Como responder à pergunta “porque o devemos contratar?”

Cada empresa aborda os candidatos de forma diferente nas entrevistas de emprego. Algumas fazem perguntas muito expectáveis como “quais os seus pontos fortes e fracos?” ou “venda-me esta caneta”, enquanto outras apanham-no despercebido e pedem-lhe para falar de algo que até pode parecer pouco relevante para o cargo a que se está a candidatar, como por exemplo, “se pudesse ser uma árvore, qual seria e porquê?”.

Sim, parece uma pergunta estranha, mas certamente o objetivo do recrutador é avaliar o seu nível de criatividade e improvisação – talvez essas sejam qualidades valorizadas para o cargo em questão.

Como vê, há vários tipos de questões prontas a ser colocadas, o que pode ser confuso para um candidato, pois, com tanta variedade, este não sabe como se preparar para as que lhe podem calhar. Não se preocupe, temos uma boa notícia! Garantimos que há uma questão que lhe vão colocar de certeza, direta ou indiretamente: porque é que o devemos contratar? Nós ajudamos a responder.

O que deve responder?

Antes de mais… leia a descrição do trabalho

Volte a ler os requisitos apresentados pela empresa, como competências, experiência profissional e pontos fortes, e reúna os dados que possui para responder a cada campo. Após saber o que é pretendido, torna-se muito mais fácil convencer-se a si mesmo, e principalmente o recrutador, de que é a pessoa certa para o trabalho.

Conheça melhor a empresa

Quais os valores que a empresa pretende passar? Quais são os objetivos atuais? Qual é a missão? É importante perceber tudo isto para que depois consiga dar uma resposta que vá de encontro às necessidades da empresa. Por exemplo, se se tratar de uma empresa sustentável, pode dizer que essa é uma causa muito importante para si.

Realce as suas competências

É claro que não podia deixar passar esta oportunidade para, novamente, enaltecer os seus atributos e mostrar que é a melhor pessoa para o cargo. Deve abordar cada um dos requisitos exigidos pela empresa, e responder a cada um partilhando a sua própria experiência.

Não se limite a dizer que é determinado, criativo e que trabalha há 10 anos na área. Dê exemplos dessa determinação, dos projetos que foi desenvolvendo, da forma como se relaciona com os outros, e dos objetivos e conquistas que já alcançou.

Deixe a sua marca

Não se pode esquecer de que está a competir com outras dezenas de candidatos, portanto, tem de se distinguir! Pense em competências ou pequenas características que o diferenciem. Fala mais do que 2 línguas? Já fez voluntariado? Viajou pelo mundo com uma mochila às costas? Pense em pequenos detalhes e histórias que possua e que vão de encontro ao que a empresa procura e valoriza. Aproveite agora para partilhar memórias e curiosidades que tem guardadas no baú, e que provavelmente achou que nunca seriam úteis num contexto como este.

Exemplo: “Sou uma pessoa criativa e proativa tal como este trabalho exige. Sou organizada, determinada e eficaz. Durante os meus últimos 7 anos na indústria, passei por algumas empresas e a partir delas adquiri uma vasta experiência na área do marketing. Ainda no ano passado criei uma campanha que acabou por fazer aumentar em 30% as vendas da empresa. Uma coisa interessante sobre mim é que viajei sozinha durante três meses pela Ásia com pouco dinheiro e por isso tive de me desenrascar, e para ter alojamento gratuito em determinadas casas, fazia babysitting na minha família de acolhimento. Portanto, diria que também consigo facilmente adaptar-me a qualquer situação. Por tudo isto, sou a pessoa correta e devia contratar-me.”

O que não deve responder?

Estes são os tipos de respostas que deve evitar:

  • “Não sei bem…”;
  • “Estou mesmo a precisar do dinheiro neste momento”;
  • “Odeio o local onde estou agora e preciso de sair”.

Conseguiu verificar um padrão comum a todas elas? Nenhuma se foca na empresa em questão, mas sim na indecisão ou circunstâncias desagradáveis pelas quais a pessoa está a passar. Mesmo se tiver algo mais a acrescentar, inclusive alguns pontos positivos, evite inserir este tipo de frases em qualquer altura.

A primeira evidência o quão perdido está na vida. O recrutador vai pensar que não tem objetivos, que não sabe o que quer e que está apenas a perder o seu tempo enquanto vagueia de porta em porta até alguém decidir dar-lhe uma oportunidade pela qual nem sabe que está à espera.

A segunda revela desespero. Da mesma forma que se está a candidatar a este trabalho, também se deve ter candidatado a muitos outros. Por outras palavras, o recrutador irá pensar que não quer este trabalho em particular, mas sim qualquer trabalho.

Por último, não é boa ideia dizer que quer “fugir” do seu atual trabalho o mais rápido possível. Mais uma vez, evidência algum desespero e pouca ponderação da sua parte. O recrutador irá pensar que o mais provável é que nem tenha olhado para os requisitos ou tido o trabalho de pesquisar sobre a empresa.

Como é possível verificar, de forma a responder corretamente a esta pergunta, precisa de se preparar! Faça alguma investigação sobre a empresa, explique claramente o porquê de ser a melhor pessoa para o cargo e pense em algo que o distinga. O mais importante é conseguir aliar as suas competências ao que a empresa procura e deixar a sua marca. Boa sorte!

Catarina Fonseca

Desde cedo uma curiosa nata, decidiu seguir Ciências da Comunicação para desenvolver a sua paixão pelo jornalismo e pela escrita. Agora formada, gosta de se aventurar pelo mundo, conhecer novas pessoas e culturas, e leva sempre um caderno e câmara fotográfica às costas para eternizar as suas experiências.

Adicionar comentário