Nomadismo digital: vantagens, desvantagens e melhores cidades

A internet veio revolucionar a forma como vemos o mundo do trabalho, tudo se tornou mais próximo e acessível, o que permitiu o aparecimento de novas profissões e, inerente a estas, um novo estilo de vida: o nomadismo digital. Como o próprio nome indica, o nómada digital pode viver de forma nómada, não necessita de um local fixo de trabalho e, consequentemente, pode viver em qualquer lugar do mundo. Só necessita de uma coisa: internet. O facto de a principal ferramenta de trabalho ser a internet explica também o termo digital.

O estilo de vida do nomadismo digital tem vindo a propagar-se porque cada vez mais as pessoas não querem cumprir horários fixos, não querem perder tempo em viagens intermináveis até ao local de trabalho nem com intrigas com os colegas de trabalho. As pessoas estão a reinventar-se, a descobrir aquilo que as apaixona e a entender como o podem fazer através da internet.

De que vivem os adeptos do nomadismo digital?

A profissão mais comum no nomadismo digital é o freelancing

Pode parecer que o nómada digital produz pouco e aproveita muito, mas não é bem assim. Ganhar dinheiro é sempre uma necessidade e o nómada digital precisa de trabalhar muito até começar a ter rendimentos suficientes para ser auto-sustentável.

  • Freelancer – A maior parte dos nómadas digitais são freelancers, trabalhadores independentes que prestam serviços a clientes mediante um pagamento. Podem dedicar-se a vários clientes e a vários projetos simultaneamente.
  • Trabalho comum adpatado ao nomadismo digital – Por vezes, mantêm-se no mesmo trabalho, simplesmente tornaram-no remoto.
  • Produtos digitais – Outros dedicam-se a uma paixão, como culinária ou bricolage ou outra e criam e-books para venda ou outro produto que possa ser vendido online.
  • Blogues – É possível viver de um blogue, mas não é uma boa opção para iniciar porque o blogue não dá lucro de imediato (pode até nem dar nunca), necessita de ter bom conteúdo, muito público e isso é muito trabalhoso.
  • Negócio – Alguns simplesmente criam um negócio que se desenvolva unicamente pela internet. Existe por exemplo o dropshipping que consiste na venda de artigos que não estão na posse do vendedor e seguem diretamente do fornecedor para o cliente.
  • Redes sociais – Hoje em dia é possível viver simplesmente das redes sociais. Se gerires uma página, ou várias páginas com muitos seguidores, poderás ter ganhos através de publicidades e patrocínios.

Vantagens do nomadismo digital

A liberdade de horários é uma das vantagens mais chamativas

Como em tudo na vida, ser o nomadismo digital tem as suas vantagens, mas também algumas desvantagens. Relativamente às vantagens para os nómadas digitais, destacamos:

Liberdade de horários no nomadismo digital

Aqueles horários rígidos das 9h às 17h chegam ao fim com o nomadismo digital. Tu escolhes os trabalhos que queres fazer e, sendo assim, quando os queres fazer. Se és daquelas pessoas rezingonas pela manhã, podes optar por trabalhar no periodo da tarde. Turnos de oito horas também têm assim os dias contados. Se não sentes que o teu tempo está a ser rentável, podes simplesmente parar e voltar a tentar mais tarde. E isto porquê? Porque não tens um horário fixo para cumprir e assim, o teu tempo torna-se muito mais rentável.

Aquele sentimento de segunda feira

O nómada digital por norma trabalha naquilo que realmente gosta e com gosto, portanto as segundas feiras não são um bicho de sete cabeças. O nómada digital pode até nem ter um fim de semana ou férias e isso acontece porque o freelancer trabalha constantemente. Dessa forma também não deprime quando as férias estão a terminar ou quando o domingo se aproxima do fim.

A tua mesa de trabalho é onde quiseres

Para além da liberdade de horários, o nomadismo digital permite-te também trabalhar a partir de casa, do café da esquina ou de qualquer lugar do mundo. Só precisas de uma boa ligação à internet e talvez de uma tomada, para o caso do computador ficar sem bateria.

Já não há imposição de guarda fato

Tu escolhes o que vestir, podes até estar de pijama o dia inteiro. É mais um fator de preocupação que eliminas da tua vida de trabalho.

Custo de vida mais barato

Se podes trabalhar remotamente, podes optar por viver numa cidade com um custo de vida mais barato. Para além disso não tens aqueles custos inerentes à típica atividade profissional, não tens as viagens para o trabalho, o aluguer de escritório ou espaço comercial, entre outros. E como conseguirás economizar neste aspeto, poderás aproveitar para fazer outras coisas que gostes.

Podes viajar… muito!

Se não tens horários para cumprir nem local de trabalho fixo, tens reunidas as condições para viajar muito ou até experienciar viver em vários lugares do mundo (condições ideais para o nomadismo digital, entenda-se!). Assim poderás conhecer inúmeras culturas e pessoas e quem sabe enriquecer o teu trabalho. O viver em vários locais, poderá potenciar situações de coworking e troca de ideias e quem sabe gerar novos projetos.

Várias fontes de rendimento

Como vimos anteriormente, a maior parte dos nómadas digitais é freelancer, ou seja, podem ter vários projetos em simultâneo e sendo assim várias fontes de rendimento. Isto pode ser benéfico porque, uma vez que o freelancer não tem um salário fixo, se um projeto falhar, o outro poderá compensar.

Desvantagens do nomadismo digital

Nem tudo é cor de rosa, o nomadismo digital tem desvantagens!

Não é só querer, é preciso muito trabalho

O início não é fácil. Ser nómada digital requer que se invista muito tempo e dedicação. Temos que descobrir o que gostamos e como se isso se pode transformar em algo que os outros gostem para reverter mais tarde em lucro. No início é necessário tentar, errar e aprender para melhorar.

Depois do começar, vem o manter

E se começar não é fácil, manter poderá também não ser nada fácil. É necessário trabalhar muito e constantemente de forma a conseguir manter o estilo de vida do nomadismo digital.

Nómada digital, um lobo solitário

Pode ser um tanto ou quanto solitário uma vez que não há colegas de trabalho para conversar sobre o programa da noite anterior, discutir sobre determinado projeto de trabalho, beber um café a meio da manhã. Poderás combater isto trabalhando em cafés ou em espaços de coworking ou, melhor ainda, converter a cara metade ou um amigo ao nomadismo digital.

Saudades de casa

Enquanto nómada digiatal, poderás ter a oportunidade de viajar muito. Nessas alturas, em que estás longe, poderás sentir saudade da família e amigos ou até das pequenas coisas de casa. Mas como bom nómada digital, as saudades combatem-se com novas tecnologias.

As melhores cidades para nomadismo digital

Chiang Mai na Tailândia é uma das “mecas” do nomadismo digital

Uma das vantagens do nomadismo digital (senão mesmo a maior) é poder trabalhar a partir de qualquer lugar, por isso, podem procurar cidades apelativas, que cumpram os requisitos de um nómada digital:

  • Bom acesso à internet – Um bom nómada digital necessita, obrigatoriamente, de uma boa ligação à internet. Internet rápida, sem falhas é meio caminho andado para realizar um bom trabalho na web;
  • Qualidade dos espaços para trabalhar – Os nómadas digitais procuram inúmeras vezes cafés para trabalhar e, hoje em dia, muitas cidades disponibilizam uma grande lista de cafés com wi-fi gratuito e boas condições para o trabalho online. Espaços de coworking são também uma boa solução para nómadas digitais, uma vez que partilham um espaço e os recursos de um escritório mas podem trabalhar de forma independente;
  • Baixo custo de vida – Para além das boas condições para exercer a sua profissão, o nómada digital procura uma boa qualidade de vida. Cidades com um custo médio baixo de arrendamento são fundamentais, bem como o custo da alimentação mais acessível. A existência de espaços verdes é outro dos items que tem peso na decisão do nómada digital sobre a cidade onde vai viver;
  • Dias longos e ensolarados – A existência de muitas horas de sol, parecendo que não, é um fator importante para a rentabilidade do trabalho. Por isso, cidades cheias de sol são as mais escolhidas pelo nómada digital para poder aproveitar o dia;
  • Aceitação do país relativamente a estrangeiros – Países que recebam bem os estrangeiros são um fator importante para te sentires acolhido e confortável na tua nova casa.

As 10 melhores cidade para um nómada digital:

1. Chiang Mai, Tailândia

Esta cidade tailandesa é considerada a meca dos freelancers e onde há a maior concentração de adeptos do nomadismo digital. Para além de internet com uma velocidade rápida e muitos espaços com wi-fi gratuito, tem um baixo custo de vida, tanto ao nível do arrendamento como da alimentação e, é considearada uma cidade segura. Cumpre todos os requisitos de um nómada digital.

2. Canggu, Bali, Indonésia

Já há muito que Bali anda nas bocas do mundo, mas só recentemente é que Canggu criou estabelecimentos para melhor receber os nómadas digitais. Isto, aliado ao baixo custo de vida e à boa diversão faz de Bali um local aprazível para os nómadas digitais.

3. Singapura

Esta cidade extremamente moderna tem sido uma das principais escolhas dos nómadas digitais. Com o seu alto índice de qualidade de vida, boa internet e boas possibilidades de networking não poderia ser de outra maneira. Uma voa opção para o nomadismo digital.

4. Budapeste, Hungria

Esta cidade europeia tem atraído muitos nómadas digitais. Vêm pelo facto de ser uma cidade europeia com preços acessíveis e boa internet e também pela facilidade de comunicação, uma vez que quase toda a gente domina o inglês.

5. Lisboa, Portugal

Portugal está na moda e Lisboa com o seu clima soalheiro, boa comida, boa hospitalidade e segurança tem atraído cada vez mais nómadas digitais. A nossa capital, arrisca-se a tornar-se num ponto obrigatório do nomadismo digital.

6. Tallin, Estónia

Tallin é uma óptima cidade para nomadismo digital, cumpre todos os requisitos desde a internet rápida, bons espaços, cidade segura e acessível. Como se não fosse suficiente, a Estónia criou um visto especial para nómadas digitais desde que comprovem que podem viver de forma independente, sem local fixo e através das tecnologias.

7. Sófia, Bulgária

Provavelmente nunca terias pensado nesta cidade, mas Sófia está na moda para os nómadas digitais. É uma cidade bonita e segura, tem uma internet super rápida, mais rápida do que muitas outras cidades europeias, tem um custo de vida acessível e facilmente comunicas em qualquer lugar através do inglês.

8. São Francisco, EUA

São Francisco é a cidade mais artística dos EUA e tem toda uma estrutura montada para os nómadas digitais com os seus cafés e espaços de coworking. É um excelente sitio para criares ligações de networking. O custo de vida é mais dispendioso, mas poderás sempre deslocar-te para as cidades da periferia.

9. Vancouver, Canadá

É uma cidade jovem, conhecida por bem receber bem estrangeiros. Apelativa pelos seus espaços verdes, aqui poderás sentir que o teu trabalho como nómada digital é rentabilizado. Uma cidade moderna com boas condições para qualquer nómada digital.

10. Praga, República Checa

Praga, com as suas ruas históricas, o seu ambiente noturno animado e, no entanto, seguro é uma atração turística para qualquer um de nós. Aliando isto à boa internet, aos baixos custos, ao uso recorrente do inglês, fazem desta cidade uma boa aposta para os nómadas digitais. A República Checa também disponibiliza um visto semelhante ao da Estónia para adeptos do nomadismo digital.

Considerações finais sobre nomadismo digital

Se depois de tudo isto ficaste com vontade de ser um nómada digital, tens de te interrogar sobre os motivos dessa tua vontade. Estás insatisfeito com a tua vida atual, com o teu trabalho? A tua vida iria melhorar de que forma ao tornares-te nómada digital? Terias mais tempo para os teus próprios projetos, para a tua família, para viajar?

É claro que profissões que surgiram da web, como programador, marketeer digital ou web designer são mais simples de adaptar ao nomadismo digital / trabalho remoto. Mas existem outras profissões que têm esse potencial e observamos isso recentemente com o surto do novo coronavírus. Quando a realidade assim obrigou, os empregadores e funcionários adaptaram-se e trabalharam a partir de casa. Se achas que podes cumprir a tua função remotamente, tens de te dirigir ao teu supervisor e fazer essa mesma proposta. Podes sugerir começar gradualmente, por exemplo meio tempo em casa e meio tempo no local de trabalho e ver como desenvolve.

Caso não estejas a trabalhar e ponderes mudar a tua vida, começa por pensar como adaptar as tuas capacidades ou skills ao nomadismo digital. O que é que tens para oferecer? Se és professora, podes ensinar online. Se gostas de escrever, podes escrever artigos para sites ou blogues. Se gostas do Facebook ou do Instagram podes tornar-te gestor de redes sociais. Se adoras cozinhar, podes criar a tua página e partilhar as tuas receitas. A internet é um mundo, tens de descobrir onde te podes encaixar.

O início ao nomadismo digital pode ser duro, aconselhamos-te a ler sobre o assunto, investe tempo em novas aprendizagens, estuda as tuas competências para perceberes qual é a mehor forma de ganhares dinheiro online. Aplica os conhecimentos que tens e vai experimentando.

Depois de um início árduo, terás o percurso igualmente trabalhoso de manter os resultados. Deixamos-te algumas dicas:

  1. Certifica-te de que dispendes todos os dias um pouco do teu tempo para trabalhar;
  2. Mantém-te organizado e produtivo. Tenta compreender quais as melhores horas para trabalhares e aproveita-as. Não adies o teu trabalho só porque podes, isso vai levar a uma quebra no rendimento;
  3. Faz novos amigos, é importante. Caso necessites de sossego para trabalhar, podes aproveitar as horas de pausa para conviver;
  4. Não deixes de te entusiasmar. Se sentires que isso começa a acontecer, procura novos projetos, algo estimulante;
  5. Convive com outros nómadas digitais como tu. A troca de experiências é inspiradora, talvez surjam novos trabalhos e novos caminhos.

Agora que te mostramos por onde começar só tens de decidir se realmente queres ser um nómada digital e abraçar o teu novo estilo de vida: o nomadismo digital.

Mariana Ledo

Uma eterna namorada da literatura, vibra com as pequenas notas que encontra nas páginas dos livros da biblioteca. Decidiu viver das palavras e por isso formou-se em Estudos Portugueses e Lusófonos, pela Universidade do Minho.