Vinho branco: motivos pelos quais merece um lugar à sua mesa

Felizmente, o universo dos vinhos não se limita aos vinhos tintos. Existem outros estilos da bebida que também merecem ser apreciados, afinal de contas, “nem só de tinto vive o homem”. O vinho branco é uma bebida digna de ser apreciada e amada pelos consumidores e pelos enófilos apaixonados.

Que saber um pouco mais sobre o processo de fabrico deste tipo de vinho, algumas curiosidades e também conhecer os motivos para incluí-lo entre os seus preferidos? Então continue a leitura porque este artigo foi feito especialmente para lhe mostrar que o vinho branco tem sim o seu valor! Acompanhe.

Características do vinho branco

O vinho branco apresenta uma cor dourada e um sabor frutado. Embora seja bastante diferente do vinho tinto, sobretudo no que diz respeito à tonalidade, o vinho branco também pode ser produzido a partir de uvas tintas.

Deve-se estar a perguntar “como isso é possível?”, não é mesmo? Bom, é possível porque as polpas das uvas, geralmente, são claras, isto é, sem pigmentos de cor. Não há nenhum problema que sejam utilizadas no fabrico do vinho branco, desde que as cascas da fruta tinta, que são negras ou avermelhadas, não tenham qualquer tipo de contato com o líquido (mosto/sumo).

Como é produzido o vinho branco?

Como já referido, pode ser fabricado a partir de uvas tintas ou brancas. Após a colheita da fruta, que pode ser mecânica ou manual, dá-se a separação e o desengace, duas etapas importantes no fabrico do vinho branco. O desengace acontece numa máquina chamada desengaçadeira, cujo trabalho é separar as uvas dos cabinhos e folhas. Feita essa separação, tem início a produção do vinho propriamente dita.

A próxima etapa consiste em esmagar as uvas para delas extrair o sumo. Caso a uva seja tinta, as suas cascas serão descartadas antes da chegada do líquido aos tanques de fermentação, sendo este o próximo passo na produção. Durante a fermentação alcoólica há produção de gás, mas os chamados “vinhos tranquilos” têm a sua gaseificação eliminada, ao contrário dos frisantes e espumantes, que contêm uma certa quantidade de gás carbónico.

Dependendo do objetivo do enólogo, o vinho branco pode ser submetido à fermentação malolática, técnica que consiste na transformação do ácido málico em ácido lático, por bactérias, para diminuir a acidez do vinho. Por ser uma fermentação espontânea, deve ser interrompida logo após a finalização da fermentação alcoólica, contudo, não é comum que o vinho branco passe por esse processo.

Na sequência, o vinho branco vai para a clarificação, etapa em que são retirados os sedimentos sólidos do líquido, seguido para um período de estabilização e amadurecimento. O amadurecimento, considerada uma etapa opcional, pode acontecer em diferentes recipientes, entre eles tanques de aço inox, barricas de carvalho, entre outros.

Caso o vinho branco tenha sido produzido por mais do que um tipo de uva, o enólogo poderá optar pela assemblage, passo que pode ser realizado em diferentes períodos do processo, especialmente depois da fermentação ou amadurecimento. O vinho assemblage costuma ter aromas e sabores maximizados, o que torna a bebida mais equilibrada e complexa.

Depois de todas estas etapas, o vinho branco está finalmente pronto. Filtrado, engarrafado e no ponto exato para ser comercializado.

Motivos para apreciar vinhos brancos

Sim, nós sabemos que os vinhos tintos são maravilhosos, tradicionais e os preferidos da grande maioria dos admiradores desta bebida. Contudo, se ainda não o fez, aconselhamos que “abra os olhos e o paladar” para as incríveis possibilidades que o vinho branco pode oferecer.

Está na hora de expandir os horizontes e de ser permitir uma experiência única com os delicados, refrescantes e encantadores vinhos brancos. Conheça deliciosos motivos para comprar hoje mesmo uma garrafa dessa bebida tão charmosa e saboreá-la em boa companhia:

1. O vinho branco é saudável

Recentemente, cientistas do departamento de anatomia humana da Universidade de Milão comprovaram que as substâncias presentes nos vinhos brancos reduzem a tendência a doenças como artrite reumática e osteoporose.

Além disso, o famoso “paradoxo francês” (baixo índice de problemas causados pelo colesterol mesmo em um país que consome muitas gorduras saturadas) acontece justamente no país que produz os maiores brancos do mundo, sendo também o seu principal mercado consumidor. Ou seja, o vinho branco, assim como o tinto, faz bem à saúde (claro, quando consumido com moderação).

2. O vinho branco é mais versátil que o vinho tinto

Os versáteis vinhos brancos permitem uma vasta gama de possibilidades quando o assunto é harmonização. Neste ponto, os brancos ganham com larga vantagem dos vinhos tintos, cujos taninos, elemento encontrado nas cascas das uvas, costumam sobrepor-se a uma série de receitas e ingredientes.

Com taninos mais suaves, visto que não houve contato da casca da fruta com o mosto, o vinho branco é também menos agressivo e amargo, combinando perfeitamente com saladas, frutos do mar e doces, choucroute, cozinha chinesa, cozinha coreana, cozinha japonesa, cozinha tailandesa, aspargos, foie gras, entre outras possibilidades.

3. O parceiro ideal para queijos e fondue

A versatilidade do vinho branco permite que combine também com os queijos e as suas muitas variedades. O fondue de queijo, por exemplo, cai bem com vinhos brancos estruturados, de boa acidez.

4. Com o serviço correto, o vinho branco brilha!

O vinho branco deve ser servido corretamente, em copos ovalados que valorizam os seus aromas. Além disso, a temperatura também merece atenção, pois ao contrário do vinho tinto, o vinho branco deve ser servido gelado, para que possa mostrar toda a sua frescura. Esteja atento ao serviço e desfrute de uma experiência fascinante.

5. Tem vários estilos, escolha o seu favorito!

Existem vinhos brancos para todos os paladares e para todas as ocasiões: podem ser doces, meio-doces ou secos; florais, frutados, barricados (com aromas de baunilha), leves ou encorpados. Entre os leves estão os Vinhos Verdes Sauvignon blanc, Pinot grigio, Torrontés e Chablis AOC. Representando os mais encorpados estão os vinhos barricados em geral, Rieslings, Chardonnay, Alvarinhos, brancos do Rhône e Chablis grand Cru.

6. O vinho branco também pode ser de guarda

A guarda não é privilégio dos tintos! Regra geral, o vinho branco não envelhece, contudo, existem exceções. Geralmente, os vinhos doces são bastante longevos, como Rieslings, Sémillons australianos do hunter Valley, bordeaux de maior estirpe, borgonhas entre outros, que costumam viver mais de uma década sem que o tempo de guarda cause prejuízos à sua qualidade.

Há motivos de sobra para experimentar o maravilhoso vinho branco, bebida que certamente lhe proporcionará um dos maiores prazeres da vida! A sua leveza, elegância, frescura e delicioso aroma encantam àqueles que não abrem mão da sua companhia, pois sabem valorizar toda a sua versatilidade e sofisticação. Que tal convidar os amigos ou aquela pessoa especial para dividir esse momento consigo?

A redação do trabalhador.pt