais os sinais de alerta no desenvolvimento infantil?

Existem alguns sinais que podem servir como alerta no desenvolvimento infantil

Para garantir um adequado desenvolvimento infantil e prevenir problemas de desenvolvimento, ou atuar atempadamente, é importante que sejam realizados rastreios. Estes rastreios devem ser feitos em momentos chave, nomeadamente aos 9 meses, 18 meses e 24 ou 30 meses. A partir daí também é importante um rastreio anual.

Além disso, os pais devem estar atentos a eventuais sinais de alerta que podem indicar a necessidade de uma avaliação especializada e posterior acompanhamento:

Aos 2 meses

  • Não sorri;
  • Não leva as mãos à boca;
  • Não segue os objetos com os olhos;
  • Não responde ao som;

Aos 4 meses

  • Não sorri;
  • Não segue os objetos com os olhos;
  • Não segura a cabeça;
  • Não emite sons;
  • Não leva objetos à boca;

Aos 6 meses

  • Não rola;
  • Não sustenta a cabeça;
  • Deitado de barriga para baixo não levanta a cabeça e ombros;
  • Não responde a sons;
  • Não imite sons;
  • Não se interesse por alcançar objetos que estão ao seu alcance;
  • Tensão muscular anormal ou falta de tensão muscular;
  • Não expressa vínculo afetivo com os cuidadores;
  • Não rola;
  • Não se ri, não expressa emoções positivas.

Aos 9 meses

  • Não se sustenta de pé com apoio;
  • Não se senta com apoio;
  • Não palra;
  • Não responde ao nome;
  • Não parece reconhecer pessoas familiares;
  • Não olha para onde se aponta;
  • Não transfere objetos de uma mão para a outra;
  • Ausência de reciprocidade de vocalizações;
  • Não sorri nem tem outras expressões faciais.

Aos 12 meses

  • Não se sustenta de pé com apoio;
  • Não se segura na mobília;
  • Não procura objetos escondidos;
  • Não diz palavras simples como mamã;
  • Não aponta;
  • Não responde ao nome quando é chamado;
  • Não vocaliza;
  • Ausência de reciprocidade de gestos (mostrar, alcançar).

Aos 18 meses

  • Não se sustém de pé;
  • Não anda;
  • Não aponta para mostrar objetos a outras pessoas;
  • Não imita;
  • Ausência de jogo simbólico ou de combinações de gestos/linguagem expressiva.

Aos 2 anos

  • Não corre;
  • Não usa escadas agarrado;
  • Não atira uma bola;
  • Não sabe reconhecer a função de objetos comuns como escova, garfo, colher;
  • Não imita;
  • Não cumpre ordens simples;
  • Marcha com desequilíbrio;
  • Não diz frases de duas palavras com sentido (sem imitar ou repetir).

Aos 3 anos

  • Dá quedas frequentes e não consegue subir e descer escadas;
  • Não pontapeia uma bola;
  • Não salta com os dois pés juntos;
  • Expressa-se num discurso inteligível;
  • Desconhece o uso funcional dos brinquedos;
  • Não brinca ao faz de conta;
  • Não cumpre ordens simples;
  • Evita contacto ocular;

Aos 4 anos

  • Não salta;
  • Não pedala um triciclo;
  • Não apanha, atira ou pontapeia uma bola;
  • Demonstra parca interação social;
  • Não compreende os conceitos de “igual” e “diferente”;
  • Usa a terceira pessoa em vez da primeira pessoa.

Aos 5 anos

  • Tem pouca coordenação (muito desajeitado);
  • Não compreende regras simples;
  • Não distingue realidade da fantasia.

Aos 7 anos

  • Não consegue trabalhar em equipa;
  • Não interage com os colegas e crianças da sua idade;
  • Não compreende a noção de causa-efeito;
  • Não é capaz de adiar a gratificação / recompensa.

Em qualquer idade é um sinal de alerta o facto de a criança perder capacidades que já tinha adquirido anteriormente. Assim, sempre que os pais identificarem algum sinal de alerta ou acharem que algo não está bem com o seu filho, devem procurar ajuda profissional, pois quanto mais precoce a intervenção, melhores os resultados!

Esperamos que o presente artigo tenha sido útil para compreender um pouco melhor as diversas fases do desenvolvimento infantil!

Diana Pereira

Amante de histórias, gosta de as ouvir e de as contar. Tornou-se Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde, pela Universidade do Porto, mas trouxe sempre consigo a escrita no percurso. Preocupada com histórias com finais menos felizes, tirou pós-graduação em Intervenção em Crise, Emergência e Catástrofe. Tornou-se também Formadora certificada, e trabalha como Psicóloga Clínica, com o objetivo de ajudar a construir histórias felizes, promovendo a saúde mental. Alimenta-se de projetos, objetivos e metas. No fundo, sonhos com um plano.