Como identificar uma falsa oferta de emprego na Internet?

Já alguma vez viu uma oferta de emprego online e pensou que era demasiado boa para ser verdade? Talvez os horários estranhamente flexíveis ou o salário muito elevado para tão pouco trabalho serviram como alerta. Às vezes pode ser difícil identificar qual das milhares ofertas online correspondem a trabalhos reais.

Procurar trabalho é por si só uma tarefa complicada, não queremos a preocupação acrescida de diferenciar o que é uma oportunidade real de uma farsa. Para o ajudar, decidimos apresentar alguns sinais que costumam indicar se uma proposta de emprego é verídica.

Identificar um anúncio de emprego falso

Nem sempre é fácil identificar as falsas ofertas de emprego.

1. Emails não profissionais

As empresas verdadeiras têm o hábito de contratar profissionais com boas capacidades de escrita para evitar erros que podem, consequentemente, colocar em causa a credibilidade da empresa ou do email propriamente dito. Aqui está um exemplo de um email não profissional:

“Os Recursos Humanos, acabaram de rever o seu currículo.Gostavamos de saber se está disponível para uma entrevista; diga-nos a sua disponibilidade.Falamos brevemente.”

Neste exemplo, pudemos detetar, de imediato, os erros ortográficos e de pontuação. Se se deparar com emails semelhantes, o mais provável é que esteja a ser contactado por um golpista. Tenha atenção a estes pequenos detalhes, pois são eles que nos alertam para potenciais farsas.

3. A empresa não tem presença online

Se não encontrar as redes sociais, site ou qualquer informação sobre a empresa ou pessoa que o contactou, não precisa de perder mais o seu tempo, pois a probabilidade de se tratar de uma proposta falsa é elevadíssima. As empresas que se prezam têm sempre provas da sua existência algures na Internet. Faça a devida pesquisa e tire conclusões a partir daí.

4. Pedem-lhe dinheiro ou informação confidencial

Os golpistas pedem frequentemente informações de contas bancárias, dizendo que querem depositar ou transferir dinheiro para a sua conta. Além disso, também podem pedir informações pessoais como o número da Segurança Social ou data de nascimento – não partilhe nenhum destes dados.

Se for remetido para algum site, certifique-se de que o website é seguro. Precisa apenas de olhar para a barra superior no browser e ver se o endereço começa por https:// (o “s” significa “secure), e não http://.

5. O recrutador não usa uma email da empresa

Se um recrutador lhe enviar um email pessoal (com conta Gmail ou Hotmail, por exemplo), o melhor é não confiar. Na grande maioria dos casos, as empresas utilizam um email institucional para contactar terceiros. Este tipo de emails tem o domínio da empresa associado, por exemplo: @bertrand.pt ou @zara.pt. 

Tendo isto em conta, não partilhe documentos pessoais ou qualquer outro tipo de informação a não ser que tenha a certeza de que está em contacto com uma empresa real.

6. Descrição e requisitos demasiado vagos

Outro mau sinal é se não compreender ao certo o que terá de fazer na empresa. Pior ainda é quando a oferta de emprego não explica qual a mensagem, missão ou até mesmo um pouco do contexto da empresa. Normalmente, nas ofertas de emprego reais, a descrição da empresa e do trabalho a desempenhar estão bem claras para todos.

Também tem de ter em atenção se os requisitos exigidos pelo recrutador são tão simples ao ponto de quase qualquer pessoa servir como potencial candidato. Alguns dos requisitos básicos que se aplicam a quase qualquer um costumam ser:

  • Idade superior a 18 anos;
  • Deve ser cidadão local;
  • Deve ter acesso à Internet.

Se uma oferta de emprego se focar apenas nestes três aspetos e pouco ou nada nas suas competências ou experiência pessoal, afaste-se!

7. Os emails não incluem os contactos da empresa

Os emails de empresas reais incluem sempre algumas das seguintes informações: contactos telefónicos, link para o site oficial, links para as redes sociais ou morada. Se receber um email que não apresente qualquer informação sobre a empresa em questão, não confie e nem se dê ao trabalho de responder.

Além disso, é comum para a empresa incluir o seu logotipo nos emails que envia. Verifique se a correspondência que recebeu tem o logotipo da suposta empresa associado.

8. É tudo demasiado bom para ser verdade

Contactaram-lhe de repente através das redes sociais? Trabalha apenas algumas horas por dia? O salário é elevadíssimo para as tarefas que desempenha? Não é preciso ser entrevistado? Suspeite. Se parece mentira, então o mais provável é que seja.

9. Tem um mau pressentimento?

Tenha o seu instinto em consideração. Se reparar que demasiadas coisas não estão a bater certo, desconfie e faça uma pesquisa ainda mais aprofundada. Não sinta pressão para partilhar os seus dados ou responder a qualquer abordagem de que tenha sido alvo.

Avalie todas as dicas mencionadas ao longo do artigo e tire as suas próprias conclusões. Se acabar por perceber que realmente se trata de uma farsa, pode fazer queixa ao site onde encontrou a proposta, se for esse o caso.  

O melhor conselho que podemos dar é que faça a pesquisa devida antes de aceitar a proposta ou partilhar qualquer dado. Lembre-se, se suspeitar que uma oferta de emprego é falsa, ou pelo menos enquanto não tiver a certeza absoluta quanto à sua legitimidade, não partilhe informações pessoais e não envie pagamentos.  Boa sorte!

Catarina Fonseca

Desde cedo uma curiosa nata, decidiu seguir Ciências da Comunicação para desenvolver a sua paixão pelo jornalismo e pela escrita. Agora formada, gosta de se aventurar pelo mundo, conhecer novas pessoas e culturas, e leva sempre um caderno e câmara fotográfica às costas para eternizar as suas experiências.

Adicionar comentário