Probióticos: o que são, onde os encontrar e como os consumir

Sabia que no nosso intestino residem cerca de 100 trilhões de microrganismos? Parece algo assustador, mas não há motivos para se preocupar, pois essa imensa comunidade formada por bactérias, vírus, fungos e protozoários, quando em harmonia, é benéfica para o organismo.

São precisamente esses seres os responsáveis pela absorção dos nutrientes, produção de hormonas e digestão de alimentos; ademais, é na chamada microbiota intestinal que estão alojadas até 80% das células imunológicas do corpo. É por isso que o intestino é um órgão tão importante, seja para o metabolismo ou para o sistema imunitário.

Não obstante, quando a microbiota intestinal não está bem, sentimos vários efeitos que impactam o nosso dia a dia (quem nunca faltou ao trabalho por causa de uma diarreia que atire a primeira pedra). É a chamada disbiose intestinal, um problema que favorece o surgimento de várias doenças em virtude do desequilíbrio das bactérias do intestino, mas que pode ser amenizado se incluir probióticos na sua rotina alimentar.

Não sabe o que são probióticos e quer entender um pouco mais sobre este assunto? Então não deixe de ler este artigo e compreenda como os alimentos probióticos podem colaborar para o equilíbrio da microbiota intestinal e trazer inúmeros benefícios para a sua vida. Boa leitura!

O que são os probióticos?

Os probióticos são microrganismos vivos capazes de melhorar o equilíbrio da microbiota intestinal ao produzir efeitos benéficos para a saúde – desde que consumidos em doses adequadas.

Podem estar naturalmente presentes (como no leite materno) ou podem ser incorporados em alimentos fermentados e não fermentados; além disso, são também vendidos como suplementos na forma de cápsulas, comprimidos, pós e fórmulas líquidas.

Onde encontrar os probióticos?

Antes de mais é importante referir que são considerados probióticos os produtos / alimentos que tenham na sua composição:

  • Lactobacillus acidophilus;
  • Lactobacillus casei shirota;
  • Lactobacillus casei variedade rhammosus;
  • Lactobacillus casei variedade defensis;
  • Lactobacillus paracasei;
  • Lactococcus lactis;
  • Bifidobacterium bifidum;
  • Bifidobacterium animalis (B. lactis);
  • Bifidobacterium longum;
  • Enterococcus faecium.

Os queijos, iogurtes e leites fermentados são apenas alguns dos alimentos probióticos que existem e os seus benefícios variam de acordo com os tipos e a quantidade de microrganismos presentes em cada alimento. Saiba mais:

  • Iogurtes: alimento probiótico feito a partir do leite fermentado, o iogurte é rico em proteínas, vitaminas e minerais, além de lactobacilos e bifidobactérias, microrganismos benéficos para o organismo. O seu consumo pode aumentar o crescimento de bactérias benéficas no intestino, o que ajuda a evitar a prisão de ventre e melhora a digestão e absorção de vitaminas e minerais dos alimentos.
  • Kefir: considerado um alimento probiótico completo, o kefir é uma bebida fermentada cremosa de sabor ácido, famosa por ajudar a manter a flora intestinal saudável. Muito consumido no oriente como alimento e no tratamento de diversas doenças, ajuda também na digestão e é conhecido pelas suas propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, o que melhora as defesas do organismo.
  • Leite fermentado: como o próprio nome indica, é um leite que sofreu fermentação de bactérias, via de regra, lactobacilos. Além de conter microrganismos benéficos para o intestino, este alimento probiótico é fonte de cálcio e proteínas.
  • Kombucha: bebida preparada com a fermentação do chá verde, ou do chá preto, e o açúcar, o kombucha tem um sabor refrescante e adocicado. Essa fermentação é propiciada pelo aglomerado de bactérias e leveduras (S.C.O.B.Y, do inglês Symbiotic Culture Of Bacteria and Yeast, em tradução livre “Cultura Simbiótica de Bactérias e Leveduras”). Além de ser uma fonte de probióticos, é rico em nutrientes antioxidantes que fortalecem o sistema imunitário.
  • Chucrute: alimento probiótico produzido pela fermentação do repolho com um pouco de sal, o chucrute é também rico em minerais e vitaminas A, B, C e K. Pela sua alta quantidade de fibras, evita a prisão de ventre e contribui para uma boa digestão.
  • Misso: ingrediente típico do Japão, o misso é uma pasta de soja fermentada que tem origem no missoshiro, sopa que é consumida quente. está entre os alimentos probióticos mais eficientes, sendo também fonte de vitaminas e importante aliado na perda de peso, visto conter poucas calorias.
  • Levedura natural: é um cultivo composto por leveduras e bactérias que são naturalmente encontradas no ambiente, e que pode ser utilizado na confeção de diversos alimentos, como pães, tortas e bolos.

Como é que os probióticos equilibram o organismo?

A principal função dos probióticos é estimular a proliferação de microrganismos benéficos, o que, consequentemente, inibirá o crescimento de microrganismos nocivos para o organismo. Como resultado, poderá ser possível controlar problemas como diarreia, doença inflamatória intestinal, prisão de ventre e alergia.

Não obstante, para que os alimentos probióticos possam atuar de forma efetiva, é indispensável que sejam adequadamente transportados e armazenados em zonas refrigeradas e, no caso das cápsulas e comprimidos, ingeridos com água fria, medida que permitirá que os microrganismos cheguem vivos ao intestino.

Importante referir que a suplementação com alimentos probióticos é indicada em casos de constipação, dores abdominais ou algum tipo de disbiose instalada, portanto, não é necessário fazê-la constantemente, sob riscos de se cometer excessos que podem comprometer a microbiota intestinal.

Os probióticos podem fazer mal?

Facto é que os probióticos têm sido muito usados sem serem devidamente indicados por um profissional de saúde, isto é, em casos de disbiose e outras condições do sistema digestivo.

Quando consumidos de forma indiscriminada, os probióticos podem causar sintomas intestinais e até mesmo os perpetuar – daí a importância de se fazer o uso racional por tempo determinado, especialmente no que se refere aos suplementos encontrados em farmácias e casas de produtos naturais. Ademais, existem situações em que o probiótico é contraindicado, como é o caso de pacientes em risco – como os que estejam em choque ou situações limítrofes.

As crianças podem consumir probióticos?

Assim como os adultos, as crianças também são beneficiadas pelos efeitos dos probióticos no organismo, principalmente em casos de cólicas intestinais intensas, diarreia ou doença inflamatória intestinal, por exemplo. Contudo, é importante referir que estas não devem fazer uso de suplementos, apenas quando indicado por um médico pediatra, que determinará o tipo de probiótico mais apropriado, assim como a dose a ser ingerida.

Importante: cada indivíduo tem uma microbiota única e variada, definida ao longo dos anos de acordo com o seu estilo de vida, tipo de alimentação e até mesmo uso de medicamentos. Por esse motivo, não existe um padrão a ser seguido, ou seja, não é possível definir o que seria uma “microbiota intestinal saudável”. Ademais, caso opte pela suplementação de probióticos, não se esqueça de consultar um médico ou nutricionista, profissionais que definirão, a partir de exames ou de uma análise clínica detalhada, qual é o melhor probiótico para si. Cuide-se!

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)