Enxaqueca: o que é, causas, sintomas e tratamento?

Quem já sentiu dores de cabeça bem sabe o quanto incomodativa e irritantes são. O bom humor parece ir embora e o dia fica “arrastado”, sem que se consiga cumprir simples atividades rotineiras.

Agora, imagine sentir uma dor de cabeça profunda, latejante, recorrente e que pode ser até incapacitante. Se reconhece os sintomas descritos, certamente é uma pessoa que já sofreu ou ainda sofre com a enxaqueca.

Para o orientar sobre os fatores de risco da enxaqueca, as suas causas, os seus sintomas e os possíveis tratamentos, redigimos o presente artigo onde procuramos dar resposta a estas e outras questões. Boa leitura!

O que é a enxaqueca?

A enxaqueca é uma dor de cabeça crónica que tem uma base biológica, afetando, sobretudo, pessoas que tenham alguma predisposição genética. Embora a enxaqueca possa afetar qualquer pessoa, em diferentes fases da vida, é mais recorrente em adolescentes e jovens adultos, particularmente do sexo feminino.

A duração das crises de enxaqueca pode variar entre quatro horas e três dias, sendo a dor de cabeça intensa o seu sintoma mais característico.

Infelizmente, os “exames triviais” não detetam a doença, o que contribui para a estigmatização daqueles que padecem de enxaquecas. Por vezes, podem ser vítimas de comentários desagradáveis daqueles que não conseguem compreender o quão difícil é lidar com a enxaqueca.

Quais os sintomas da enxaqueca?

A enxaqueca costuma emitir, em pelo menos 15% dos casos, sinais claros de que está por chegar. Sintomas visuais como embaçamento da visão ou a presença de pontos luminosos, em “zigue-zague” ou manchas escuras, estão entre os sinais mais comuns.

Em seguida, enumeramos alguns dos sintomas da enxaqueca (podem durar minutos ou até uma hora):

  • Dor de cabeça e sensação de cabeça (leve ou pesada);
  • Alterações da pressão arterial;
  • Enjoo (náusea);
  • Visão embaçada (habitualmente precede a crise), tonturas e virtigens;
  • Vómitos e diarreia;
  • Fotofobia (sensibilidade à luz);
  • Sensibilidade ao barulho (a chamada hiperacusia);
  • Sensibilidade aos cheiros (osmofobia);
  • Visão embaçada ou dupla;
  • Cegueira momentânea e parcial;
  • Fala confusa e embaralhada;
  • Formigueiro no couro cabeludo, face ou outras partes do corpo;
  • Alterações da diurese (aumento da produção de urina);
  • Mudanças na temperatura do corpo;
  • Transpiração excessiva;
  • Alterações de humor (tristeza, irritabilidade);
  • Alterações da atenção, concentração e memória;
  • Letargia (indisposição);
  • Obstrução nasal;
  • Inchaço no rosto, ao redor dos olhos;
  • Retenção de líquidos;
  • Sensação de pressão nos ouvidos, como se estivessem tapados;
  • Medo, pânico e sensação de perda de controlo emocional;
  • Fraqueza muscular ou diminuição da força muscular.

Quais as causas da enxaqueca?

A enxaqueca é provocada por um desequilíbrio químico no cérebro, envolvendo substâncias conhecidas como neurotransmissores. Não obstante, importa referir que não podemos generalizar os fatores que desencadeiam a enxaqueca, uma vez que podem variar de pessoa para pessoa.

Entre as principais causas da enxaqueca poderão estar:

  • Predisposição genética;
  • Emoções fortes;
  • Stress e ansiedade;
  • Ficar longos períodos sem se alimentar;
  • Odores fortes (aromatizantes e fragrâncias marcantes);
  • Bebidas alcoólicas;
  • Más rotinas de sono;
  • Dormir durante o dia;
  • Ar condicionado;
  • Período menstrual;
  • Alimentos (com glutamato monossódico, também designada por E-621).

Não obstante, alguns alimentos podem ajudar no alívio do mal estar provocado pela enxaqueca, nomeadamente: leite, banana, queijo, salmão, sementes de chia e de linhaça, castanhas e amêndoas, chá de maracujá, erva cidreira ou gengibre.

A enxaqueca é mais comum nas mulheres?

Sim. Embora possa afetar todas as pessoas, regra geral, a enxaqueca afeta sobretudo mulheres. A razão prende-se, sobretudo, com fatores hormonais. Note-se que o corpo feminino passa por várias mudanças durante o período pré-menstrual, gravidez e menopausa.

Em alguns casos, a pílula pode também ser um fator que desencadeia a enxaqueca, embora nem sempre contribua isoladamente para esta condição.

É normal a cabeça ficar a latejar?

Sim. As dores de cabeça crónicas (como a enxaqueca) podem ser do tipo pulsátil, como se o coração estivesse a pulsar numa determinada zona da cabeça, geralmente na região temporal. Além desse latejamento, também pode provocar uma sensação de peso ou pressão, como se o crânio estivesse prestes a explodir.

É também comum que a localização da dor da enxaqueca possa variar de crise para crise, dificilmente acontecendo na mesma zona da crise anterior. Entre as regiões mais afetadas estão os seios da face, a nuca e a mandíbula.

Qual o tratamento para enxaqueca?

O tratamento e o alívio dos sintomas da enxaqueca poderão passar por fármacos, prescritos por um médico. Não obstante, recomenda-se repouso absoluto, de preferência num ambiente calmo, silencioso e escuro, onde seja possível relaxar.

Entretanto, é importante salientar que a enxaqueca não tem cura, e isto acontece por ter na sua origem inúmeros fatores. Não obstante, é possível prevenir as crises, adotando alguns cuidados, nomeadamente:

1. Mudança no estilo de vida

Alterar hábitos pode contribuir para a redução da frequência das crises de enxaqueca. Dormir bem, praticar exercício físico, evitar situações de stress e deixar de fumar estão entre as mudanças que podem melhorar a qualidade de vida.

2. Cuidar da alimentação

Evitar alimentos que contenham na sua composição substâncias que prejudicam a circulação sanguínea, como o café, por exemplo, é importante para prevenir a enxaqueca. Alimentos industrializados, ricos em aditivos artificiais também devem ser eliminados da sua alimentação, visto provocarem inflamações que podem desencadear crises.

3. Seja um adepto das técnicas de relaxamento

Praticar ioga ou meditação ajuda a aliviar o stress e a ansiedade do dia a dia, um dos fatores que podem desencadear a enxaqueca. Além disso, estas práticas auxiliam na regulação das emoções. Massagens e a interação social com que pessoas que lhe são queridas também ajudam.

4. Use plantas medicinais a seu favor

Valeriana e tanaceto são conhecidos pelas suas propriedades relaxantes, atuando como calmantes naturais que regulam o sono e evitam inflamações e ajudam a prevenir a enxaqueca. Podem ser consumidos em forma de chá ou cápsulas, não podendo substituir a medicação prescrita pelo médico especialista.

Compreender os sinais e as causas da enxaqueca é fundamental, pois só assim será possível identificar qual o tratamento mais adequado. Se apresenta alguns dos sintomas listados neste artigo, não deixe de consultar o seu médico. Cuide do seu bem estar!

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)