Mindful eating: sabia que perder peso começa na mente?

Quantas vezes prometeu a si mesmo que iria emagrecer? Privou-se do consumo de alguns alimentos, fez exercício físico e no final das contas, nada aconteceu? Soa-lhe a familiar? Então este artigo é para si.

Existe uma técnica simples e poderosa, conhecida como mindful eating, que o pode ajudar a vencer o excesso de peso. Para colocá-la em prática é importante, antes de mais, entender como o nosso pensamento pode interferir diretamente nos nossos hábitos.

Quando pensamos em emagrecer, logo nos vem à cabeça palavras como: dieta e ginásio. Esquecemos que a mudança deve acontecer de dentro para fora, ou seja, primeiro na forma como pensamos e, só depois, nas nossas ações. É nisto que consiste o mindful eating.

Já alguma vez viu um leão obeso?

O nosso corpo não foi projetado para ter excesso de peso. Ao olharmos para o reino animal é fácil constatar que, com exceção dos animais domésticos, todos os outros não sofrem do excesso de peso. Na selva não se encontram leões obeso. Deve estar a questionar-se porquê?

O sistema é diferente: enquanto os animais comem para saciar a fome física, nós, humanos, comemos para satisfazer a fome física e a emocional. Somos os únicos seres vivos do planeta que temos esta característica. Comemos por uma série de motivos! A fome biológica muitas vezes é apenas um deles.

Já comeu por motivos emocionais?

Imaginamos que, pelo menos, uma destas frases possa soar-lhe a algo familiar:

  • “Este prato faz-me lembra-me a avó”;
  • “Não consigo resistir, afinal de contas, todos estão a comer muito”;
  • “A minha família sempre me disse para não deixar nada no prato”;
  • “Estou triste e uma boa sobremesa vai-me cair bem”;
  • “Festa de casamento? Vou me esbaldar e comer tudo o que quiser”.

Sem percebermos, é através deste tipo de pensamentos que vamos construindo os nossos hábitos de comer por questões emocionais ou por mero hábito. É precisamente aqui que reside o perigo da obesidade: vamos exagerando, ganhando peso, e vivendo num padrão mental automático.

Como aplicar o mindful eating?

O primeiro passo para o mindful eating, que em português significa alimentação consciente, passa por ganharmos consciência de que comemos por questões emocionais. É a partir desse momento que começa a mudança. O mindful eating consiste numa técnica de auto-observação, um estado de consciência à “hora das refeições.”

Ao invés de simplesmente irmos comer tudo o que nos é colocado à frente, o mindful eating propõe-nos parar para pensar sobre o que estamos realmente a fazer/sentir naquele momento. Não se trata de um autojulgamento, mas sim um automonitoramento.

Simplificando. Na prática, seria o seguinte. Vamos supor que está com vontade de comer um pedaço de pudim que está no frigorífico. Em “modo automático”, acabaria por comer comer uma, duas, três fatias ou até comer o pudim inteiro de uma só vez.

No entanto, se estiver totalmente “presente” no momento, vai sentar-se, olhar para o prato, sentir o seu cheiro, apreciar cada dentada, mastigar devagar e saborear o pudim – é nisto que consiste o mindful eating. Quanto mais prazer estiver envolvido, menos vai ter vontade de repetir.

Parece mentira, não é? Pois faça o teste por si mesmo. A técnica do mindful eating faz-nos estar “presentes e conscientes” no momento das refeições e atentos à respiração e as sensações que os alimentos nos transmitem, sem ansiedade, sem pressa de acabar, com atenção plena.

Vá ao armário da cozinha, tire um ou dois pedaços de uma tablete de chocolate, e aproveite o momento, degustando cada segundo. Alguns entendidos recomendam até a fechar os olhos para se concentrar apenas naquele momento.

O oposto disso é o que muitos de nós fazemos, isto é, comer de qualquer maneira: enquanto caminhamos, enquanto vemos televisão, enquanto falando ao telemóvel, ou enquanto executamos qualquer outra atividade. Deste modo, o cérebro não recebe o sinal de saciedade que precisa e pede mais. Com o tempo, esta armadilha resulta em quilos indesejados.

No mindful eating comer é algo sagrado

Certamente já ouviu a frase “o meu corpo é o meu templo”. Embora possa parecer um cliché, a verdade é que vivemos precisamente no nosso corpo, razão mais que suficiente para merecer o nosso respeito.

Quando comemos em excesso com frequência, estamos a tratar mal o nosso corpo. Por isso mesmo, a técnica do mindful eating é tão poderosa. Esta traz-nos de volta para a nossa consciência.

Quanto mais resiliência, menos stress. Quanto mais atenção tivermos ao que comemos, menos comida ingerimos. Sempre que comemos, o nosso corpo dá-nos o sinais que está satisfeito. Nós só temos de os perceber e respeitar – esta é a essência do mindful eating.

Dicas para vencer os impulsos alimentares

No mindful eating, é importante que sejamos capazes de identificar em que horários, locais ou ocasiões o nosso corpo se habituou a comer muito. Almoço? Fim de tarde? À noite?

A nossa primeira dica, passa por começar a prestar atenção aos pensamentos e sentimentos nesses horários, locais e ocasiões. Segundo a psicologia, os pensamentos geram sentimentos, e os sentimentos geram ações. Estas ações, aos poucos, tornam-se hábitos.

Mas isto não quer dizer que tenha de ser eternamente refém dos maus hábitos. E também que não precisa de entrar em dietas radicais e passar horas no ginásio, de forma a ter uma vida saudável. Tenha consciência de que, como referimos logo no início deste artigo, a mudança duradoura começa precisamente na sua mente.

Em segundo lugar, referir que uma boa forma de afastar a compulsão alimentar é afastar-se do que está na sua origem: os maus alimentos. Por este motivo, recomendamos que se tem o hábito de comprar alimentos não saudáveis, deixe de o fazer. No início poderá até custar, mas verá que ao fim de algum tempo torna-se um hábito – um dos bons!

É possível mudar se fui obeso toda a vida?

Sim, é possível, desde que esteja disposto a prestar atenção à sua mente antes, durante e após a alimentação, isto é, ao mindful eating. Este automonitoramento é a chave para sair da autossabotagem e padrões automáticos.

Afinal de contas, já foi devidamente comprovado que somos seres de hábitos. Não somos reféns da genética e muito menos dos nossos comportamentos. Os hábitos podem ser transformados e alterados.

E para quem é viciado em doces e chocolate?

Os doces e chocolates não precisam ser eliminados da dieta. Aliás, este é uma ideia paradigmática do tipo de pensamento que em nada o ajudará a perder peso.

A ideia de que não poderá comer as coisas de que gosto só porque está a tentar emagrecer está completamente errada. É precisamente por esse motivo que a generalidades das dietas que fazemos ao longo da vida não são bem sucedidas.

No mindful eating pode sim comer as coisas que gosta. No entanto, tem de começar a prestar mais atenção ao sabor, à textura, ao cheiro, ao que sente e pensa enquanto saboreia os alimentos que gosta. Como já referimos, quando “mais intensa” for essa experiência, menos terá vontade de repetir.

Por isso, é importante também, sobretudo quando tiver tempo, preparar o prato de maneira que ache agradável. A hora de comer é sagrada, é um momento de prazer.

Encare a comida como uma dádiva

Segundo o mindful eating, a comida não deve ser encarada como uma inimiga, da mesma forma que não deve ser considerada um prémio. Cuidado com pensamentos como por exemplo:

  • “Trabalhei muito, mereço comer muito.”;
  • “Há pessoas que não tem nada e estão doentes, eu tenho saúde, portanto vou comer o que quiser”;
  • “Comecei uma dieta mas não a consegui manter. Perdi por um, perdido por mil”.

Há casos que as pessoas descontam a raiva e frustrações na comida. E assim, os alimentos acabam por tornar-se uma “espécie de punição”. Se pararmos para pensar, isto é, se recorrermos à técnica do mindful eating, o alimento é uma dádiva. Ele existe para o nosso corpo ter a energia necessária para viver.

Percebe como tudo está ligado às nossas crenças? Ficar atento aos pensamentos é a base do mindful eating, e é este o segredo de tudo.

No mindful eating a atenção plena faz diferença!

Agora que já sabe aplicar a técnica do mindful eating, comece hoje mesmo a ficar atento às sensações, sentimentos e pensamentos que envolvem a sua alimentação. E tudo bem se falhar e cometer alguns excessos, não se julgue, apenas prossiga e aos poucos vai perceber quando o corpo dá sinais de saciedade.

Lembre-se: nós somos seres emocionais e os excessos alimentares são prejudiciais ao nosso corpo. Quanto mais exercitarmos a nossa consciência, mais autocontrole temos sobre os alimentos que ingerimos – esta é a base do mindful eating. A perda de peso e a felicidade surgem por arrasto.

A redação do trabalhador.pt