Projeto de vida: o que é, importância e benefícios

O projeto de vida é, tal como o nome indica, o projetar e delinear o que queremos para a nossa vida, os nossos objetivos mais próximos e mais distantes. O projeto de vida é um importante processo através do qual definimos o caminho que queremos percorrer nos diversos domínios da nossa vida, nomeadamente no pessoal, profissional e familiar.

Neste artigo ajudaremos a compreender o que é o projeto de vida, como delineamos o nosso projeto de vida, o que devemos ter em conta, e qual a sua importância.

O que é o projeto de vida?

Construir um projeto de vida é um processo particular e subjetivo. Para construir um projeto de vida, precisamos de explorar as nossas emoções, características, potencialidades, limitações e sentimentos. Também precisamos de delinear e definir estratégias que nos ajudam a planear e concretizar sonhos, objetivos, planos, e a lidar com frustrações, desafios, oportunidades, entre outros.

Assim, de uma forma geral, o projeto de vida implica o autoconhecimento, mas também o conhecimento do contexto que nos rodeia, dos recursos de que dispomos, das pessoas que temos ao nosso lado, daquilo que são obstáculos e oportunidades no nosso caminho.

Construir e delinear um projeto de vida parte de um princípio importante: o de que a distância entre os nossos sonhos e objetivos pode ser diminuída através do planeamento e da tomada de decisão consciente e ponderada. Quando um sonho é só um sonho, ele consiste apenas num desejo, algo que gostaríamos de alcançar. Quando ele se transforma num objetivo, é porque definimos passos, metas, estratégias concretas para o alcançar. No fundo, um objetivo é um sonho com um plano. E é isso que o projeto de vida que nos permite conseguir.

O projeto de vida é uma intenção estável e generalizada de conseguir algo que é, ao mesmo tempo, significativo para a pessoa e gera consequências e impacto no mundo à sua volta.

Simplificando, o projeto de vida é um plano onde delineamos os nossos objetivos e prioridades, sobretudo a longo-prazo.

Quando se deve elaborar o projeto de vida?

Não há um momento único e específico para pensarmos e definirmos o nosso projeto de vida, uma vez que ele é um processo contínuo e inacabado. Em cada momento das nossas vidas há mudanças: a vida muda, mudamos de planos, nós próprios mudamos como pessoas. E isso implica um reajustamento do nosso projeto de vida. Assim, a reflexão sobre o nosso projeto de vida e a definição de objetivos deve ser um exercício contínuo e ao longo da vida.

Ainda assim, há momentos fundamentais para introduzir o conceito de projeto de vida e para haver um foco maior no seu desenvolvimento e planeamento. No período de formação académica, ou seja, infância e adolescência / juventude, é particularmente importante introduzir o tema do projeto de vida, para que o jovem possa ter apoio e orientação dos educadores nesse sentido. Muitas escolas e currículos escolares incluem já o projeto de vida como tema em disciplinas como a Cidadania.

O objetivo da abordagem do projeto de vida na escola tem como finalidade preparar os alunos para a vida em sociedade nos mais diversos domínios e vivências, estimulando mudanças significativas e desenvolvendo competências como a resiliência e a persistência.

Quais os benefícios de um projeto de vida?

Ao percebermos o que é um projeto de vida, podemos pensar: mas vale mesmo a pena fazer isso? Será que tenho de me dedicar a fazer disto uma tarefa estruturada? Afinal, eu já sei o que quero…

É compreensível pensarmos isto, no entanto, aquilo que nós “sabemos que queremos” mas que não passa do plano do desejo, das coisas em que pensamos quando pousamos à noite a cabeça na almofada, acaba por ter pouca materialização. Quantas vezes não pensamos “quero fazer mais exercício” e depois nunca fazemos de facto nada para o concretizar? Aquilo que definimos de forma mais estruturada, em que colocamos tempo, trabalho e reflexão, tem mais probabilidade de se vir a concretizar.

Além disso, fazer o projeto de vida pode promover a nossa felicidade e bem-estar. Isto porque, quando definimos objetivos e quando concretizamos pequenas coisas que queríamos, há uma sensação de reforço positivo que nos motiva a continuar e que nos faz sentir bem connosco próprios.

O projeto de vida permite-nos uma maior conexão com aquilo que queremos em que acreditamos. Pode funcionar como uma motivação, um combustível natural para lutarmos por aquilo que queremos e ultrapassarmos as adversidades.

São vários os benefícios da realização de um projeto de vida:

  • Determinação – delinear um projeto de vida ajuda-nos a ser mais determinados, pois sabemos o que queremos e estamos focados nisso, evitando distrações e coisas que nos desviem do caminho que queremos percorrer;
  • Resiliência – delinearmos um projeto de vida e sabermos o que queremos torna-nos mais resilientes, mais capazes de antever as possíveis dificuldades e de ter vontade, energia e força para lidar com elas. Quando temos um ou vários objetivos em mente, estamos mais impermeáveis às dificuldades e contratempos, ou pelo menos mais preparados para lidar com elas;
  • Tolerância – delinear um projeto de vida também nos torna mais tolerantes, mais capazes de lidar com pessoas com perspetivas diferentes ou com as críticas que podem surgir aos nossos objetivos.

Para compreendermos melhor a importância de elaborar um projeto de vida, pensemos no seguinte: será que nos atiraríamos para o alto mar sem saber nadar? Ou comandaríamos um navio sem bússola? Da mesma forma, também não devemos querer conduzir e guiar a nossa própria vida sem um projeto ou um plano que nos oriente, que oriente para onde queremos ir.

Ter um projeto de vida permite-nos sermos pilotos e não passageiros da nossa vida, tomarmos ações transformadoras, termos segurança no nosso caminho e mantermos coerência entre aquilo que acreditamos e aquilo que fazemos e vivemos.  

Tarefas importantes num projeto de vida

Para delinearmos o nosso projeto de vida há passos importantes que devemos dar, tarefas que devemos procurar concretizar e domínios nos quais devemos refletir. Vamos referir os principais e mais relevantes, embora possam existir outros:

  • Identificar características da personalidade;
  • Compreender e definir valores fundamentais para a vida e para as relações com os outros;
  • Estabelecer e perceber a relação entre valores e atitudes;
  • Pensar e refletir sobre intenções e ambições existentes;
  • Estabelecer objetivos de participação e colaboração nos contextos comunitários, sociais, culturais, familiares…
  • Trabalhar na criação de uma visão do futuro e nas expectativas para a vida;
  • Identificar as mudanças e transformações no contexto histórico e na vida que podem levar a necessidade de reajustamento do projeto de vida;
  • Delinear os principais pilares do projeto de vida e construí-lo.

Como criar o meu projeto de vida?

Depois de perceber de forma mais concreta o que é o projeto de vida, ainda assim compreendo que possa sentir-se confuso sobre como o fazer. Para isso, ajudamos a perceber como pode começar a pensar e fazer o seu projeto de vida, de uma forma simples e com pequenos passos.

1. Definir objetivos

Deve, primeiramente, pensar e refletir sobre os seus objetivos. Inicialmente, comece por escrever de forma livre e sem grandes critérios ou regras tudo aquilo que deseja, tudo o que quer alcançar e tudo o que lhe vem à mente sobre coisas que quer atingir.

Depois de ter registado de forma livre as coisas que quer, é importante transformá-las em objetivos realistas e que possam ser concretizáveis. Para isso, deve ter em conta que os objetivos devem ser:

  • Específicos – Ou seja, o objetivo não pode ser demasiado vago, tendo de ter especificidade. Para isso, o objetivo deve responder a algumas questões, tais como “O quê? Quem? Onde? Quando? Com quê?”. Por exemplo, “ter mais saúde” não seria um objetivo específico. No entanto, podemos torná-lo em vários objetivos específicos, tais como “Fazer exercício 2x por semana”, “Fazer um check-up de saúde todos os anos”, etc.;
  • Mensuráveis – Isto significa que temos de conseguir avaliar se o objetivo se concretizou ou não, isto é, têm de existir critérios que permitem verificar se o objetivo foi atingido. Por exemplo, se o objetivo é “Fazer exercício físico pelo menos 2x por semana” conseguimos facilmente avaliar se ele está a ser cumprido ou não. Se o objetivo é “ser rico”, não conseguimos avaliá-lo, pois, é muito subjetivo, mas se o objetivo é “ganhar 3000€ por mês” já conseguimos medir a sua concretização;
  • Realistas – Se definirmos objetivos muito difíceis ou praticamente impossíveis de atingir, o resultado será provavelmente a frustração. Então, devemos definir objetivos realistas, isto é, que apesar de serem desafiadores, são possíveis de alcançar de acordo com as nossas capacidades e recursos;
  • Temporais – Sempre que definimos um objetivo deve ser definido também um timing ou prazo para a sua concretização. Senão, o mais provável é que exista um constante adiamento dos passos que devem ser feitos para a concretização do objetivo;
  • Positivo – Devemos formular os objetivos pela positiva e não pela negativa, pois desta forma estaremos mais motivados. Por exemplo, em vez de definirmos como objetivo “parar de perder tempo com coisas desnecessárias” podemos definir “desenvolver um sistema de organização e gestão do tempo eficaz”;
  • Relevante – Se não atribuirmos importância aos objetivos definidos, não estaremos motivados e não nos iremos envolver na sua concretização. Por isso, é fundamental que o objetivo seja realmente importante para si e que se sinta motivado(a) a concretizá-lo e responsável por esse processo.

2. Autoavaliar-se

Para um adequado projeto de vida é importante que se conheça bem a si mesmo, que sejam capaz de identificar os seus pontos fortes, os seus pontos fracos, as suas competências e capacidades… Só se se conhecer bem e a si mesmo pode melhor compreender que aspetos que precisa de desenvolver, ou de que forma pode usar as suas habilidades para melhor atingir os seus objetivos.

3. Definir timings

É importante compreender qual é o espaço temporal que define para o seu projeto de vida. É um projeto de vida a dois anos? Cinco anos? Dez anos? Para a vida toda? Define um critério temporal, para conseguir manter um caminho mais seguro e objetivo. Pode mesmo definir e fazer um cronograma para cada objetivo, dividindo os objetivos maiores em metas menores. Termos um timing para aquilo que queremos ajuda-nos a mantermo-nos focados no nosso objetivo, caso contrário poderemos ter tendência a um adiamento constante.

4. Definir ações e estratégias

Depois de ter delineado de forma concreta, ponderada e com timings aquilo que quer alcançar, é importante que defina ações e estratégias para o conseguir. Analise os seus objetivos, reflita sobre cada um deles, e depois defina ações concretas que fará para atingir o objetivo. Nas ações e estratégias um aspeto importante a não esquecer é a influência das outras pessoas na nossa vida. Não devemos ter a pretensão de querermos fazer tudo sozinhos. As pessoas que estão à nossa volta são um recurso importante que nos pode ajudar, e muito, a atingir determinados objetivos. Pense nisso e use também os seus recursos sociais e interpessoais. A troca de experiências é também fundamental para uma vida enriquecedora.

Diana Pereira

Amante de histórias, gosta de as ouvir e de as contar. Tornou-se Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde, pela Universidade do Porto, mas trouxe sempre consigo a escrita no percurso. Preocupada com histórias com finais menos felizes, tirou pós-graduação em Intervenção em Crise, Emergência e Catástrofe. Tornou-se também Formadora certificada, e trabalha como Psicóloga Clínica, com o objetivo de ajudar a construir histórias felizes, promovendo a saúde mental. Alimenta-se de projetos, objetivos e metas. No fundo, sonhos com um plano.