Lesões desportivas: quais as mais comuns e como as evitar?

Praticar exercício físico é um hábito que todos deveríamos adotar. Além de fazer inegavelmente bem à saúde do corpo, é também uma ótima maneira de descontrair a mente, afinal de contas, “corpo são, mente sã” é uma máxima incontestável.

Todavia, a prática de atividade física pode trazer alguns contratempos, sobretudo se não se consultar um médico do desporto ou um preparador físico (personal trainer). Estamos a falar das lesões desportivas, a principal causa do afastamento de atletas profissionais das suas áreas de atuação, bem como dos praticantes ocasionais/amadores de alguma modalidade.

É fundamental referir que todas as atividades, sejam desenvolvidas por questões de saúde, a título profissional ou como hobby, precisam de ser realizadas com segurança, a fim de evitar consequências danosas ao corpo. Para alertá-lo sobre os riscos envolvidos, reunimos neste artigo as cinco lesões desportivas mais comuns, para que assim possa ser advertido e tomar os cuidados necessários para não sofrer nenhuma delas. Boa leitura!

Quais as lesões desportivas mais comuns?

As lesões desportivas não são exclusivas dos atletas profissionais

Contusão muscular

A contusão muscular está no topo das lesões desportivas mais comuns. Causada por um trauma direto que provoca uma intensa dor, rigidez na região e inchaço, afeta mais frequentemente a coxa. É bastante comum entre atletas, sobretudo jogadores de futebol, o que não significa que não possa ocorrer a qualquer um praticante de atividades físicas.

A contusão muscular pode ser leve, moderada ou severa, levando mais ou menos tempo para ser recuperada. Para tratar a contusão muscular, são utilizadas compressas frias, pomadas anti-inflamatórias, alongamentos e repouso. Nos casos mais graves, a fisioterapia pode ser indicada.

Estiramento muscular

Quando o músculo estica demasiado dá-se o estiramento muscular, provocado por esforço excessivo na prática de alguma atividade. Geralmente, ocorre a rotura de fibras presentes nos músculos, ocasionando uma dor aguda e intensa no local da lesão.

Nos momentos seguintes e até mesmo dias depois, pode-se notar uma diminuição da mobilidade, flexibilidade e força muscular. Nestes casos, é fundamental aplicar uma compressa fria, repousar para que o músculo recupere e fazer uso de pomadas anti-inflamatórias. As sessões de fisioterapia também são recomendadas, especialmente quando o estiramento muscular é mais severo.

Tendinite

A tendinite acontece quando a fibra responsável por unir o músculo ao osso, nomeadamente o tendão, lesiona-se, ocasionando uma inflamação. É possível diagnosticá-la através dos seus sintomas, nomeadamente dor e inchaço do tendão, principalmente nas regiões do ombro, tornozelo, pulso e joelho.

Como as demais lesões desportivas, a tendinite pode trazer consequências desagradáveis, como a impossibilidade de movimentação do paciente, que muitas vezes precisa ser submetido à imobilização da área afetada e a sessões de fisioterapia.

Entorse e rotura de ligamentos

Entre as lesões desportivas mais comuns estão a entorse e rotura de ligamentos, ocasionadas pelo estiramento excessivo dos ligamentos e outros tecidos estruturais responsáveis pelas articulações e a sua estabilidade.

Entre as principais causas deste tipo de lesão estão os traumatismos, movimentos bruscos e má colocação osteoarticular, que levam a dores intensas na região afetada, vermelhidão da pele, incapacidade funcional e inchaço severo.

É indispensável que perante uma entorse e suspeitas da rotura de ligamentos se procure ajuda médica, pois o especialista verificará se houve comprometimento dos ligamentos, o que poderá trazer consequências mais graves, como a sua rotura.

Lombalgia

Caracterizada por uma dor na região mais baixa da coluna, perto da bacia, a lombalgia é uma dor lombar também conhecida como lumbago. Esta pode irradiar para outras regiões, como as nádegas, face posterior das coxas e os joelhos. A lombalgia está entre as lesões desportivas que podem levar à incapacitação, minando assim as possibilidades de realização de atividades físicas.

Os seus sintomas principais são dificuldades de locomoção e formigueiro, podendo variar de acordo com a intensidade da lesão bem como do seu tipo (aguda ou crónica). Entre os tratamentos mais eficazes estão o uso de alguns medicamentos, entre eles anti-inflamatórios, analgésicos, relaxantes musculares e corticoides, que proporcionam alívio da dor e melhora da habilidade funcional.

Além disso, outras terapêuticas, como massagem, termoterapia, eletroterapia podem ser grandes aliadas no tratamento da lombalgia.

Como evitar lesões desportivas?

A generalidade das lesões desportivas podem e devem ser evitadas, por esse motivo, partilhamos dez dicas que consideramos importantes:

  1. Antes de começar qualquer atividade física, procure orientação médica. O profissional fará uma avaliação das suas condições e poderá indicar terapias integradas com fisioterapeuta e um profissional de educação física;
  2. Não partilhe ou pesquise na internet programas de treinos. Estes devem ser elaborados especialmente para si, em função das suas características, limitações e potencialidades. Caso contrário, poderá ser afetado por quaisquer uma das lesões desportivas acima mencionadas;
  3. Antes de tudo, não se esqueça do aquecimento! Antes da prática de qualquer atividade física, é fundamental que realize um bom aquecimento, o que diminuirá consideravelmente as probabilidades de adquirir lesões desportivas;
  4. Não maltrate o seu corpo, permita que descanse adequadamente. É imperativo que repouse após as atividades físicas, de forma a que os músculos possam recuperar do esforço e regenerar-se;
  5. Alimente-se bem, consumindo todos os nutrientes necessários para que realize as atividades físicas. Além disso, é fundamental que se mantenha hidratado. Tenha sempre uma garrafa de água perto de si;
  6. Utilize sempre calçado adequado! Sabia que utilizar calçados inadequados pode favorecer o surgimento das lesões desportivas? Por isso, prefira sempre ténis (sapatilhas) confortáveis e em bom estado. Lembre-se: o pé é a base de sustentação do nosso corpo;
  7. Tenha bom senso ao treinar. Evite excessos que possam ocasionar exaustão muscular. Respeite os seus limites, não vá além da sua capacidade máxima. O seu corpo agradece;
  8. Não se esqueça dos alongamentos! O alongamento é um dos fatores que ajudam a diminuir as probabilidades de contrair lesões desportivas. Todavia, é preciso evitar excessos, visto que os alongamentos, quando mal executados, também podem causar lesões caso o músculo não esteja preparado para essa etapa de aquecimento do corpo;
  9. Musculaturas agonistas e antagonistas (respetivamente, músculos principais, que produzem ativamente um movimento desejado e músculos que se opõem à ação dos agonistas) devem ser trabalhadas de maneira harmónica, isto é, igualmente, pois só assim não haverá um desequilíbrio das forças, o que poderá acarretar lesões desportivas;
  10. Execute os exercícios dentro de um padrão biomecânico, ou seja, observando as estruturas, funções dos seus sistemas e esforços externos para que repercutam de maneira positiva nas estruturas internas. Fique sempre atento ao impacto que uma sobrecarga pode oferecer a outros músculos.

Tomando todos os cuidados acima referidos, provavelmente estará menos vulnerável às lesões desportivas descritas neste artigo. Para um acompanhamento personalizado, o que certamente diminuirá as probabilidades de se magoar durante a prática de atividade física, consulte um preparador físico ou um médico do desporto.

Estes profissionais serão os seus maiores aliados na busca por resultados satisfatórios e alto desempenho, bem como na melhoria da qualidade de vida, caso seja um atleta amador. Cuide-se!

Luana Castro Alves

Graduada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)