Medo de andar de avião: aprenda a lidar com esta fobia

Viajar é uma atividade atualmente fundamental para a maioria dos cidadãos europeus, seja por motivos de trabalho, por lazer, para estarmos mais próximos da família ou dos amigos, ou até por questões de saúde. Porque o avião representa muitas vezes o único meio de transporte apto a levar-nos onde queremos ir (ou, pelo menos, o mais rápido), para muitas pessoas o medo de voar pode tornar-se um problema sério e uma fonte de angústia.

Neste artigo exploramos em que consiste o medo de voar e quais os sintomas associados, e damos-lhe algumas dicas para conseguir lidar com este problema.

Em que consiste a aerofobia e o medo de voar?

Antes de mais é necessário distinguir entre aquilo que representa um receio natural de andar de avião e a aerofobia.

Todos nós, ou pelo menos a grande maioria, sente um medo quase instintivo de voar, seja de avião, de helicóptero, de parapente, ou com uma corda amarrada à cintura – voar não é um comportamento natural para os seres humanos e, por isso, por muito que consigamos compreender toda a engenharia subjacente à aviação e as forças aerodinâmicas que mantêm um avião no ar, é quase inevitável sentirmos aquele “friozinho na barriga” de cada vez que o avião levanta voo ou quando sofre alguma turbulência.

O problema surge quando esse receio representa uma forte angústia para o passageiro, para quem voar pode ser mesmo uma tortura – aí estamos perante uma fobia, mais especificamente, a aerofobia.

Uma fobia pode ser definida como um medo intenso de um determinado objeto, animal, situação ou local. A pessoa usualmente percebe que se trata de um medo irracional e extremo, mas não consegue deixar de manter um comportamento de evitamento ou distanciamento da fonte causadora da fobia, sendo que, quando tem que a enfrentar, experiencia sentimentos extremos de stress e ansiedade.

O que causa a aerofobia?

No que respeita ao medo de voar, as causas subjacentes a esta fobia podem ser de várias ordens – a pessoa pode ter medo por nunca ter andado de avião, por ter passado por uma má experiência relacionada com voos, por ter ouvido ou lido histórias sobre quedas de aviões, ou por nenhuma destas razões (daí a irracionalidade da fobia).

O medo de voar pode ainda ser despoletado por questões físicas ou médicas – se é usual enjoar ou sofrer dores de ouvidos quando anda de avião, é natural que se sinta ansioso de cada vez que o tiver de fazer.

Existem ainda outras fobias associadas ao ato de voar, como a claustrofobia ou fobia social. Nestes casos, o indivíduo pode pensar que tem aerofobia, quando na verdade o medo de voar é uma consequência dessas outras fobias.

Para quem sofre deste problema, é importante ser capaz de reconhecer os sinais que o próprio corpo emite quando está a experienciar uma fobia e ter em mente algumas estratégias a adotar quando esses sintomas se manifestarem.

Quais são os sintomas da aerofobia?

  • Tonturas e/ou sensação de desmaio;
  • Tremores e/ou sensação de formigueiro no corpo;
  • Enjoos e/ou vómitos;
  • Arrepios, suores frios e/ou transpiração exagerada;
  • Dor no peito, falta de ar e/ou palpitações cardíacas;
  • Medo extremo de perder o controlo da situação, de morrer ou desmaiar;
  • Sensação de se estar fora do próprio corpo;
  • Desorientação;
  • Dificuldade em pensar com clareza;
  • Em casos mais extremos, a pessoa pode entrar em choque.

O que fazer para lidar com o medo de andar de avião?

A aerofobia é usualmente tratada com psicoterapia, medicação ou uma combinação das duas. Relativamente à medicação, alguns ansiolíticos ou calmantes poderão ajudar a lidar com o stress causado pelo voo e a aliviar alguns sintomas. No entanto, tome atenção – deverá sempre consultar um médico e nunca tomar qualquer tipo de medicamento sem prescrição médica.

O medo de voar é uma fobia tratável, por isso não hesite em procurar a ajuda de um psicólogo ou psicoterapeuta se sentir que este problema tem impacto na sua vida profissional ou pessoal.

Existem igualmente algumas estratégias que poderá utilizar quando tiver que andar de avião. Estas dicas, apesar de não eliminarem por completo o medo de voar, poderão ser úteis para atenuar alguns dos sintomas e para tornar a experiência de voar um pouco menos penosa.

Estratégias práticas para ultrapassar o medo de voar

  1. Seja honesto: o primeiro passo para vencer a aerofobia é ter consciência que ela existe. Muitas pessoas têm vergonha em admitir que têm medo de voar ou desvalorizam os sintomas. Lembre-se que muitas pessoas sofrem de várias fobias e por isso não está sozinho.
  2. Conheça o seu medo: cada fobia é uma fobia, e apesar do medo de voar ser associado ao voo em si, os fatores que despoletam uma maior ansiedade são variados. Desde o lugar do avião onde se senta, o facto de se sentir enjoado ou o barulho dos motores, se conseguir reconhecer os fatores ativadores de stress, poderá utilizar métodos específicos para lidar com eles enquanto o nível de ansiedade ainda é baixo (por exemplo, sentar-se longe da janela, tomar medicação contra o enjoo ou ouvir música durante o voo).
  3. Eduque-se: todos os medos são alimentados pela ignorância e o medo de voar não é exceção. Antes de voar, procure informar-se sobre factos relacionados com a aviação – como é que um avião levanta voo e aterra, o que fazer perante a turbulência, qual a probabilidade de ocorrência de um acidente aéreo. Se conhecer um pouco da ciência do voo, deixará de ser assolado pelas questões “E se?” que muitas vezes contribuem para o aumento do stress.
  4. Separe o medo do perigo: por vezes é difícil perceber se estamos só ansiosos ou efetivamente em perigo porque, na maioria das vezes, o nosso corpo reage da mesma forma em ambos os casos. Tenha em mente que a aerofobia é apenas um medo, e não representa um perigo real.
  5. Foque-se no objetivo da viagem: o medo de voar pode representar uma grande dificuldade na nossa vida profissional ou pessoal, por isso procure focar-se no motivo pelo qual tem que viajar. Leia revistas ou blogues de viagens sobre o local que vai visitar, planeie atividades que lhe dão prazer e, acima de tudo, mantenha presente a ideia de que o voo vai valer a pena.
  6. Evite o álcool: apesar de para muitos funcionar como calmante, em última análise a ingestão de bebidas alcoólicas antes ou durante o voo altera a forma como o seu cérebro reage aos estímulos, o que pode resultar num aumento da ansiedade em caso, por exemplo, de turbulência. Pelo contrário, pode experimentar fazer exercício físico antes do voo – as endorfinas libertadas pelo esforço físico têm um efeito calmante natural e ajudam a dissipar alguma da energia nervosa acumulada.
  7. Aprenda técnicas de relaxamento: seja através de meditação, respiração controlada ou de relaxamento muscular, estas técnicas podem representar uma grande ajuda na diminuição do stress e da ansiedade relacionados com o voo;
  8. Peça ajuda: independentemente da psicoterapia que referimos acima, pode e deve pedir ajuda aos que o rodeiam durante o voo. Explique àqueles que viajam consigo que tem medo de voar e peça-lhes que sejam compreensivos consigo. Fale também com os hospedeiros de bordo – são pessoas experientes em lidar com este tipo de problema, e com certeza farão um esforço por tornar o seu voo o mais cómodo possível.

Alguns dados a reter

Existem 11.000 aviões no ar a cada minuto e em todo o mundo o número médio de voos por dia situa-se nos 100.000! Ainda assim, a probabilidade de ocorrer um acidente de aviação é de apenas 0,000014%.

Lembre-se que entre 20% a 40% das pessoas têm medo de voar, por isso não se sinta sozinho e fale sobre o problema.

trabalhador.pt

Adicionar comentário