Pele atópica: o que é, quais os sintomas e tratamentos

Algumas doenças de pele ainda são um grande tabu para muitas pessoas. Por falta de conhecimento, muitos acreditam que podem ser infetados ao tocar em alguém que sofre de uma dessas doenças.

É o caso da pele atópica, uma consequência da dermatite atópica – uma alergia não contagiosa, que deixa a pele ressecada e com lesões avermelhadas.

Neste artigo abordamos a pele atópica, procurando dar resposta às questões mais frequentes sobre este problema de pele, nomeadamente quais as suas causas, os seus sintomas e as possibilidades de tratamento.

O que é pele atópica?

A pele atópica trata-se de uma condição que deixa a pele lesionada em virtude de uma doença conhecida como dermatite atópica ou eczema atópico, que causa a perda da barreira de proteção da pele. Em consequência, a pele passa a apresentar feridas, que causam comichão.

Os locais mais afetados pela pele atópica são os braços, os cotovelos e a parte de trás dos joelhos. Importa referir que esta é uma condição não contagiosa, não podendo ser passada através do toque.

Regra geral, a pele atópica surge durante a infância e pode tornar-se mais intensa durante a fase adulta. Em 75% dos casos desta condição, a pele atópica acaba por desaparecer por si.

Existem diferentes níveis de manifestação da pele atópica, que devem ser tratados de acordo com a correspondente classificação – sempre feita por um médico.

Quais as causas da pele atópica?

A pele atópica pode ser causada por diversos motivos, não parecendo existir uma causa única. Listamos infra algumas das causas mais prováveis:

  • Imunidade – O funcionamento desequilibrado do sistema imunitário é apontado com uma das causas da pele atópica. Pessoas que possuem outras doenças que atacam o sistema imunitário, como doenças respiratórias, por exemplo, podem ser mais propensas a apresentarem esta condição.
  • Ambiente – Fatores externos, como a utilização de determinados tecidos ou produtos propensos a causar alergias, bem como bactérias, transpiração e clima seco, podem causar pele atópica em algumas pessoas.
  • Alergia à alimentos – Não existem alimentos que sejam uma causa direta da pele atópica, não obstante, algumas alergias alimentares podem agravar esta condição. É muito comum que crianças com pele atópica sofram de alergias alimentares (leite e seus derivados, nozes ou frutos do mar, por exemplo).

Quais são os fatores de risco da pele atópica?

Alguns fatores de risco para desenvolver a pele atópica são:

  • Alergias respiratórias ao pólen, mofo, ácaros e pelos de animais;
  • Materiais ásperos;
  • Pele seca;
  • Corantes;
  • Fragâncias adicionadas a loções e sabonetes;
  • Produtos químicos;
  • Alguns tipos de lã e outros tecidos;
  • Climas secos;
  • Frio ou calor intenso;
  • Stress.

Existem pessoas mais propensas?

Sim. O grupo de risco da pele atópica pode ser: crianças, pacientes alérgicos (com asma e rinite), ou pessoas que já possuem histórico familiar da pele atópica. Regra geral, os estudos apontam para que na infância, sejam os homens os mais atingidos pela pele atópica, todavia, na fase adulta, as mulheres parecem mais suscetíveis a esta condição.

Quais os sintomas da pele atópica?

A pele atópica se apresenta através de uma pele muito seca, com coceira e que leva o corpo a apresentar feridas. Sendo assim, os principais sintomas são:

  • Pele seca;
  • Sangramento ou secreção constante da orelha;
  • Feridas por coçar a área afetada;
  • Pele de tom mais claro ou mais escuro que o comum;
  • Inflamação ou vermelhidão da pele em redor das feridas;
  • Áreas da pele mais grossas, em virtude de uma irritação ou comichão intensas.

Quais são as fases da pele atópica?

A pele atópica manifesta-se de diferentes formas, de acordo com a idade do paciente, classificando assim por fases. São elas:

  • Fase infantil: esta fase ocorre entre os 3 meses e os 2 anos de idade, e apresenta lesões vermelhas, crostas e irritações que afetam os cotovelos, os joelhos, o rosto e a cabeça. Em alguns casos poderão afetar todo o corpo da criança;
  • Fase da puberdade: nesta fase, além das crostas e das lesões, áreas mais ásperas que afetam os joelhos, tornozelos, cotovelos e pescoço. Por causa da pele muito seca, as feridas podem-se desenvolver de maneira mais frequente.
  • Fase adulta: as lesões desta fase concentram-se nas mãos, nos pés e no pescoço. A pele fica muito mais seca que o habitual, com crostas grossas.

Como é feito o diagnóstico da pele atópica?

Não existe um exame específico para realizar o diagnóstico da pele atópica. Regra geral, o médico dermatologista analisa a pele, e considera o histórico do paciente para determinar se a pessoa padece (ou não) de pele atópica. Em caso de dúvida, poderá ser solicitado a realização de uma biópsia da pele.

Quais os tratamentos para a pele atópica?

Existem algumas alternativas de tratamento para pessoas que sofrem com a condição da pele atópica. São alguns deles:

  • Hidratação – A pele atópica necessita de hidratação intensa e constante, e os cremes para peles sensíveis e secas são os mais indicados nestes casos. A pele ressecada pode agravar ainda mais o quadro desta condição, em virtude da comichão que causa. Recomenda-se a hidratação do corpo sempre após o banho, e em alguns casos, mais do que uma vez ao dia.
  • Pomadas e cremes específicos – Existem pomadas e cremes que tem como intuito a proteção das células do corpo, de forma a que a pele não desidrate. Estas substâncias protegem a camada externa da pele, o que reduz os problemas de pele atópica de forma significativa.
  • Medicação oral – Em casos moderados ou graves de pele atópica, o tratamento pode passar pelo recurso a medicamentos que reduzam a comichão.
  • Fototerapia – Em alguns casos, o médico dermatologista poderá indicar um tratamento com fototerapia, no entanto, este é um tratamento que só deve ser realizado em casos graves.

A pele atópica tem cura?

Como referimos, a pele atópica é uma condição (um “estado da pele”) provocada pela dermatite atópica, sendo esta uma doença crónica e, portanto, não tendo cura. No entanto, pode ser a pele atópica pode ser controlada de várias formas, nomeadamente através da realização de tratamentos e da hidratação constante da pele.

Como prevenir a pele atópica?

Algumas ações podem ajudar a prevenir a pele atópica. Entre elas, destacamos:

  • Hidratar a pele frequentemente;
  • Evitar os agentes alergénicos e os “gatilhos”;
  • Tomar banhos curtos em água fria ou morna;
  • Utilizar sabonetes específicos para a pele atópica, como os antibacterianos;
  • Secar a pele com cuidado e aplicar hidratante logo em seguida.

Com os cuidados certos, a pele atópica pode ser controlada e a pessoa pode conviver tranquilamente com esta condição. Esperamos que este artigo lhe tenha guiado da melhor forma. Cuide-se!

A redação do trabalhador.pt