O que é a pansexualidade? Factos que precisamos de conhecer

Felizmente, a sexualidade é um assunto que tem vindo a ser cada vez mais discutido e explorado nos últimos anos, o que contribui de sobremaneira para colocar um fim a um tabu que durante décadas pairou sobre este tema tão rico e diverso.

Graças ao debate acerca da sexualidade, hoje entendemos que a atração sexual não é algo que acontece apenas entre sexos opostos, ou seja, é possível sentir atração sexual, amorosa ou afetiva por qualquer pessoa, independentemente de sexo ou género – incluindo indivíduos não binários, isto é, aqueles que não se encaixam apenas nas identidades de género masculina ou feminina.

Para “denominar” aqueles que não têm restrições em relação à preferência ou orientação sexual do outro, criou-se o termo pansexual, termo que tem vindo a ganhar força entre a comunidade LGBTI+, grupo que é de fundamental importância na sociedade por mostrar que há maneiras diferentes de existir.

Mas, será que sabe exatamente o que é a pansexualidade? Qual é a diferença entre pansexualidade e outras orientações, como a bissexualidade, por exemplo? Se também tem estas dúvidas e quer aprender mais sobre o assunto, continue a leitura deste artigo, visto que responderemos a essas e outras perguntas. Acompanhe.

Sexo, género e identidade

Antes de falarmos propriamente sobre o que é a pansexualidade, é primordial abordar as diferentes identidades de género e tipos de sexualidade, pois nem todos se reconhecem como “homem” ou “mulher”, assim como nem todas as pessoas se sentem atraídas por alguém.

Para esclarecer acerca dessa diversidade, a Gay & Lesbian Alliance Against Defamation (GLAAD), uma organização não-governamental norte-americana, referência na luta pelos direitos da comunidade LGBTQI+, elaborou definições básicas de alguns termos. A saber:

  • Cisgénero: pessoas cuja identificação de género está relacionada ao sexo biológico, portanto, consideram-se homem ou mulher;
  • Transgénero: termo genérico que contempla todas as pessoas que não se identificam, em diferentes níveis, com o seu sexo biológico;
  • Não-binário: as pessoas não-binárias compreendem que a sua expressão de género não está limitada às categorias “masculino” ou “feminino”, inclusive, podem-se encontrar entre esses dois polos;
  • Género fluido: indivíduos que podem “flutuar” por outras identidades de género, ora se identificando como mulher, ora se identificando como homem, por exemplo;
  • Agénero: pessoas que se identificam como neutras, isto é, não se identificam como homem ou como mulher.

Desta forma, uma pessoa que se considera pansexual pode sentir atração por qualquer indivíduo dentro dos diferentes termos mencionados acima.

O que é a pansexualidade?

Pan significa “todo”, “total”, “inteiro”. Sendo assim, a pansexualidade é a atração por todos os géneros e todas as suas manifestações. O interesse da pessoa pansexual dá-se em razão de características, aparência ou personalidade, contrariando assim o entendimento tradicional do que é desejar o outro.

É essencial ressaltar que não há nada anormal nas pessoas que se definem pansexuais, e é extremamente importante falar abertamente sobre a sexualidade, pois a partir desse debate é possível desmistificar tabus e preconceitos, o que certamente acarretará uma diminuição do sofrimento emocional daqueles que não se identificam com a ordem cisgénero e heteronormativa.

Pansexualidade e género

Ao longo da história, as pessoas transgénero foram conquistando espaço e propondo debates acerca das diversas possibilidades de se viver os géneros. Graças à visibilidade que esse assunto alcançou, outras discussões sobre a orientação sexual puderam ser exploradas, o que em muito colaborou para a desmistificação da pansexualidade e de outras maneiras de sentir e se relacionar.

Hoje, podemos afirmar que o movimento pan se aproxima e apoia o movimento trans, pois ambos fazem parte de uma vanguarda que sempre se empenhou para mostrar que o género e a orientação sexual são construções sociais. Entende-se por “construção social” a elaboração de valores, regras, normas, significados e símbolos sociais realizada pela sociedade, a partir das práticas individuais e sociais de cada um.

Diferença entre bissexualidade e pansexualidade

É bastante comum a confusão entre o que é bissexualidade e o que é pansexualidade; todavia, o primeiro termo é definido como uma orientação sexual em que o indivíduo sente atração por dois géneros, o masculino e o feminino. Já a pansexualidade contempla a atração por todos os tipos de identidade de género, expressões de género e orientações sexuais. Simplificando: na pansexualidade, a atração pode-se manifestar livremente, por qualquer pessoa.

Pansexualidade e terapia

Infelizmente a comunidade LGBTI+ ainda sofre bastante por causa do preconceito, sendo constantemente vítima de discursos e ações de ódio em todo o mundo. Em razão dessa discriminação, é importante que a saúde mental seja levada em conta, visto que esta é uma população mais vulnerável a distúrbios emocionais como a ansiedade, o stress e a depressão, condições que, quando não tratadas, podem levar a pessoa ao suicídio.

Neste contexto, um profissional de saúde mental, como um psicanalista, pode auxiliar aquele que sofre – seja pela não aceitação da própria orientação sexual, seja pela não aceitação da família e da sociedade -, a lidar com essas questões, bem como a explorar a sua sexualidade com a liberdade que o ser pan permite.

Factos importantes sobre a pansexualidade

Sabemos que todos os conceitos aqui apresentados podem soar como novidade para muitas pessoas, por esse motivo, é normal que surjam inúmeras questões. Pensando nisso, apresentaremos, em seguida, algumas informações importantes sobre o que é pansexualidade, cujo propósito é fazer com que entenda melhor este universo:

  1. Os pansexuais gostam de pessoas: curiosamente, algumas pessoas acreditam que indivíduos pansexuais podem-se sentir atraídos por animais ou plantas, o que definitivamente não é verdade. Os pansexuais sentem desejo apenas por pessoas, com quem é possível estabelecer uma relação consensual.
  2. Ser pansexual não significa estar confuso sobre a própria orientação sexual: a pansexualidade não tem a ver com decidir ser heterossexual ou homossexual; a pansexualidade está relacionado com não se sentir confortável em escolher um parceiro apenas em razão de seu género.
  3. As pessoas pansexuais não sentem desejo a todo momento: não é porque sentem atração por todos os géneros que pessoas pansexuais sentirão desejo por todas as pessoas sempre. Indivíduos pansexuais podem viver uma relação monogâmica, excluindo assim a ideia preconceituosa que, erroneamente, afirma que essas pessoas são promíscuas.
  4. Ainda precisamos de aprender mais sobre a pansexualidade: a pansexualidade, assim como as “novas” manifestações da sexualidade humana, precisam ser muito estudadas pela psicologia. Cabe-nos acompanhar este debate para evitar discursos e ações discriminatórias.
  5. A bandeira pansexual é única: a bandeira que representa a pansexualidade é composta por três cores: rosa, que representa as mulheres; azul, que representa os homens, e amarelo, que abrange indivíduos não-binários.

Como pôde perceber, há muito mais por trás do tema “sexualidade” do que podemos supor. Por esse motivo torna-se fundamental procurar informação para que assim possamos ser cada vez mais inclusivos com todos os grupos. Lembre-se: RESPEITO é a palavra de ordem!

Luana Castro Alves

Graduada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)