Carta de motivação: como despertar a atenção dos recrutadores?

Conseguir uma vaga de emprego ou uma vaga no mestrado que tanto deseja exige sempre algum trabalho, bem como alguma sorte. É por isso que é necessário usar todas as ferramentas disponíveis para tentar ingressar no mercado de trabalho (que em função do setor de atividade pode ser mais ou menos complicado). Para além do currículo, a carta de motivação é uma das mais importantes.

Para quem não sabe do que se trata, a carta de motivação é um documento exigido por algumas empresas e universidades, cuja função é servir como um tipo de carta de apresentação do candidato à vaga de emprego. Em algumas situações, não basta excelente currículo para destacar as suas aptidões, qualidade e experiência profissional/académica, sendo a carta de motivação uma excelente forma de o fazer.

As cartas de motivação são portanto uma parte vital de muitos processos de recrutamento ou de candidatura a cursos superiores (pós-graduações, mestrados, doutoramentos, entre outros). Afinal de contas, nada mais são que, a par do currículo, o primeiro contacto que o candidato estabelece com o recrutador/entrevistador. Por isso mesmo, é importante estar ciente da importância deste documento, afinal de contas, as primeiras impressões poderão ser determinantes para o sucesso da sua candidatura.

Neste artigo abordamos as cartas de motivação, procurando abordar algumas das questões mais comuns sobre este documento, designadamente as razões pelas quais são de manifesta importância, como escrever uma, e quais os pontos que não podem deixar de abarcar.

Antes de escrever a carta de motivação

Antes mesmo de começar a redigir a carta de motivação, é aconselhável que obtenha informações sobre a entidade à qual se está a candidatar. Isto é importante, pois estas informações ajudá-lo-ão a aferir o perfil de pessoa que poderão estar à procura.

Para facilitar a sua pesquisa, deverá recorrer em primeiro lugar ao anúncio de emprego (ou o equivalente no caso de candidatura a formação académica). Outra boa fonte de informação é visitar o site da empresa e ler com atenção as páginas de cariz institucional, como “quem somos”.

Existe uma carta de motivação ideal?

Da mesma forma que não propriamente um consenso em torno da extensão do “currículo ideal”, o mesmo se passa quanto à carta de motivação. Não obstante, acreditamos que esta não deve ser demasiado extensa, sob pena que desincentivar a pessoa encarregue de as ler.

Desta forma, acreditamos que uma página será mais que suficiente para transmitir a ideia que pretende, afinal de conta o seu currículo também é uma fonte de informação caso o recrutador pretende saber algo mais detalhado.

Relativamente à forma, a carta de motivação deve estar organizada em quatro parágrafos (não mais que isso), devendo o texto total rondar as 250 a 400 palavras.

É igualmente importante ficar atento à cor, estilo e tipo de letra utilizada. O estilo e tipo de letra devem ser iguais e, de preferência, sem nenhum adorno. A carta deve ser limpa e concisa. Relativamente à cor da letra, sugerimos o preto ao longo de todo o texto. Ao contrário do curriculum vitae, onde é importante que se destaque face aos outros concorrentes, a carta de apresentação deve ser sóbria – quanto mais não seja porque, à partida, só será lida se o seu currículo tiver despertado o interesse do recrutador.

Informações básicas como o seu nome completo, o local e data são tidos como essenciais. A carta deve ser assinada (pode recorrer a uma assinatura digital, sem problema). No fim, antes de enviar, é aconselhável que converta o ficheiro .doc num ficheiro .pdf.

Dicas para escrever uma carta de motivação

Coloque-se na pele de um recrutador que colocou um anúncio de emprego para uma posição de assistente de marketing numa empresa, e que ao fim de 3 ou 4 dias recebe, nada mais nada menos, que 100 candidaturas (currículos + cartas de motivação).

Se no meio de tantas cartas de motivação a sua não se destacar, vai acabar por ser apenas mais uma no meio de um oceano. É isso que queremos evitar, razão pela qual partilhamos consigo um conjunto de dicas que consideramos essenciais.

1. Lembre-se que menos é mais

Dizem as boas práticas que o currículo não deve ter mais do que uma página. As cartas de motivação devem ser ainda mais concisas, não devendo ultrapassar a meia página de texto – 2 ou 3 parágrafos, mais precisamente. Se a transformar numa dissertação, a certeza é só uma: o recrutador não a vai ler. O “truque” é ir diretamente ao assunto, evitando um excesso de contextualização. Se a vai escrever à mão – o que não recomendados – a caligrafia não pode ser um problema!

2. Não deixe de ser autêntico

É importante que tenha uma “certa postura” ao escrever a carta. Por outras palavras, para além de ser autêntico e sincero, faça um esforço por entender o que a pessoa que vai ler a carta poderá querer efetivamente saber. Considerações genéricas que nada acrescentam face ao que já está no seu currículo dificilmente o ajudarão. Porque se encaixa no perfil da vaga? Porque é o candidato ideal?

3. Mostre que está verdadeiramente interessado

O que despertou o seu interesse na empresa ou no cargo para o qual se candidata? Ao escrever a carta de recomendação, procure criar uma narrativa disruptiva que desperte o interesse do recrutador. O que o difere dos restantes candidatos? O que o leva a ser o candidato ideal para a posição? Se não o souber explicar, não será certamente o recrutador que o fará.

4. Cuidado com o tom, linguagem e erros ortográficos

Outro aspeto relevante é o tom que dá à carta. Se numa entrevista de emprego até pode arriscar mandar uma piada (até porque conseguirá perceber o perfil do recrutador que o entrevista) na carta de motivação não terá essa oportunidade. Desta forma recomendamos que procure ser minimamente formal. Caso saiba o nome da pessoa responsável pela análise das candidaturas, melhor ainda, pois poderá endereçar a carta ao seu cuidado.

Além disso, pode até ser o melhor escritor do mundo, ou dominar a língua portuguesa como ninguém, no entanto, se a sua carta de motivação conter erros ortográficos e gramaticais, garantimos-lhe que o recrutador irá ficar com uma ideia completamente diferente relativamente a si e às suas capacidades. Use e abuse do corretor ortográfico!

Outro aspeto importante é a linguagem. Recomendamos que mesmo em empresas que promovem um ambiente de trabalho “descontraído” seja mantido o mínimo de formalidade, sobretudo numa fase inicial. Lembre-se, é melhor errar por excesso de formalismo do que por defeito. Além disso, deve ser simples, objetiva e direta (até mesmo porque só dispõe de uma página para escrever o que é preciso, pelo que deverá pensar a pertinência da informação que lá coloca).

Capriche na escrita e sempre que escrever não se esqueça de reler – os erros ortográficos e gramaticais dão uma péssima imagem.

5. Evite fazer citações

Numa carta de motivação deverá evitar fazer citações, até mesmo porque o documento é sobre si e não a respeito de terceiros. Em suma, o teor do texto deve ser absolutamente pessoal. Fazer citações, além de não agregar valor algum à sua carta de motivação, ainda passa a impressão de falta de originalidade. Evite também escrever na carta aquilo que já consta do seu currículo.

6. Adapte a carta de motivação à candidatura

Este é o ponto mais importante. Dizem as boas regras que os fatos devem ser feitos à medida, ora o mesmo se passa com as cartas de motivação. A carta que serve para o emprego ABC não vai servir para o emprego XPTO, portanto é importante que compreenda isso. Mesmo que isto resulte num acréscimo de trabalho – é uma chatice estar sempre a alterar a carta de motivação em função da vaga – é importante que o recrutador perceba que escreveu determinada carta especificamente para aquele emprego.

Deixamos uma sugestão: na carta de motivação, relacione as suas competências pessoais (soft skills) e profissionais com o emprego para o qual se candidata, sobretudo aquelas que possam não constar no currículo. A generalidade dos anúncios de emprego refere as competências necessárias/desejáveis.

Exemplos de uma carta de motivação

Em seguida, partilhamos algumas minutas de cartas de motivação. Trata-se apenas de uma base, nada mais que isso. Caso se limite a copiar estas minutas, estará a fazer o contrário de tudo aquilo que recomendámos ao longo deste artigo. Por outras palavras, utilize-as como uma base ou inspiração, personalize-as e torne a sua própria carta em algo único.

Carta de motivação a oferta de emprego

Exmo(a). Dr(a). [nome da pessoa],

Ao ter conhecimento da vossa oferta tomei a liberdade de escrever a presente carta de motivação para me candidatar ao cargo de gerente de relações externas em Lisboa.

Acredito ter o perfil ideal para o melhor desempenho do cargo, visto que ao longo dos últimos três anos exerci funções diversas junto de diferentes serviços externos do Ministério dos Negócios Estrangeiros, nomeadamente na Missão diplomática de Portugal no Reino Unido, Embaixada de Portugal em Madrid e, mais recentemente, na delegação da Agência para o Investimento e Comércio Externo (AICEP) em Paris.

Após cuidada análise das tarefas a desempenhar, posso referir que detenho experiência (internacional) em todas os funções cobertas pelo anúncio, nomeadamente na assessoria a membros de direção, relações com parceiros externos de cariz político e comercial, organização de visitas institucionais e eventos económicos e representação institucional.

A principal razão pela qual me candidato è a possibilidade de integrar, desde início, uma empresa de referência.

Poderei, caso necessário, providenciar referências de atuais e antigos superiores hierárquicos bem como de colegas com os quais trabalhei ao longo dos últimos três anos.

Sem outro assunto de momento, subscrevo-me com os melhores cumprimentos.

[nome]
[assinatura]

Carta de motivação a vaga de emprego

Ex.mo/a. [nome do responsável],

Após ter tomado conhecimento da vossa vaga de emprego, venho por este meio apresentar a minha candidatura à mesma.

Sou uma jovem licenciada em Estudos Europeus pela Universidade de Coimbra. Esta área de estudos é muito ambivalente, proporcionando-me uma formação multidisciplinar desde áreas como as relações internacionais e ciência política até áreas de comunicação e literatura.

Após completar a minha licenciatura, integrei o mestrado de Relações Internacionais na Universidade de Coimbra, onde me encontro a acabar a dissertação. Realizei um estágio curricular no Consulado de Portugal em Londres, onde revelei dedicação, empenho, iniciativa, espírito de equipa e onde tive de trabalhar sob níveis de pressão muito altos. Todas estes atributos levaram a que me fosse oferecido um contrato de trabalho com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, a executar funções no Consulado onde estagiei.

Sou uma profissional empenhada, que se esforça diariamente em prol dos objetivos da minha entidade profissional. Tenho vontade de aprender e esforço-me diariamente para realizar com sucesso todos os objetivos que me forem propostos.

Subscrevo-me com os melhores cumprimentos,

[nome]
[assinatura]

Carta de motivação para mestrado

Caro(a) Dr(a). (nome da pessoa),

O meu nome é Francisco Santos e estou a escrever esta carta de motivação para expressar o meu desejo de integrar o Mestrado em Gestão na Universidade do Porto.


Completei a Licenciatura em Economia nesta mesma universidade, em apenas três anos, acabando com uma média de 15 valores. Por ter gostado tanto da minha experiência a estudar nos anos anteriores, sei que este é o local certo para prosseguir os estudos.

Sou uma pessoa muito ativa e que gosta de abraçar novas oportunidades. Já realizei estágios na empresa X e X, que contribuíram em grande parte para o conjunto de conhecimentos que possuo hoje em dia. Acredito que os conteúdos teóricos aprendidos nesta Universidade, bem como a experiência profissional que adquiri nos estágios fazem de mim um bom candidato para ingressar neste mestrado.

Melhores cumprimentos,

Francisco Santos

Carta de motivação para estágio

Exmo(a). Dr(a). (nome da pessoa),

O meu nome é Catarina Gomes e terminei recentemente a Licenciatura em Ciências da Comunicação na Universidade do Porto. Ainda antes de concluir os meus estudos, sabia que o próximo passo a dar seria realizar um estágio na minha área, para finalmente passar da teoria à prática.


Tenho plena confiança em mim e nas capacidades que a minha licenciatura me ofereceu. Além disso, sei que esta é a área na qual estou destinada a trabalhar, daí querer tanto começar a estagiar, de modo a perceber realmente como tudo se desenrola no mercado de trabalho.

Tenho a certeza de que esta seria uma experiência muito enriquecedora para mim, tanto a nível pessoal como profissional, e certamente conseguirei também ajudar a empresa a alcançar novos resultados.

Cumprimentos,

Catarina Gomes

Carta de motivação para bolsa de estudo

Caro(a) Eng. (nome da pessoa),

O meu nome é Rui Lopes e venho por este meio apelar a uma bolsa de estudo para este ano letivo que se aproxima.

Após ingressar na faculdade que sempre quis, deparo-me agora com a possibilidade de adquirir uma bolsa de estudo capaz de cobrir todas, ou grande parte, das minhas despesas como estudante.

Sou uma pessoa extremamente empenhada e trabalhadora, daí ter obtido uma média tão elevada, 18.4, para ingressar nesta faculdade. Sou muito determinado e focado, e tenho a certeza de que este é o caminho certo para mim. Contudo, as despesas são elevadas e receio não conseguir usufruir da minha experiência por completo por falta de recursos financeiros, o que seria avassalador já que me esforcei tanto para aqui chegar.

Peço que considerem atenciosamente a minha candidatura.

Obrigado pela atenção,

[nome]
[assinatura]

Carta de motivação para doutoramento

Ex.mo(a) Professor(a) (nome do responsável),

O meu nome é Carlos Ribeiro e venho por este meio apresentar a minha vontade em realizar um doutoramento sobre os Media e a Decisão Judicial. O meu objetivo passa por seguir uma carreira no campo da educação, mais especificamente, pretendo ser professor universitário na área do Jornalismo e Meios de Comunicação.

Após realizar a licenciatura em Ciências da Informação pela Universidade de Coimbra, e o mestrado em Media and Cultural Studies na Universidade de Lincoln, no Reino Unido, pretendo agora aprofundar ainda mais os meus conhecimentos e demonstrar o que tenho para oferecer como professor.

Muito agradeço a atenção dispensada ao presente assunto.

Melhores cumprimentos,

Carlos Ribeiro

Como devo enviar a carta de motivação?

Há muitas formas de enviar a carta de motivação. Atualmente, a mais comum delas é por email, que deverá ser enviada juntamente com o seu currículo (também em PDF). É também cada vez mais frequente a candidatura ao emprego/mestrado ocorrer através do preenchimento de um formulário no site da empresa/universidade. Caso não seja solicitada carta de motivação, mas exista um campo onde lhe é questionado qual o motivo da sua candidatura, deverá entender este como a carta de motivação.

Referir ainda que embora possa sempre utilizar os modelos que disponibilizamos neste artigo, terá mais probabilidades de sucesso se personalizar a sua carta de motivação. Não se esqueça que a sua carta de motivação será lida por pessoas e que, portanto, o seu conteúdo não deve soar a algo genéricos e despersonalizado. Caso assim o seja não estará a despertar a atenção e curiosidade do avaliador.

A título de conclusão, referir uma boa carta de motivação é uma excelente oportunidade de se apresentar para uma instituição mesmo antes de participar em qualquer processo seletivo, como são as entrevistas de emprego.

Boa sorte!

A redação do trabalhador.pt

Adicionar comentário