Cristianismo: o que é, origem, história e crenças

Com cerca de 2,1 mil milhões de adeptos, o que corresponde a cerca de 30% da população mundial, o Cristianismo é, atualmente, a maior religião do mundo, sendo predominante na Europa, América e Oceânia. Na Europa ocidental, Portugal é o país onde a maior parte da população se identifica como cristã, 83%, número que supera países como Itália e Irlanda, por exemplo. Por aqui, a maioria dos portugueses segue a Igreja Católica Apostólica Romana, a mais tradicional e influente vertente do cristianismo.

Tamanha adesão pode ser explicada se voltarmos aos tempos remotos da Reconquista cristã da Península Ibérica, quando Portugal se tornou numa nação e, pela defesa da religião, príncipes, clérigos, barões e o próprio povo travou uma luta contra o domínio mouro, que perdurou em terras lusitanas de 714 a 1249.

Podemos dizer que Portugal deve muito ao cristianismo romano, pois case não existisse, talvez nem existíssemos enquanto estado independente. A partir desta breve contextualização histórica, é possível compreender o quanto a religião cristã é importante para a nossa cultura, visto tê-la forjado e influenciado até os dias de hoje.

Se quer saber mais sobre este assunto, então não deixe de ler este artigo sobre o Cristianismo, suas origens, preceitos e curiosidades desta religião que se difundiu pelo planeta e influenciou a criação de inúmeras doutrinas. Acompanhe!

O que é o Cristianismo?

Religião abraâmica monoteísta, o Cristianismo nasceu no século I, na região conhecida como Palestina. Tem como figura central Jesus de Nazaré, o Filho de Deus e a encarnação humana da própria Divindade, cujos ensinamentos são apresentados na Bíblia, mais precisamente no Novo Testamento.

Depois da morte e ressurreição de Cristo, os 12 apóstolos – adeptos que foram preparados pelo messias para difundir a fé cristã – saíram em missão pelo mundo com o objetivo de difundir a palavra de Jesus para o maior número possível de pessoas. Esse período marca o nascimento do Cristianismo, bem como o surgimento de várias igrejas.

Quem foi Jesus Cristo?

Traçar um perfil biográfico de Jesus de Nazaré não é tarefa fácil, pois tudo o que se sabe sobre esta figura tão importante para o Cristianismo foi relatado pelos seus discípulos nos Evangelhos, textos com objetivos pastorais e doutrinários, ou seja, desprovidos de compromisso com o registro histórico. Não obstante, os Evangelhos continuam a ser a principal fonte de informações sobre Jesus e o contexto sociocultural em que viveu.

Feita essa observação, o que se sabe sobre a vida de Jesus é que nasceu há cerca de 2.000 anos na antiga Palestina (mais precisamente em Belém), território que atualmente pertence a Israel. Filho de José, um carpinteiro, e Maria, uma jovem que engravidou por obra do Espírito Santo, Jesus Cristo começou a divulgar as suas ideias revolucionárias e a fazer curas e rituais aos 30 anos de idade. Pelos seus feitos, passou a incomodar líderes religiosos judeus e os governantes romanos, que logo decretaram a sua execução. Foi preso, julgado, reafirmou a sua missão divina e foi condenado. Atravessou as ruas carregando a cruz e foi crucificado aos 33 anos, no morro do calvário.

As narrativas bíblicas afirmam que, ao terceiro dia, Cristo ressuscitou dos mortos e fez uma aparição para uma multidão de aproximadamente 500 pessoas. A Páscoa (passagem, em hebreu), uma das mais importantes datas do cristianismo, representa justamente esta passagem bíblica, isto é, a morte e ressurreição de Cristo. Na Bíblia, sobretudo no Antigo Testamento, Jesus sempre foi o salvador, o messias esperado para livrar a humanidade dos próprios pecados.

Divisões do Cristianismo

Discordâncias ideológicas ao longo da história acabaram por incentivar o surgimento de outras religiões cristãs, como o protestantismo e as igrejas ortodoxas. Saiba mais sobre cada uma dessas denominações:

Ortodoxos

Miguel Keroularios, patriarca de Constantinopla, rompeu como o papa no ano de 1054 d.C, após a Cisma do Oriente, e criou a sua própria igreja, a ortodoxa. Reúne cerca de 250 milhões de fiéis em todo o mundo, formando assim a segunda maior comunidade cristã, concentrada principalmente no Oriente.

Protestantes

Vertente do Cristianismo, o Protestantismo tem início no século XVI, com o padre católico alemão Martinho Lutero. Inconformado com as atitudes da igreja baseadas no poder económico e político, Lutero escreve um manifesto, conhecido como 95 teses, com o intuito de corrigir as falhas da instituição; todavia, o documento provocou a ira do então Papa Leão X e a sua imediata excomunhão. Após a Reforma Protestante foram surgindo muitas igrejas cristãs, como a Presbiteriana, a Anglicana e a Metodista.

Preceitos da fé cristã

Embora seja possível encontrar diferentes interpretações acerca do cristianismo, a generalidade das religiões que seguem Jesus Cristo confia nos seguintes preceitos, definidos pelo Credo de Niceia:

  • Deus criou o homem à sua imagem e semelhança para reinar sobre a terra;
  • Amar a Deus acima de todas as coisas e amar ao próximo como a si mesmo;
  • Deus é a Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo;
  • Deus é justo, apesar de nos amar e não gostar de nos castigar;
  • Jesus voltará no dia juízo final: os condenados sofrerão penalidades e os salvos receberão a vida eterna.

Principais festividades cristãs

Convém referir que cada ramo do cristianismo celebra as datas cristãs de maneira específica. Via de regra, são as mais importantes:

  • Natal: celebra, no dia 25 de dezembro, o nascimento de Jesus;
  • Páscoa: período em que se comemora a Ressurreição de Jesus, que teria ocorrido 3 dias após a morte de Cristo, na Sexta-Feira Santa;
  • Pentecostes (cinquenta dias após a Páscoa): celebra a vinda do Espírito Santo sobre os fiéis.

Escrituras Sagradas

A Bíblia é o principal conjunto de escrituras do Cristianismo, de valor sagrado para cristãos e, parcialmente para o judaísmo e islamismo. Surgiu a partir da compilação de narrativas da tradição oral, que com o tempo se fixaram num cânone escrito. Está dividida em duas partes: Antigo e Novo Testamento: o Antigo Testamento relata acontecimentos anteriores ao nascimento de Cristo, enquanto o Novo Testamento trata dos fatos posteriores ao seu nascimento.

Apesar da sua função essencialmente religiosa, a Bíblia também serve como fonte documental para a História (desde que feitas as necessárias limitações). A partir desse importante conjunto de livros, é possível compreender os hebreus, o pensamento filosófico antigo e outras populações que habitaram a região do Oriente Médio àquela época.

Principais símbolos do Cristianismo

A cruz é, inquestionavelmente, o principal símbolo do Cristianismo. Primitivamente utilizada como insígnia de Serápis no Egito, ao ser apropriada pelos cristãos, a cruz enriqueceu e sintetizou a história da salvação e paixão de Jesus, bem como a sua ressurreição. Conheça infra outros símbolos:

  • Ichthys ou peixe estilizado (a palavra Ichthys significa peixe em grego, sendo também um acrónimo de Iesus Christus Theou Yicus Soter, “Jesus Cristo filho de Deus Salvador”);
  • Alfa e o Ómega (primeira e últimas letras do alfabeto grego, em referência a Cristo como princípio e fim de todas as coisas);
  • A âncora, que representa a salvação da alma que alcançou o bom porto;
  • O “Bom Pastor”, representação de Cristo como dedicado pastor de suas ovelhas (fiéis);
  • Pão e vinho ou trigo e uvas, que simbolizam a última ceia de Jesus Cristo.

Gostou deste artigo sobre o Cristianismo? Então que tal o partilhar com os seus amigos, que também se interessam pela história das religiões e doutrinas? Não deixe de conferir também o nosso artigo sobre o Budismo, onde abordamos os seus princípios e principais correntes. Boa leitura!

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)