Gravidez na adolescência: ser mãe antes do tempo

A gravidez na adolescência tem sido considerada por muitos países como um problema de saúde pública. Por se tratar de um fenómeno que concilia dois períodos importantes do ciclo vital humano: a adolescência e a gestação, a gravidez na adolescência deve ser discutida com muito cuidado e atenção, pois pode acarretar sérios prejuízos para a mãe e para o bebê.

Problemas da gravidez na adolescência

A Organização Mundial da Saúde define a adolescência como o período entre 10 e 19 anos de idade. Durante este período o corpo da adolescente passa por um processo de transformação e é, também neste momento, que ocorre a menarca, a primeira menstruação da mulher.

Após a primeira menstruação o útero já está pronto para a gravidez, no entanto, após a menarca o corpo da mulher ainda demora um de tempo até atingir a maturação sexual completa, assim como a amadurecimento psicológica, que também está em desenvolvimento. É por isso que ocorrendo uma gravidez na adolescência os riscos de complicações durante e após a gestação, inclusive para o bebê, aumentam significativamente, quando comparados a uma gravidez em idade adulta.

Consequências da gravidez na adolescência

A gravidez na adolescência pode trazer consequências negativas para a mãe e o bebê, além de expor ambos a grandes riscos físicos, psicológicos, sociais e econômicos. Conheça alguns deles:

Consequências físicas

Os riscos físicos da gravidez na adolescência correspondem ao facto de a adolescente ainda não ter atingido a completa maturação biológica do corpo. Alguns dos riscos físicos da gravidez na adolescência são a maior probabilidade de parto prematuro, o baixo peso do bebê ao nascer, o rompimento precoce da bolsa e o aborto espontâneo. Além disso, é possível que ocorra um aumento da pressão arterial da mãe, uma condição grave que recebe o nome de pré-eclâmpsia.

Consequências psicológicas

A adolescência é o período de transição para a vida adulta e de construção da identidade, o que por si só já é um factor de risco para o desenvolvimento de alterações psicológicas. A ocorrência de uma gravidez na adolescência pode intensificar as alterações emocionais, uma vez que a adolescente não está emocionalmente preparada para este evento. As consequências podem ser desenvolvimento de stress, ansiedade e depressão, durante a gestação e no pós-parto, e a diminuição da auto-estima.

Consequências socioeconômicas

Na maioria das vezes a gravidez na adolescência faz com que a jovem interrompa os estudos, comprometendo posteriormente seu ingresso no mercado de trabalho ou em níveis académicos superiores. Além disso, em algumas situações, há uma forte pressão por parte da sociedade para que a adolescente se case. Infelizmente, é também comum alguns juízos de valor da própria sociedade pelo facto de engravidado precocemente.

Consequências para o bebê

A gravidez na adolescência pode acarretar prejuízos para o bebê, desde sua vida intrauterina até após o nascimento. Há riscos de malformações fetais, nascimento prematuro e baixo peso, atrasos no desenvolvimento e dificuldades na criação do vínculo mãe-bebê.

Fatores de risco para gravidez na adolescência

Muitos são os fatores de risco para a ocorrência de uma gravidez na adolescência, dentre deles podemos destacar:

  • Falta de informações sobre gravidez e métodos contraceptivos;
  • Baixo nível financeiro e social;
  • Histórico familiar de gravidez na adolescência;
  • Conflitos no ambiente familiar.

O que fazer na gravidez na adolescência?

É importante que ao descobrir a gravidez a adolescente procure imediatamente um médico para iniciar o pré-natal, pois toda a gravidez na adolescência é considerada de alto risco.

O acompanhamento pré-natal da gravidez na adolescência deve ser feito por uma equipa multidisciplinar: médicos, psicólogos, enfermeiros, nutricionistas, assistentes sociais. O acompanhamento multidisciplinar da gravidez na adolescência reduz a possibilidade de ocorrerem danos para a mãe e para o bebê, além de a ajudar no âmbito do planeamento familiar e estimular um projeto de vida onde ela possa conciliar a maternidade e a conclusão dos estudos e/ou a sua carreira profissional.

Prevenção da gravidez na adolescência

A principal ferramenta para prevenção da gravidez na adolescência é a educação. Proporcionar aos jovens o acesso à educação sexual e à saúde reprodutiva é fundamental para que estes saibam vivenciar a descoberta da sua sexualidade de forma maneira segura e saudável. O diálogo franco com os adolescente, no seio da família e da própria escola, juntamente com informações sobre métodos contraceptivos pode evitar não só a gravidez na adolescência como comportamentos considerados de risco.

A redação do trabalhador.pt