Eficiência energética: é importante nos eletrodomésticos?

Se já comprou algum eletrodoméstico para sua casa, certamente já se foi confrontando com a ideia de serem eficientes do ponto de vista energético. Mas será que sabe qual o significado de eficiência energética e qual a sua importância?

Em poucas palavras, a eficiência energética consiste na capacidade de um determinado aparelho executar as funções para a qual foi concebido, recorrendo à menor quantidade de energia possível. De certa forma, podemos dizer que os aparelho que são eficientes energeticamente fazem “mais com menos”.

A eficiência energética é um conceito que se pode aplicar a todo e qualquer equipamento que necessite de energia elétrica para o seu funcionamento, nomeadamente eletrodomésticos (frigoríficos, arcas congeladores, máquinas de lavar roupa, máquinas de lavar louça, televisores, monitores, etc.) e a outros produtos, com são exemplo as lâmpadas, nomeadamente às lâmpadas de LED.

Neste artigo, procuramos aprofundar o conceito de eficiência energética, as várias classes de eficiência energética e a importância de, nos dias de hoje, optar pela aquisição eletrodomésticos que sejam eficiente energeticamente.

Etiqueta e classes energéticas

A forma de cálculo da eficiência energética está prevista em diretivas e regulamentos europeus (isto é, em leis europeias), aplicando-se a todos os países da União Europeia, incluindo Portugal. Quer isto dizer que ao comprar uma máquina de lavar roupa de um determinado modelo e marca, por exemplo, esta passou por um conjunto de testes antes de começar a ser comecializada.

Em resultado da aplicação forma de cálculo da eficiência energética é gerado um número que determina o coeficiente de eficiência energética daquele eletrodoméstico em concreto, resultando daí um número.

Tendo em consideração que o consumidor não conseguiria, por si só, interpretar aquele número, isto é, se é indicativo de um eletrodomestico com alta ou baixa eficiencia energética, a União Europeia introduziu em 1994 a etiqueta energética, como forma de auxiliar os consumidor na aquisição de eletrodomésticos.

Atualmente, são vários os equipamentos que estão sujeito ao regime da etiquetagem energética, ou seja, que têm de conter uma etiqueta energética antes de serem comercializados. Destacamos os eletrodomésticos mais comuns:

  • Frigoríficos;
  • Arcas congeladoras;
  • Máquinas de lavar roupa;
  • Máquinas de lavar louça;
  • Ecrâs eletrónicos, incluindo televisores e monitores;
  • Fontes de luz (lampadâs).

A etiqueta energética encontra-se organizada por um conjunto de classes que vão de A a G, sendo A a classe mais eficiente e G a menor em termos de eficiência energética. Isto permite ao consumidor fazer uma comparação entre modelos e marcas e assim determinar qual o eletrodoméstico mais eficiente em termos energéticos. As letras são acompanhadas de uma escala de cores que vai do verde (mais eficiente) e vão até o vermelho (menos eficiente).

No caso dos frigoríficos, por exemplo, a etiqueta energética menciona, para além da classe, o nível de ruído, o volume (expresso em litros), o nível de consumo energético anual. Estas e outras informações variam em função do eletrodoméstico em questão.

Porque comprar eletrodomésticos eficientes?

Menores custos com energia

Entender melhor o que é a eficiência energética é fundamental, principalmente para que, na hora da compra, o consumidor não caia na tentação de ter como único critério o preço do eletrodoméstico e acabe por modelo mais barato. Se assim for, a médio ou longo prazo, o eletrodoméstico poderá acabar por sair mais caro.

Do ponto de vista do consumidor comum, além da questão da sua durabilidade, regra geral os eletrodomésticos mais baratos são menos eficientes energeticamente que os que exigem um investimento inicial maior. Queremos com isto alertar para que poderá estar até a pagar menos ao comprar um eletrodoméstico, porém, isso acabará por se refletir na conta de eletricidade no fim do mês.

Responsabilidade ambiental

Para além dos custos, há outro fator a considerar que se prende com a responsabilidade ambiental de cada cidadão/consumidor. Tendo em consideração os recursos finitos do planeta, este tem de ser um ponto que não pode deixar de ser considerado.

A produção de energia elétrica, mesmo a gerada a partir de fontes renovaveis (hídrica, eólica, solar, geotérmica, ondas e marés ou biomassa), tem impacto no ambiente. Por esta razão, um eletrodoméstico com melhores índices de eficiência energética tem, necessariamente um impacto menor no ambiente ao executar as funções para as quais foi concebido com menos recursos, emitindo menos gases poluentes na atmosfera e garantindo a sustentabilidade.

No entanto, não se esqueça de…

Não obstante todos os pontos que fomos referindo ao longo do artigo, não se deve esquecer de outra características que são tão ou mais importantes que a eficiência energética, nomeadamente: os seus hábitos de vida/consumo e a quantidade de pessoas que farão uso do equipamento. De nada lhe adianta comprar a máquina a máquina de lavar louça mais eficientemente do mundo quando a sua capacidade é para uma ou duas pessoa e, em sua casa viivem seis.

Esperamos que o presente artigo o tenha ajudado a compreender a importância da eficiência energética na compra de eletrodomésticos. Agora é consigo, boas compras!

A redação do trabalhador.pt