Leite materno: composição, benefícios e armazenamento

Como certamente saberá, o leite materno é um alimento de extrema importância nos primeiros meses da vida de qualquer bebé. Não obstante, esse poderoso alimento é, ainda hoje, alvo de vários estudos que procuram determinar todos os seus benefícios.

Não obstante, está já cientificamente comprovado que o leite materno é composto, em grande parte, de água, sobretudo no início da amamentação. À medida que o bebé vai sugando o seio da mãe, o leite vai ficando cada vez mais gorduroso e também mais rico de vitaminas, açúcares, substâncias anti-inflamatórias, sais minerais, células-tronco, entre outros importantes nutrientes, daí ser tão importante para a saúde da criança.

Ficou interessado neste assunto e quer saber mais sobre o leite materno? Então continue a leitura deste artigo no qual procuramos responder a algumas das perguntas mais frequentes sobre o tema, nomeadamente como conservar o conservar, aquecer, descongelar. Boa leitura!

Qual a composição do leite materno?

Como referimos, o leite materno possui alguns dos nutrientes mais importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebé, entre eles, gordura, proteínas e hidratos de carbono. Além disso, contém também uma boa quantidade de anticorpos, que ajudam a fortalecer o sistema imunitário da criança.

É importante referir que, ao longo do crescimento do bebé, o leite materno vai sendo alvo de algumas transformações, que podem ser divididas em três fases principais. A saber:

  1. Colostro: o colostro é primeiro tipo de leite materno, cuja consistência é bastante líquida. A sua coloração é amarelada, sendo o mais rico em proteínas;
  2. Leite de transição: surge depois de uma semana de amamentação, e é mais rico em gorduras e hidratos de carbono do que o colostro e, por este motivo, é mais espesso;
  3. Leite maduro: esta fase tem início depois de aproximadamente 21 dias de amamentação. É um leite completo, composto por gorduras, hidratos de carbono, vários tipos de vitaminas, proteínas e anticorpos.

O leite materno é tão poderoso que, por ser rico em anticorpos, acaba por funcionar como uma “vacina natural”, fortalecendo assim o sistema imunitário do bebé contra vários tipos de infeções. Esta é a principal razão para se priorizar a amamentação, visto que os leites adaptados – também conhecidos como “fórmulas” -, não conseguem simular este inestimável benefício.

Existe leite materno fraco?

Esta é uma dúvida que muitas mães têm e que, por muitas vezes, é a principal responsável pelo abandono da amamentação. Todavia, o mito do leite materno fraco não procede, visto que este possui todos os nutrientes necessários para o crescimento e desenvolvimento do bebé em cada fase da sua vida. Vale referir que nem mesmo o peso ou tamanho dos seios da mãe influenciam a quantidade de leite produzido: mulheres magras ou mulheres com seios pequenos possuem a mesma capacidade de alimentar adequadamente o bebé. Não obstante, é imprescindível que a mulher se alimente corretamente e beba bastante água, hábitos que contribuirão para a produção de leite.

Como aumentar a produção do leite?

Como referido, uma boa alimentação e ingestão constante de água (entre 3 a 4 litros por dia) são fatores que influenciam na produção de leite. Além disso, é fundamental que a mãe inclua em seu cardápio alimentos como frutas, vegetais e cereais integrais. Ademais, o movimento de sucção do bebé na mama também ajuda a estimular a produção de leite, e é por este motivo que se deve dar de mamar o maior número de vezes possível.

Como armazenar leite materno?

Algumas mulheres precisam de armazenar o leite materno, seja para aliviar o inchaço dos seios ou para retomar as atividades exercidas antes do parto, como a rotina no trabalho, por exemplo. Para que o armazenamento seja bem sucedido, é importante que o leite seja guardado no frigorífico, em recipientes próprios para essa finalidade, geralmente encontrados em farmácias. É possível também armazenar o leite em num recipiente de vidro com uma tampa de plástico, desde que este seja devidamente esterilizado.

Outra opção são os sacos para conservação de leite materno, que tornam a conservação, o transporte e o aquecimento do leite mais higiénicos e práticos.

Durante quanto tempo pode ser armazenado?

No frigorífico, o leite pode ser armazenado por até 48 horas, desde que não seja colocado na zona da porta, pois assim é possível evitar as alterações bruscas de temperaturas, que podem danificar a qualidade do leite. Caso seja armazenado no congelador, o leite materno tem um prazo de validade de até 6 meses.

Como descongelar o leite materno?

Para descongelar o leite materno basta seguir os passos que indicamos em seguida:

  1. Retire, com algumas horas de antecedência, o leite que está guardado há mais tempo no frigorífico ou congelador;
  2. Em seguida, o recipiente deve ser colocado dentro de uma panela com água morna e esta levada ao fogão para aquecer gradualmente.

Referir que não é aconselhável aquecer o leite diretamente na panela, tampouco no micro-ondas, pois estes métodos podem destruir as proteínas presentes no leite, além de não aquecer o leite de maneira uniforme. Ademais, podem também causar queimaduras na boca do bebé.

É importante lembrar que se deve descongelar apenas a quantidade necessária de leite, visto que este não pode voltar a ser congelado no congelador. Contudo, caso descongele em excesso, deve-se armazenar o que restou no frigorífico e utilizá-lo num período máximo de 24 horas.

Como tirar leite com a bombinha?

Tirar leite através de um extrator de leite materno, popularmente conhecido como “bomba” ou “tira leite”, é um processo que, por ser manual, acaba por ser um pouco demorado, sobretudo nas primeiras tentativas, contudo, aos poucos, a tarefa vai ficando cada menos difícil – basta ter tempo e um pouco de paciência!

Para dar início ao processo de extração do leite, é fundamental que a mulher lave bem as mãos e os seios e procure um lugar calmo e confortável para esse momento, dando início à execução dos seguintes passos:

  1. Coloque a abertura do extrator de leite sobre a mama, garantindo que o mamilo fique bem centralizado;
  2. Comece a fazer movimentos suaves e circulares com as pontas dos dedos, massageando a mama e pressionando a bomba lentamente, simulando assim a amamentação do bebé no seio;
  3. Em seguida, aumente a intensidade, respeitando, obviamente, o seu bem-estar.

Feito este processo, coloque no recipiente informações como a data e hora em que o leite foi extraído, o que facilitará no momento de escolher qual frasco que deverá ser descongelado – deverá ser dada prioridade aos mais antigos.

Quando interromper a amamentação?

A amamentação deve ser a única forma de alimentação do bebé até os 6 meses de idade, isto é, outros alimentos, como papas e leites industrializados, não devem ter espaço nesta fase da vida da criança. Depois desse período, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a amamentação até os 2 anos, em menor quantidade e junto com outros alimentos, que devem ser introduzidos aos poucos. Comece por aqueles de sabores mais neutros, como batata-doce, cenoura, arroz e banana, sempre em forma de papa, cuja consistência facilita a deglutição e evita engasgamentos.

Contudo, a verdade é que algumas mulheres não conseguem amamentar, e nestes casos, é necessário que se procure orientação de um médico pediatra ou obstetra para que o profissional possa orientar a seleção e uso de um leite adaptado, conhecido por “fórmula”.

Qual a importância do leite materno?

O leite materno é, sem dúvidas, o melhor alimento para o bebé. São vários os estudos que mostram que o impacto da amamentação continua a ecoar ao longo da vida adulta do indivíduo, influenciando fatores como a escolaridade, nível de quociente intelectual (QI) e tendência à obesidade.

Além disso, a amamentação também é benéfica para a mãe, que fica mais protegida contra o cancro de ovário e de mama. No pós-parto, a amamentação ajuda a evitar e a superar a depressão pós-parto e facilita a recuperação do peso pré-gestação. Ou seja, todos têm a ganhar, mãe e bebé, por isso, se lhe for possível, não deixe de amamentar o seu filho!

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)