Óleo de peixe: descubra os benefícios e porque o deve incluir na sua dieta

Como bem sabe, ter saúde é fundamental. Quando estamos saudáveis, física e emocionalmente, conseguimos ser mais felizes e também mais produtivos – pois, quando o corpo está bem fica mais fácil executar as inúmeras e exaustivas tarefas do dia a dia. Haja disposição!

Facto é que todos queremos ter uma vida melhor, mas para alcançar a tão sonhada qualidade de vida é indispensável adotar alguns cuidados na nossa rotina, como praticar exercício físico e, claro, adotar uma alimentação rica e equilibrada, que contemple todos os grupos alimentares.

E já que estamos a falar em alimentação saudável, sabe certamente que o peixe é um alimento extraordinário, e é por esse motivo que o seu consumo não costuma ter contraindicações. Afinal de contas, é um alimento primordial em dietas renomadas, como a dieta atlântica e dieta mediterrânica, ambas reconhecidas como ótimos planos alimentares.

Mas, já parou para pensar porque é que o peixe é tão bom para a saúde? Bem, entre tantas outras vantagens, é particularmente rico em ómega-3, substância encontrada em abundância no óleo de peixe – alimento que vem a despertar o interesse dos investigadores e consumidores interessados nos benefícios que pode trazer para o organismo.

Se ainda não conhece o óleo de peixe e quer saber para que serve e quais os benefícios que pode proporcionar para a sua saúde, então não deixe de ler este artigo!

O que é o óleo de peixe?

Extraído do tecido e também do fígado de peixes marinhos de águas profundas e frias, principalmente sardinha, atum e salmão, o óleo de peixe é considerado uma gordura “boa”, por isso, o seu consumo regular é altamente recomendado para todos os grupos etários. Rico em ómega-3, ácido gordo que é o principal responsável pelos seus benefícios, o óleo de peixe desempenha um importante papel no bom funcionamento do metabolismo humano.

E por falar em ómega-3, sabia que esta substância não é produzida de forma espontânea pelo organismo? Por isso é essencial adotar uma alimentação que a contemple. Entre os principais benefícios que este ácido gordo proporciona, estão:

  • Redução do risco de doenças cardiovasculares e Acidente Vascular Cerebral (AVC). O ómega-3 encontrado no óleo de peixe impede a formação e a acumulação de plaquetas nos vasos sanguíneos, que podem levar a um derrame ou enfarto;
  • Ajuda no tratamento e na prevenção de distúrbios psíquicos, como depressão, esquizofrenia e transtorno bipolar;
  • Atua diretamente nas células, formando nestas camadas lipídicas que possibilitam uma melhoria das funções celulares;
  • Promove a saúde da pele ao estimular a produção de colágeno, proteína responsável por garantir firmeza e elasticidade à pele;
  • Os altos níveis de ómega-3 e ácidos gordos essenciais no óleo de peixe oferecem uma proteção substancial contra a degeneração macular dos olhos;
  • Tem um efeito positivo nos neurónios, ajudando na manutenção do sistema nervoso central;
  • Ajuda na diminuição de triglicerídeos, gordura que, quando em níveis elevados, prejudica a saúde do corpo;
  • Pela sua ação anti-inflamatória, alivia os sintomas da artrite reumatóide, bloqueando as enzimas que produzem a inflamação;
  • Otimiza as funções cognitivas e de memória, contribuindo para a prevenção de doenças degenerativas como o Alzheimer.

Não obstante, estes efeitos apenas serão sentidos se o óleo de peixe for de boa procedência; ou seja, é fundamental verificar o seu nível de pureza e a partir de que peixes ele é produzido, informações que garantirão que contém, de facto, ómega-3.

É também importante referir que as cápsulas apresentam dois ácidos gordos: ácido eicosapentaenoico (EPA) e ácido docosaexaenoico (DHA). Na hora da compra, escolha o óleo de peixe que tenha na sua composição quantidades ideais e proporcionalmente adequadas destes ácidos. Contudo, estes valores não são os mesmos para todas as pessoas, por isso, consulte um nutricionista ou nutrólogo para que avaliem as suas necessidades.

Óleo de peixe emagrece?

Ainda não existem estudos científicos que comprovem esta ação do óleo de peixe, não obstante, algumas evidências apontam para a confirmação desta teoria. Consumir óleo de peixe pode inibir o apetite e alterar o tecido adiposo, o que contribui para a diminuição da gordura corporal.

Além disso, o óleo de peixe pode ser um importante aliado na luta contra a obesidade, pois ajuda a combater condições que alteram o metabolismo, como é o caso do aumento dos triglicerídeos e das doenças cardiovasculares. Portanto, é correto afirmar que, indiretamente, o óleo de peixe pode ajudar no tratamento do excesso de peso.

É preciso suplementar óleo de peixe?

Como referido, a melhor maneira de aceder ao óleo de peixe é através da alimentação, no entanto, esta substância pode também ser encontrada em forma de cápsulas, vendidas em farmácias e lojas de produtos naturais. Esta é uma solução eficiente para pessoas que não comem peixe, seja por gosto pessoal ou por serem vegetarianas ou veganas.

Nos últimos anos, as cápsulas tornaram-se bastante populares, o que levou a um aumento do consumo em razão dos inúmeros benefícios associados ao óleo de peixe, amplamente difundidos na publicidade. Todavia, investigadores da Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos, descobriram que o consumo do óleo de peixe pode não ser benéfico para todas as pessoas.

Dependendo da genética de quem o consome, a substância pode provocar efeitos adversos, entre eles, aumento dos triglicerídeos, fator que agravaria o risco de doenças cardíacas. É também contraindicado para pessoas idosas ou que apresentam problemas de coagulação no sangue. Ademais, o óleo de peixe combinado com anti-hipertensivos pode resultar em redução adicional da pressão arterial.

Por isso, antes de recorrer à suplementação, procure orientação médica, pois apenas um profissional de saúde será capaz de avaliar o seu histórico e indicar ou não o consumo artificial de ómega-3. Cuide-se!

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)