Gatos obesos: quais os riscos e cuidados necessários?

Uma grande parte das pessoas que gosta de animais de estimação, tende a preferir os mais “gordinhos”, em grande medida por parecerem mais “fofos” e até mais bonitos. No entanto, o excesso de peso e, consequentemente, de gordura corporal pode acarretar problemas sérios para a saúde dos animais.

Regra geral, os gatos por serem animais relativamente sedentários, nomeadamente quando comparado com os cães, acabam por ter uma maior tendência para sofrer com o excesso de peso, não sendo raro depararmo-nos com gatos obesos.

Caso a obesidade não seja tratada corretamente, pode até mesmo diminuir a esperança média de vida em cerca de dois anos em relação aos gatos com o peso ideal. Por esse motivo, é essencial saber cuidar dos seus companheiros de quatro patos de forma a que estes não ganhem demasiado peso.

Neste artigo abordamos a obesidade nos gatos, procurando dar resposta a algumas das perguntas mais frequentes sobre esta temática, nomeadamente quais os riscos desta condição. Boa leitura!

Quais os riscos da obesidade nos gatos?

Uma grande parte das pessoas que tem gatos como animais de companhia, tende a não dar muita importância ao peso corporal, acreditando que, mesmo que venham a engordar ou que se tornem gatos obesos, não se trata de algo propriamente grave.

Mas a verdade é que, regra geral, o que acontece é precisamente o oposto. Por serem animais de estimação, com os quais estabelecem ligações emocionais e afetivas, os donos tendem a oferecer muita comida, como forma de demonstração de carinho e amor.

Além disso, ao contrário dos cães que, sendo grandes ou pequenos, têm de ser “passeados” diariamente, sobretudo os cães de apartamento, os gatos acabam por ficar mais tempo dentro de casa, não se exercitando tanto.

Mesmo sendo animais ágeis e com muita destreza, acabam por se movimentar menos, tornando-se muito sedentários. O resultado de tudo isso é, naturalmente, o aumento do peso corporal.

No entanto, quando este aumento é muito grande, levando a um quadro de obesidade felina, pode fazer com que os gatos obesos desenvolvam algumas doenças, nomeadamente:

  • Problemas no coração, nas articulações e na pele.
  • Distúrbios hepáticos e de vesícula biliar;
  • Doenças osteomusculares e sobrecarga articular;
  • Problemas respiratórios;
  • Diabetes;
  • Pancreatite;
  • Colesterol alto;
  • Icterícia (olhos, gengivas e mucosas amarelados);
  • Vómitos e diarreia frequentes;
  • Urolitíase (formação de “pedras nos rins”);
  • Indisposição.

A lista é grande, mas isso não significa que o mesmo animal venha a sofrer de todos esses problemas de saúde. Pode acontecer ser acometido por apenas um, ou alguns, mais graves ou menos graves. De qualquer forma, é importante identificar se o seu gato sofre de obesidade e, a partir disso, procurar o tratamento adequado.

Como saber se seu gato está obeso?

O primeiro ponto é saber diferenciar quando os gatos estão apenas um pouco acima do peso ou quando, de facto, já são gatos obesos. Como os gatos tendem a acumular gordura abdominal, fica um pouco difícil perceber o ganho de peso.

Além disso, não existe um peso ideal para os gatos, visto que isso varia em função do seu tamanho (gatos de porte pequeno, médio ou grande) e da sua estrutura óssea. Existem gatos que já em idade adulta continuam a ser pequenos, enquanto outros, mesmo sendo mais novos, já são grandes.

Não obstante, regra geral, pode-se considerar que o peso ideal dos gatos fica entre os 4 kg e os 5 kg para machos e entre os 3 kg e os 4 kg para fêmeas. Caso o peso do seu gato estiver entre 15% a 20% acima dos valores referência, poderá ser um sinal de alerta.

Uma forma simples de notar isso é observando que o abdómen do seu gato fica arredondado e as costelas não ficam palpáveis por causa do excesso de gordura corporal. Caso ao tocar na região das costelas não for possível senti-las, isso poderá ser encarado como um sinal de gatos obesos.

Nestas situações a recomendação é levar o seu amigo de quatro patas ao médico veterinário de forma a serem avaliados por quem sabe. Este profissional irá fazer uma avaliação do peso, como também um check-up geral à saúde do gato. Não raras vezes, a obesidade felina pode ser um sintoma de uma outra doença.

Avaliar a rotina e o comportamento do seu gato também pode ajudar a identificar sianis de alerta, pois os gatos obesos costumam ter menos mobilidade, principalmente se precisarem correr, pular ou subir algum lugar.

Outro fator que faz com que os gatos passem a ganhar peso mais facilmente é a idade, visto haver uma significativa redução no metabolismo, especialmente nos gatos a partir dos 5 anos de idade, altura em que ficam menos ativos e mais propensos a se tornarem gatos obesos. Nesta fase da vida o acompanhamento profissional é ainda mais importante, para avaliar outros problemas de saúde que podem surgir com o envelhecimento.

É também válido destacar que os gatos machos têm uma maior tendência a ser tornarem gatos obesos, quando comparados com as fêmeas. Alguns estudos apontam para que os gatos sem raça definida (“rafeiros”) poderão também ter uma propensão maior que os de raça definida – não obstante, tanto quanto conseguimos aferir, são dados ainda relativamente frágeis.

Dicas e cuidados para lidar com gatos obesos

Quando diagnosticado um quadro de obesidade felina, são precisos alguns cuidados com os gatos obesos, de forma a que estes consigam regredir até ao peso ideal. Assim como para os humanos, a combinação de uma alimentação equilibrada e prática de atividade física é determinante.

Dicas para lidar com gatos obesos:

  • Optar por ração própria para gatos obesos;
  • Oferecer a ração apenas na quantidade necessária;
  • Não dar petiscos fora do horário das refeições;
  • Evitar oferecer comida para humanos (nem mesmo vegetais ou alimentos leves);
  • Ter brinquedos que estimulem o gato a movimentar-se, como por exemplo bolinhas, arranhadores, caixas de cartão, entre muito outros;
  • Estimular o seu gato a movimentar-se.

Em alguns casos poderá também ser necessário fazer uso de medicamentos para auxiliar no processo, não obstante, tal como nos humanos, isto deverá ser sempre feito mediante prescrição médica.

Independente de ter ou não gatos obesos, lembre-se que as consultas com o médico veterinário são importantes para identificar possíveis problemas de forma precoce, evitar complicações e manter a boa saúde do seu animal de estimação, garantindo que tenham uma excelente qualidade de vida!

Mariana Bueno

Brasileira, jornalista e escritora. Desde criança tem os livros como os seus grandes companheiros e, mais tarde, transformou a escrita em profissão. É formada em Comunicação e pós-graduada em Media Digitais. Gosta de transmitir informações por meio dos seus textos e adora ouvir e contar boas histórias, de preferência as que descobre ao viajar por diferentes lugares.