Roer as unhas: porque o fazemos e como parar?

A onicofagia, ou seja, o hábito de roer as unhas, é algo muito comum, independentemente da idade. Muitas crianças, adolescentes e adultos levam a mão à boca sem se aperceberem e começam a arrancar pequenos pedaços das unhas com os dentes de forma mecânica.

Roer as unhas pode ser um comportamento temporário, não tendo grandes consequências para além daquelas de natureza estética. No entanto, sendo um comportamento recorrente, pode-se transformar num problema grave, ao qual é necessário prestar atenção.

Roer as unhas pode ser um comportamento desecandeado por vários fatores, nomeadamente de cariz, como também ser indicativo de algum distúrbio psicológico.

Neste artigo, abordamos as razões por detrás deste comportamento, as suas consequências para a saúde e alguns truques e dicas para o deixar de fazer.

Porque roemos as unhas?

Roer as unhas pode ser um hábito adquirido para lidar com certos sentimentos

Regra geral, roer as unhas é um hábito que adquirimos para lidar com certos sentimentos como a ansiedade, o nervosismo e até mesmo o apetite ou o tédio. Alguns estudos definem este comportamento como uma forma de fuga temporária, uma espécie de ato de “relaxamento”.

Embora aconteça insconscientemente, é importante reparar em que contextos surge a vontade de roer as unhas. Ainda que seja difícil, caso se dê conta que está com a mão na boca, procure aferir o que está a sentir. Desta forma, poderá perceber os sentimentos que desencadeiam este hábito.

Mais comumente, a onicofagia ocorre quando estamos:

  • nervosos;
  • ansiosos;
  • stressados;
  • tristes;
  • inseguros;
  • entediados;
  • com apetite.

E no caso de crianças e adolescentes?

As crianças e os adolescentes podem começar a roer unha pelos mesmos motivos citados anteriormente: nervosismo, ansiedade, tédio, entre outros. No entanto, esse hábito pode também surgir por meio da observação, principalmente em crianças muito novas.

Queremos com isto dizer que se o pai ou a mãe, roem as unhas à frente dos seus filhos, estes podem podem-no fazer, como algo aprendido. Afinal de contas, quando muito pequenas, as crianças apreendem muitos hábitos por imitação.

Independente do motivo, é de suma importância que preste atenção e ajude o seu filho ou a sua filha a deixar esse hábito para trás. Regre geral, é muito mais fácil para uma criança desaprender um mau hábito que para um adulto.

Roer as unhas é um distúrbio psicológico?

Roer as unhas pode (ou não) estar relacionado com distúrbios psicológicos

Sim e não. Ou seja, não é por roer as unhas que tem de padecer necessariamente de um distúrbio psicológico, este comportamento pode não passar de um mau hábito e uma resposta do cérebro a determinadas situações.

Caso sinta que este comportamento está fora do controlo, isto é, que os seus dedos ficam excessivamente feridos com frequência, talvez seja melhor procurar por acompanhamento psicológico ou médico, recorrendo a um psicólogo ou psiquiatra.

Alguns dos distúrbios associados ao ato de roer as unhas são:

  • transtorno de comportamento repetitivo com foco no corpo;
  • Transtorno obsessivo compulsivo;
  • Depressão.

Embora este artigo aborde a onicofagia, importa referir que o mesmo não foi redigido por um profissional de saúde, razão pela qual deverá procurar ajuda especializada caso desconfie que sofre de algum destes transtornos.

Quais as consequências de roer as unhas?

Roer as unhas tem consequências que vão além das estéticas

Roer as unhas tem diversas consequências que vão além da estética. No entanto, a mais evidente é precisamente o mau aspeto com que ficam as unhas, como também o surgimento de pequenas feridas nos dedos.

Quem rói as unhas com frequência pode passar por:

  • sentimentos de angústia, mal-estar ou tensão antes de morder;
  • sensação de alívio ou mesmo prazer após morder;
  • sentimentos de vergonha, constrangimento e culpa, muitas vezes relacionados;
  • aparecimento de danos físicos na pele e nas unhas causados ​​pelas mordidas;
  • danos nas unhas, cutículas e na pele em redor das unhas;
  • lesões na boca, problemas dentários, abscessos e infeções.

Como parar de roer as unhas?

Existem várias estratégias para parar de roer as unhas

Existem várias estratégias, algumas mais adequadas para crianças e adolescentes, outras para adultos. A parte mais importante para encontrar uma estratégia que resulte consigo é perceber as razões por trás do hábito de roer as unhas.

Queremos com isto dizer que ao tratar a causa (ansiedade, tédio, stress, etc.) e não o sintoma (roer as unhas) as chances de sucesso são muito mais altas.

Como já referido, para identificar o “gatilho”, isto é, aquilo que o leva a querer roer as unhas, é preciso fazer um “trabalho de detetive”. Observe, preste atenção e, se for preciso, anote.

Coloque no papel quantas vezes por dia percebeu que estava com a mão na boca e como se estava a sentir nesse momento, bem como a tarefa que estava a desempenhar. Identifique a frequência e o tamanho dos danos.

Quão magoados ficam os dedos? Roeu as unhas a ponto de deixar os dedos a sangrar e quase sem unha? Quanto mais graves forem as consequências da onicofagia, maiores são os sinais de que deve procurar acompanhamento médico.

Se os sintomas são leves ou moderados, partilhamos algumas dicas que poderá adotar para deixar de roer as unhas:

  • Corte as unhas: as unhas cortadas são mais difíceis de roer. Se não houver unha suficiente para os seus dentes alcançarem, aquela sensação de relaxamento e satisfação desencadeado pelo ato de roer não aparecerá.
  • Use esmalte específico: já existem no mercado produtos específicos para quem deseja parar de roer as unhas. São esmaltes transparentes com um sabor desagradável. Experimente, talvez, ao sentir um sabor desagradável, a onicofagia desapareça.
  • Mantenha as mãos e a boca ocupados: encontre algo para mexer – uma daquelas bolas anti-stress ou mesmo uma caneta. Masque pastilha elástica (sem açúcar!) ou beba água ao invés de colocar a mão na boca. Redirecione a sua atenção para outra atividade.
  • Use luvas: se vive num lugar frio, usar luvas pode ser uma ótima estratégia.
  • Pinte as unhas: se acha as unhas coloridas bonitas, pinte-as. Isto pode ajudar a afastar a vontade de roer para não estragar o esmalte.

Algumas estratégias para deixar de roer as unhas, para além das já citadas, que funcionam melhor com crianças e adolescentes são:

  • Não discuta: as discussões são uma fonte geradora de ansiedade, especialmente em crianças pequenas.
  • Substitua: às crianças mais novas, poderá oferecer objetos ou mesmo comida para que aquelas coloquem na boca quando reparar que estão a roer as unhas. Certifique-se que, ao dar comida, esta seja saudável.
  • Desafie: pode criar uma espécie de jogo em que o desafio final é a criança ou o adolescente parar de roer as unhas. Estabeleca um tempo que não seja muito longo — cinco dias, por exemplo — e um prémio que os deixe motivados para atingir o objetivo. A atividade tem de ser divertida e o prémio maior, no final, é deixar esse hábito pra trás.

Esperamos que estas dicas o possam ajudar!

A redação do trabalhador.pt