Frei Luís de Sousa: resumo da obra de Almeida Garrett

Drama em três atos de Almeida Garrett (escritor e dramaturgo romântico, orador, par do reino, ministro e secretário de estado honorário português) Frei Luís de Sousa estreou em 1843, tendo sido publicado em 1844 com notas do autor. Considerado a principal obra do escritor, a peça relembra o clima sebastianista e recupera a vida do escritor barroco Frei Luís de Sousa (1556-1632), que antes da sua ordenação ao sacerdócio tinha o nome de Manuel de Sousa Coutinho.

A peça apresenta duas características românticas: a recuperação do passado histórico e um caso de amor trágico, protagonizado por portugueses ilustres. Se deseja conhecer melhor esta obra fundamental da literatura portuguesa, continue a leitura deste artigo, em que encontrará mais detalhes acerca desta peça teatral que imortalizou o seu autor. Boa leitura!

Frei Luís de Sousa: resumo

Frei Luís de Sousa relata a vida de Manuel de Sousa Coutinho, um homem patriota, corajoso e apaixonado pela sua esposa, D. Madalena de Vilhena, mulher supersticiosa que fora casada com D. João de Portugal. Ela vive atormentada com o seu próprio passado, e apesar de pensar que o primeiro marido está morto, acaba surpreendendo-se quando este regressa a Portugal, facto que torna ilegítimo o seu casamento com Manuel.

Manuel e Madalena têm uma filha, D. Maria de Noronha, jovem pura, ingénua, curiosa, corajosa e bela, mas de saúde frágil, visto sofrer de tuberculose. Outro personagem importante desta história é Telmo Pais, aio da família, mas que se mantém leal ao seu antigo amo, D. João de Portugal, e alimenta em Madalena o temor de um possível regresso de D. João, o que de facto acontecerá após 20 anos da sua ausência. Telmo é atencioso e prestativo, e demonstra um enorme carinho por Maria de Noronha.

Cavaleiro da Ordem de Malta, Manuel de Sousa, homem altamente patriota, incendeia a própria casa para não alojar os governadores. Ao notar a cena, Madalena tem um presságio, intuindo que perderia o marido tal como perdeu a sua casa. Como consequência do seu ato desesperado, Manuel vê-se forçado a morar na residência onde antes morava D. João de Portugal. Este finalmente retorna ao lar, contudo, disfarçado de romeiro, pede ao velho criado, Telmo, que minta a respeito da sua existência. Todavia, Maria logo percebe a presença do seu primeiro marido, revelação que fará com que o casal decida ingressar na vida religiosa, adotando novos nomes: Frei Luís de Sousa e Sóror Madalena.

Enquanto Manuel de Sousa Coutinho vai para o convento do Livramento, Madalena de Vilhena instala-se no convento de Benfica. Tal infortúnio fez de Maria de Noronha uma filha ilegítima, o que provoca na jovem grande consternação e revolta contra a sociedade e a Igreja Católica. Gravemente doente, Maria acaba por falecer de tuberculose à frente dos seus pais.

No fim da peça de três atos, acontece a morte social de Manuel e Madalena (ao ingressarem na vida religiosa) e a morte física de Maria, em razão do seu delicado estado de saúde. O conflito desta obra-prima de Almeida Garrett desenvolve-se até o clímax, o que promove um grande sofrimento aos personagens centrais da obra.

Frei Luís de Sousa é considerado um drama romântico, embora possua características de um clássico, isto é, o nacionalismo, o patriotismo, a crença em presságios e superstições, o amor pela liberdade, sinais de uma iminente catástrofe, o sofrimento crescente, o reduzido número de personagens, peripécias e demais elementos clássicos.

Temas centrais de Frei Luís de Sousa

Entre os temas centrais de Frei Luís de Sousa está o da liberdade de amar – apesar das rígidas convenções sociais da época na qual transcorre o enredo desta obra-prima de Almeida Garrett. Maria de Noronha, filha do casal Manuel e Madalena, é uma jovem que não tem culpa dos atos de seus pais, cuja beleza e inocência é o contraponto desta relação adúltera e fadada ao fracasso, ainda que o casal não tivesse conhecimento de que D. João de Portugal estivesse vivo.

Importante referir que o autor inspirou-se na sua própria história: separou-se da sua primeira mulher para viver em mancebia com D. Adelaide Pastor, com a qual teve uma filha – ilegítima, tal qual Maria de Noronha. Este tema – o do amor romântico – foi abundantemente explorado durante o segundo período do romantismo português, sobretudo por Camilo Castelo Branco, outro grande nome da literatura portuguesa.

Importância da obra

Frei Luís de Sousa é considerado um clássico da literatura de língua portuguesa e uma das obras mais importantes do nosso teatro. Sua primeira apresentação aconteceu no teatro da Quinta do Pinheiro, em 1843, para uma plateia reduzida, cuja encenação contou com a participação do próprio autor, interpretando o aio Telmo Pais.

A estreia pública de Frei Luís de Sousa ocorreu em 1847, no antigo Teatro do Salitre, mas num formato censurado – a versão integral só seria levada à cena no Teatro Nacional, posteriormente Teatro Nacional de D. Maria II, em 1850.

Almeida Garrett, o autor

João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett, mais tarde 1.º Visconde de Almeida Garrett (Porto, 4 de fevereiro de 1799 — Lisboa, 9 de dezembro de 1854), foi um escritor e dramaturgo romântico, orador, par do reino, ministro e secretário de estado honorário português.

É tido como um grande incentivador do teatro português e uma das maiores figuras do romantismo em Portugal. A sua obra literária é considerada uma das mais geniais da língua, embora tenha sido contestada por críticos que apontaram aspectos mais fracos da produção garrettiana. A despeito disso, Almeida Garrett ocupa um importante lugar na história da literatura portuguesa, e isto dá-se em razão das inovações que a sua obra trouxe e dos caminhos que abriu para novos autores. Desta forma, podemos afirmar que Almeida Garrett é o autor mais representativo do romantismo em Portugal.

Gostou deste artigo? Então partilhe este conteúdo com os seus amigos. Se é um apaixonado pela literatura, que tal conhecer também o resumo do livro Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco. Boa leitura!

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)