Cor, sabor e aromas: tudo sobre o Vinho do Porto

Produzido na região demarcada do Douro, no norte de Portugal, o Vinho do Porto é uma bebida licorosa, que recebe adição de aguardente vínica (produzida através da destilação do vinho) durante o seu processo de fabrico. Este importante elemento faz do Vinho do Porto mais potente em relação à sua graduação alcoólica, sendo esta uma característica distintiva, muito apreciada pelos seus admiradores.

Durante a produção deste vinho, o processo de fermentação interrompe-se assim que é adicionada a aguardente vínica, fazendo com que as leveduras morram em razão do alto teor alcoólico. Por consequência, o vinho ganha uma maior quantidade residual de açúcar, o que lhe confere um sabor mais adocicado.

Todavia, caso a aguardente vínica seja adicionada apenas no fim da fermentação, etapa em que a levedura já consumiu o açúcar da uva, o vinho terá um paladar seco.

Ficou interessado em saber mais sobre o Vinho do Porto? Em caso afirmativo, acreditamos que este artigo é para si. Aqui encontrará as respostas a algumas das perguntas mais frequentes sobre esta temática. Boa leitura!

Que vinhos se incluem nos vinhos do Porto?

Apenas os vinhos produzidos na região do Douro. Portanto, se um vinho apresentar todas as características de um Vinho do Porto, mas for produzido em outras regiões de Portugal, não poderá ostentar no seu rótulo a denominação de “Vinho do Porto”.

É o caso do Vinho Madeira, cujo processo de fabrico é muito semelhante, todavia, tem uma denominação de origem diferente, em virtude de ser produzido na Região Autónoma da Madeira.

Quais as categorias de Vinho do Porto?

Os vinhos do Porto podem ser divididos por categorias consoante o tipo de envelhecimento: Estilo Ruby, Estilo Tawny, Branco e Rosé. Neste âmbito, referir que o Estilo Ruby e Tawny representam os tintos e são considerados categorias especiais:

  • Os exemplares da categoria Ruby possuem tonalidade tinta mais escura e intensa, e preservam aromas frutados, sobretudo os mais jovens.
  • Os Tawny apresentam características de evolução e oxidação, o que deixa a sua tonalidade mais clara e o seu aroma mais próximo das frutas secas.

Quais as diferenças entre o Ruby e o Tawny?

Primordialmente, o tipo de envelhecimento. Nós explicamos!

O Ruby permanece na madeira por poucos anos, sendo logo em seguida engarrafado para que o seu envelhecimento continue no recipiente de vidro, o que o fará atingir o seu auge ao longo dos anos, sem que haja qualquer contato com o oxigénio.

Já o Tawny passa por várias barricas, processo que expõe a bebida ao oxigênio. Quando é finalmente engarrafado, está pronto para o consumo, visto que já passou pelo processo oxidativo.

Curiosidade: a troca de barricas durante a fabricação do Tawny define a construção do blend, isto é, a mistura de vários lotes de vinhos diferentes até chegar ao corte final. Como geralmente têm idades diferentes, será preciso que o produtor faça a média da idade de todos os lotes. Assim nascem os vinhos do Porto sem safra e aqueles com indicação de idade (10, 20, 30 e 40 anos).

Qual a classificação quanto ao teor de açúcar?

Como já referido, existem os vinhos do Porto mais adocicados e aqueles mais secos. A denominação da bebida vai de “extras seco” até “muito doce”. Conheça a classificação quanto ao teor de açúcar:

ClassificaçãoAçúcar (por litro)
Extras secoAté 40 gr
Seco41 a 65 gr
Meio seco66 a 90 gr
Doce91 a 130 gr
Muito doceMais de 131 gr

Porto Vintage: o rei dos vinhos do Porto

A alcunha não é por acaso: o Porto Vintage é elaborado em colheitas consideradas excecionais e com uvas criteriosamente selecionadas. Está no topo da categoria Ruby, sendo o único com potencial para envelhecer longos anos em garrafa. O engarrafamento do Porto Vintage é feito dois e três anos após a colheita, podendo ser consumido tão logo engarrafado ou até 50 anos depois!

O Vinho do Porto perde qualidades com o tempo?

Sim. Todavia, é considerado um vinho particularmente “resistente”. Não há uma forma de determinar com precisão quanto tempo demora até o Vinho do Porto começar a perder as suas qualidades.

Todavia, existem indícios que os estilos, subcategorias, processo de fabrico e de armazenamento parecem influenciar. Armazená-lo em condições ideais – ou seja, a uma temperatura constante em torno dos 15° C, num ambiente de humidade controlada e longe de exposição solar, luzes intensas e trepidações -, evitará o aceleramento do envelhecimento do vinho.

Por exemplo: o Vinho do Porto Late Bottled Vintage (LBV) pode envelhecer adequadamente em garrafa por cerca de cinco anos; o Porto Vintage evolui bem até aproximadamente 50 anos; já o Ruby e Tawny são categorias produzidas para consumo imediato.

Quanto tempo dura o vinho depois de aberto?

Tal como no ponto anterior, o tempo em que o Vinho do Porto se mantém próprio para consumo depois de aberto depende do estilo do vinho e das condições de armazenamento da garrafa. O mais apropriado é manter a garrafa fechada, num local resfriado, preferencialmente numa adega ou no frigorífico.

De acordo com dados do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), esta é a duração de cada estilo de bebida depois de ter sido aberta:

EstiloDuração
Vintage1 a 2 dias
Late Bottled Vintage (LBV)4 a 5 dias
Ruby, Ruby Reserva e Brancos8 a 10 dias
Tawny e Tawny Reserva3 a 4 semana
Tawny e brancos com Indicação de Idade (10, 20, 30, 40)1 a 4 meses
*Colheita: de 1 a 4 meses (os mais novos, menos tempo, os mais velhos, mais tempo).

A que temperatura deve ser consumido?

Na maioria dos casos o Vinho do Porto deve ser consumido gelado ou resfriado. Na temperatura ambiente, apenas se na sua cidade a temperatura for baixa. Em seguida indicamos a temperatura ideal para consumo em função da categoria de cada vinho:

CategoriaTemperatura ideal
Rosé4 °C
Branco*6 ºC a 10 °C
Ruby*12 ºC a 16 °C
Tawny*10 ºC a 14°C
*Os mais jovens, mais resfriados; os mais velhos, menos.

Qual a taça ideal para apreciar o Vinho do Porto?

As taças menores são adequadas para vinhos fortificados, visto possuírem um alto teor alcoólico e, portanto, não devem ser consumidos em grande quantidade. Embora exista um cálice oficial do Vinho do Porto, a bebida deve ser apreciada da maneira que mais lhe aprouver, numa taça que seja de agradável manuseio.

Harmonizações ideais para cada estilo de Vinho do Porto:

  • Exemplares da categoria Tawny (10, 20, 30 ou 40 anos): combinam perfeitamente com tarte de amêndoa, torta de nozes, panetone, crumble de maçã, queijos como o Comté e o Pecorino maduro;
  • Exemplares Ruby, Ruby Reserva e Late Bottled Vintage (LBV): combinam com sobremesas de chocolate, como uma mousse e queijos mais cremosos, como o Cheddar e o Brie;
  • Vinho do Porto Vintage: harmoniza bem com frutas secas, queijos de sabor intenso (especialmente com o queijo azul Stilton) e frutas secas.

Existem cocktails com Vinho do Porto?

Sim. Os amantes de cocktails não precisam abrir mão do Vinho do Porto nas suas bebidas favoritas. Um exemplo disso é o Portonic, ou Porto Tónico, um cocktail preparado com Vinho do Porto branco, água tónica, gelo e uma rodela de limão. Esta combinação é extremamente refrescante e muito apreciada durante o verão.

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)