Hidroterapia: conheça as vantagens da “fisioterapia aquática”

O termo hidroterapia tem origem na língua grega, “hydor” significa água e “terapia” significa cura. Esta técnica, também conhecida como fisioterapia aquática, consiste em utilizar a água, bem como os seus recursos, para tratar diversas doenças. Os exercícios são realizados dentro de uma piscina com água aquecida, por volta dos 32 e 34º, como forma de acelerar a recuperação de atletas lesionados ou pacientes com dores musculares, por exemplo.

A hidroterapia pode ser realizada em grupo ou individualmente, sendo indicada para pessoas de todas as idades. Normalmente, a hidroterapia consegue ajudar em problemas como lesões musculares, dor ciática e artrites. Além disso, a água como recurso terapêutico pode ser usada de diversas formas para proporcionar um tratamento eficaz, como por exemplo através de saunas, crioterapia ou talassoterapia.

Como funciona a hidroterapia?

A água atua de diversas formas no corpo do paciente, permitindo, entre outras coisas, a redução do peso corporal e uma maior capacidade de movimento, fazendo com que o fisioterapeuta consiga ajudar a pessoa a trabalhar com grandes grupos musculares com direções e amplitudes distintas.

O grande objetivo da hidroterapia consiste em explorar as diversas propriedades da água para transformá-las em benefícios terapêuticos para os pacientes. As propriedades mais conhecidas e que melhor contribuem para o tratamento eficaz de vários problemas corporais são:

  • Densidade relativa: capaz de determinar a flutuação de um corpo ou objeto na água. O princípio é simples: a densidade da água corresponde a 1 e tudo o que for inferior a 1, acaba por flutuar. O corpo humano possui uma densidade relativa de 0,93, ou seja, consegue flutuar, uma capacidade que pode ser usada para ajudar em problemas de articulações e para treinar a resistência.
  • Força de propulsão: trata-se da força que atua em sentido contrário à gravidade (de baixo para cima). Este efeito pode ser usado para ajudar no fortalecimento muscular e na circulação periférica.
  • Pressão hidrostática: é a pressão que a água realiza sobre as pessoas nela imersas. Permite a redução de edemas e aumenta o débito cardíaco.
  • Viscosidade: trata-se da força de atrito entre as moléculas da água. Os movimentos rápidos realizados dentro de água aumentam tal atrito, o que pode ser útil para o fortalecimento muscular.

Para quem é indicada a hidroterapia?

A hidroterapia é normalmente indicada para pessoas de todas as idades, que sofrem de problemas, como os seguintes:

  • Hérnia discal;
  • Contraturas;
  • Traumatismo craniocefálico;
  • Doença de Parkinson;
  • Lesão medular;
  • Cardiopatias;
  • Dores crónicas.

No entanto, é importante notar que o tratamento destes problemas através da hidroterapia deve ser levado a cabo por um fisioterapeuta, que tenha em conta o caso clínico de cada paciente, e que consiga através de tal informação recomendar os melhores exercícios a realizar.

Quais os benefícios da hidroterapia?

O aumento da força muscular e a melhoria na circulação são duas das vantagens da hidroterapia

A hidroterapia é capaz de oferecer inúmeros benefícios, entre os quais:

1. Relaxamento

Os exercícios realizados em água aquecida permitem relaxar as fibras musculares, o que acaba por reduzir a tensão muscular, e estimular o relaxamento no corpo dos pacientes.

2. Aumento da força muscular

A água permite uma maior resistência em comparação ao ar, ou seja, dentro de uma piscina aquecida, as articulações de cada um ficam mais libertas, o que proporciona uma melhor variedade de movimentos. Além disso, o paciente consegue manter uma velocidade constante, ou seja, há uma maior eficácia da contração muscular.

3. Melhoria da circulação

Assim que o paciente entra na piscina aquecida, a sua pele começa a absorver o calor. Este aquecimento corporal origina o efeito de vasodilatação, que consiste no aumento do sangue circulante nas periferias corporais, o que permite ajudar com problemas de cicatrização.

4. Maior liberdade de movimento

Quando imerso em água, o paciente sente-se inevitavelmente mais liberto e seguro, não tendo tanto receio de realizar vários tipos de movimentos, pois o risco de queda é bastante reduzido. Assim, a hidroterapia consegue proporcionar algo que a fisioterapia em solo não consegue – reduzir os receios dos pacientes e motivá-los a libertarem-se cada vez mais.

Assim, todos estes benefícios mencionados oferecem vantagens significativas para o paciente como diminuição de dor, melhoria da mecânica respiratória, fortalecimento da musculatura, melhoria do sistema cardiorrespiratório, diminuição da pressão sanguínea, sensação de bem-estar físico e psicológico, melhoria do equilíbrio e coordenação motora, entre outros.

Quais as contraindicações da hidroterapia?

Apesar dos seus benefícios da hidroterapia, esta terapia não é indicada para todas as pessoas. Assim, certifique-se de que consulta um médico e realiza uma avaliação antes de começar este tratamento, de forma a perceber se esta terapia seria uma boa solução para o seu problema.

As contraindicações da hidroterapia aplicam-se a casos de:

  • Lesões ou problemas dermatológicos;
  • Cardiopatias graves;
  • Incontinência urinária ou fecal;
  • Febre elevada;
  • Hipo e hipertensão descontroladas;
  • Perfuração do tímpano;
  • Atividade convulsiva não controlada;
  • Doenças sistémicas;
  • Etc.

Qual a diferença entre hidroterapia e hidroginástica?

Tanto a hidroterapia, como a hidroginástica, são realizadas dentro de água e ambas oferecem inúmeros benefícios à saúde, mas então o que distingue estas duas modalidades?

Bem, em primeiro lugar, os objetivos da hidroterapia são unicamente terapêuticos, ou seja, esta técnica é utilizada para tratar diferentes doenças. Por outro lado, a hidroginástica pode ser vista como uma simples atividade desportiva, que embora ofereça benefícios à saúde, não prioriza os fins terapêuticos.

Além disso, a hidroterapia é sempre realizada por um profissional de saúde, os fisioterapeutas, enquanto a hidroginástica pode ser levada a cabo por um profissional da área do desporto, que não precisa de possuir qualquer licença médica.

Outra diferença consiste no posicionamento do professor/terapeuta. Na hidroterapia, o fisioterapeuta está sempre dentro de água para acompanhar de perto os seus pacientes, enquanto na hidroginástica, o professor está normalmente fora de água, longe dos alunos, a coordenar os movimentos.

A hidroterapia é assim uma técnica muito eficaz e cada vez mais popular entre atletas, gestantes, e pessoas mais idosas que pretendem melhorar a sua qualidade de vida. Não se esqueça, antes de iniciar esta terapia, consulte um médico que consiga averiguar se esta seria uma boa solução para os seus problemas.

Catarina Fonseca

Desde cedo uma curiosa nata, decidiu seguir Ciências da Comunicação para desenvolver a sua paixão pelo jornalismo e pela escrita. Agora formada, gosta de se aventurar pelo mundo, conhecer novas pessoas e culturas, e leva sempre um caderno e câmara fotográfica às costas para eternizar as suas experiências.