As qualidades que deve referir na entrevista de emprego

Regra geral, a generalidade dos processos de recrutamento tem, pelo menos duas fases: a avaliação curricular (onde, entre outros aspetos, são avaliados a formação académica e a experiência profissional do candidato) e a entrevista de emprego.

A avaliação curricular tem como propósito avaliar a aptidão do candidato para a função em questão, já a entrevista de emprego tem como objetivo ajudar o recrutador a selecionar o melhor candidato.

A generalidade das entrevistas de emprego obedece a uma sequência lógica de perguntas e respostas. Uma das perguntas que, mais frequentemente, são colocadas pelos recrutadores aos candidatos a emprego, prende-se as suas qualidades profissionais.

Embora possa parecer fácil de responder, a realidade é que na “hora H” a grande maioria dos candidatos tende a ter algumas dificuldades, em parte porque é preciso encontrar um ponto de equilíbrio, sob pena de poderem passar por arrogantes e assim “passar a mensagem errada” ao recrutador.

É por isso importante a forma como apresentar as suas qualidades profissionais. Saber como fazê-lo de forma adequada demonstrará ao recrutador que é alguém capaz e ciente dos seus pontos fortes.

Neste artigo abordamos algumas das qualidades que podem (devem) ser referidas como resposta à pergunta “quais considera as suas maiores qualidades profissionais?”.

Como listar suas qualidades profissionais?

Certamente, melhor que ninguém, saberá quais são as suas maiores qualidades. No entanto, numa entrevista de emprego é preciso que as qualidades demonstradas estejam alinhadas com o perfil da vaga e da empresa. Certamente, todos conseguem de uma ou outra forma responder à pergunta, mas será que estão a ir ao encontro daquilo que o recrutador procura?

Não estamos com isto a sugerir que deva mentir na entrevista de emprego, nem tão pouco que não seja você próprio, queremos é alertar para o facto de que esta pergunta (como qualquer outra numa entrevista de emprego) tem um objetivo. Assim, nada melhor que relacionar as suas qualidades com as funções que o candidato selecionado virá a desempenhar.

Sugerirmos que faça o seguinte:

  • Em primeiro lugar, faça uma lista de todas as suas características. Em seguida, separe aquelas que mostram o seu potencial e que podem ser aplicadas na vida profissional.
  • Em segundo, pesquise por informação sobre a vaga de emprego e a empresa para a qual você se candidatou e analise quais as qualidades que selecionou que podem estar relacionadas com o emprego em questão. Feito isso, já será possível organizar uma lista que se encaixe nos pontos que o recrutador estará à procura.

Lembre-se que nem todas as qualidades pessoais (como, por exemplo, a honestidade e a sinceridade) são verdadeiramente diferenciais no mercado de trabalho, mesmo sendo positivas. Já pensou quantos candidatos respondem que a sua maior qualidade é serem demasiado honestos? Já a organização, a criatividade e a facilidade de comunicação ou de trabalhar em equipa podem ser mais interessantes para um recrutador. Tudo dependerá da área profissional em questão.

Que qualidades referir na entrevista de emprego?

Em seguida, listamos algumas das qualidades que consideramos importantes serem mencionadas numa uma entrevista de emprego. De todas as que listamos selecione apenas e só as que se encaixam no seu perfil:

Organização

Todas as empresas gostam de funcionários organizados. Esta característica é essencial para demonstrar que saberá lidar bem com as tarefas e a gerir bem o seu tempo. Pode referir que usa uma agenda tradicional ou eletrónica ou mesmo uma determinada aplicação para gerir as suas tarefas e como isso o ajuda no dia a dia.

Flexibilidade

Os imprevistos ou mudanças podem acontecer em qualquer trabalho e em qualquer empresa, o que faz com que a capacidade de adaptação seja uma competência bastante valorizada. Uma forma de exemplificar, caso queira ou lhe seja perguntado, é referir como conseguiu lidar com alguma situação inesperada num emprego anterior ou na universidade.

Criatividade

Independente da área de atuação, ser criativo é importante. Mesmo em trabalhos mais técnicos, é preciso ter criatividade para saber como agir ou como solucionar alguns problemas. Se a vaga de emprego em questão tiver a criatividade como “alicerce”, por exemplo, se estiver ligada às artes, pode sugerir algumas ideias que possam ser aplicadas em projetos da empresa.

Trabalho em equipa

Saber trabalhar em equipa é uma das competências mais valorizadas atualmente pelas empresas. De nada adianta ser bom no que faz, se não souber como atuar em grupo e lidar de forma amigável com pessoas e ideias diferentes.

Inteligência emocional

A inteligência emocional é outra característica que está em alta. Afinal, toda e qualquer empresa procura funcionários que consigam lidar com o dia a dia sem perder a calma e o foco por causa de problemas e imprevistos que de tempo a tempo possam ocorrer.

Proatividade

Ter iniciativa, não esperar que digam o que é preciso fazer, “tomar a dianteira” ao resolver assuntos pendentes, assumir responsabilidades, tudo isso é sinal de proatividade e pode ser demonstrado através do mero relato de experiências vividas em trabalhos e atividades anteriores.

Vontade de aprender

É uma característica que mistura entusiasmo e persistência, dois pontos importantes para quem pretende assumir um novo desafio profissional. O próprio histórico profissional pode ser um exemplo de como deu novos passos e alcançou objetivos.

Facilidade de comunicação

Saber comunicar é essencial em qualquer trabalho, quanto mais não seja na relação com colegas de trabalho e com chefias. No entanto, em determinadas funções profissionais esta competência – softskill – é particularmente valorizada. A capacidade de comunicação é uma das competências muitas vezes associada à liderança. Para além do diálogo com o recrutador, uma boa forma de mostrar que é um bom comunicador é mencionar a sua participação em eventos, palestras e conferências.

Pontualidade e assiduidade

Essencial para qualquer trabalho e para qualquer empresa, um funcionário que chega a horas e que cumpre horários e prazos é sempre importante. Se for questionado sobre isto, poderá abordar a forma como se organiza antes de sair de casa ou nos horários de intervalo de forma a não se atrasar.

Quais as suas maiores qualidades e defeitos?

Ao questionar os candidatos sobre as suas qualidades profissionais, o recrutador pode também perguntar sobre os seus defeitos. Aliás a pergunta sobre as qualidades inclui muitas vezes a questão dos defeitos – “Quais as suas maiores qualidades e defeitos?”. Este é outro ponto que deve merecer a sua atenção, já que a ideia não é listar as características que não abonam a seu favor, mas sim assumir e reconhecer que tem pontos fracos, mas sempre associando a cada um deles uma atitude positiva e a forma como os pretende superar.

Portanto, não diga que é pessimista ou relaxado. É mais adequado dizer que tem dificuldade de organização (mas que está a usar aplicações que o ajudam a contornar esse problema), que não é está habituado a falar em público (mas que tem feito cursos para melhorar a sua timidez), ou que, por vezes, perde o foco com tantas tarefas (mas que tem procurado métodos que funcionam no dia a dia e o ajudam na execução das tarefas).

Independente de todas as dicas que referimos ao longo deste artigo, o importante é ser verdadeiro consigo e sincero com o recrutador. Mentir numa entrevista de emprego até o pode ajudar a conseguir o emprego, mas certamente não o vai ajudar a ser um bom profissional.

Por fim, referir que nem sempre será possível (nem é aconselhável) referir todas as qualidades numa entrevista de emprego. O tempo pode ser curto ou o próprio recrutador pode definir um número ao colocar-lhe a pergunta. É, por isso, importante saber quais as qualidades que melhor o definem de forma a conseguir relacioná-las com a vaga de emprego em concreto.

Agora é consigo, boa sorte!

Mariana Bueno

Brasileira, jornalista e escritora. Desde criança tem os livros como os seus grandes companheiros e, mais tarde, transformou a escrita em profissão. É formada em Comunicação e pós-graduada em Media Digitais. Gosta de transmitir informações por meio dos seus textos e adora ouvir e contar boas histórias, de preferência as que descobre ao viajar por diferentes lugares.