Incontinência urinária: quais as causas e como tratar?

incontinência urinária trata-se de uma condição caracterizada pela perda de urina de forma involuntária. Ou seja, no decorrer do dia, em alguns momentos, a urina “escapa”, mesmo que em pequenas quantidades, sem que a pessoa tenha controlo.

A situação costuma causar muitos constrangimentos, o que pode prejudicar a vida social e até mesmo as relações pessoais e profissionais, tendo impactos diretamente na autoestima e na qualidade de vida das pessoas. Por isso é importante saber como identificar e tratar a incontinência urinária da forma correta.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a incontinência urinária afeta cerca de 5% da população mundial. É um problema que pode acontecer tanto com homens como em mulheres, independentemente da idade – não obstante, ser mais comum nas mulheres e nos idosos.

Neste artigo falaremos um pouco mais sobre a incontinência urinária, nomeadamente sobre os seus diferentes tipos, as suas causas e as possibilidades de tratamento.

Quais os tipos de incontinência urinária?

O problema não acontece da mesma forma em todas as pessoas. Existem diferentes tipos de incontinência urinária, que variam dependendo da causa que está na origem da condição. Os principais tipos são:

  1. Incontinência urinária de esforço – Acontece quando a musculatura da região pélvica está enfraquecida. Assim, não consegue segurar a urina e esta acaba por “escapar” quando o corpo faz algum movimento como tossir, espirrar, pegar em algo pesado, rir muito, entre outras situações que pressionam o abdómen e a bexiga.
  2. Incontinência urinária de urgência – Acontece quando a vontade de urinar é intensa e urgente, sem que seja possível esperar até chegar à casa de banho. Esta vontade vem subitamente, sem nenhum sinal prévio, e a urina acaba por sair. Não há uma causa certa, podendo ser desencadeada por problemas nos nervos que controlam a bexiga.
  3. Incontinência urinária por transbordamento – Como o próprio nome indica, acontece quando a bexiga fica muito cheia, por estar longos períodos sem urinar. Ou quando, por alguma razão, não se esvazia por completo mesmo ao urinar, acabando por “escapar” algumas gotas de urina. Pode ser causada por problemas nos músculos da bexiga e é um tipo de incontinência urinária mais comum nos homens.
  4. Incontinência urinária mista – É quando a incontinência urinária acontece devido a mais do que um fator. Pode ser uma condição de urgência ou uma situação de esforço.
  5. Incontinência urinária funcional – Não é exatamente um problema na bexiga ou nos músculos que ativamos ao urinar. Mas sim alguma condição que diminui a mobilidade, impossibilitando-o de chegar à casa de banho que chegue à casa de banho ou de chegar a tempo, o que faz com que a urina escape.

Independente do tipo de incontinência urinaria, ao detetar que não consegue controlar a urina (nomeadamente pequenas “fugas” de urina) é importante procurar um médico especialista para identificar as causas e, a partir disso, encontrar o tratamento mais adequado.

Embora isso possa parecer algo óbvio, a verdade é que, em virtude de ser uma condição da qual muita gente sente vergonha, é comum não dar a importância devida, fazendo com que o problema se agrave.

Quais as causas da incontinência urinária?

É o sistema nervoso que controla a eliminação da urina, retendo-a na bexiga e enviando sinais que fazem com que qualquer pessoa sinta vontade de urinar, com tempo suficiente para que cheguem à cas ade banho.

No entanto, algumas situações podem comprometer o funcionamento do sistema nervoso ou mesmo da própria bexiga, o que leva ao surgimento da incontinência urinária, nomeadamente:

  • Stress emocional;
  • Prisão de ventre;
  • Gravidez e parto, principalmente o parto normal;
  • Obesidade;
  • Problemas na musculatura da região do pavimento pélvico;
  • Doenças que deixam a bexiga comprimida;
  • Problemas pulmonares que causam pressão no abdómen;
  • Infeções urinárias;
  • Uso de remédios diuréticos;
  • Uso de medicamentos para doenças cardíacas ou pressão arterial;
  • Consumo de alimentos ricos em açúcar.

Existem também alguns fatores de risco que tornam as pessoas mais predispostas a desenvolverem a incontinência urinária. Os principais são o avanço da idade (que deixa a musculatura mais enfraquecida), a obesidade (que aumenta a pressão sobre a bexiga), e as doenças neurológicas ou o diabetes.

Apenas uma avaliação médica (urologistas, ginecologistas ou geriatras), bem como a realização de alguns exames, poderá determinar com precisão qual a causa da incontinência urinária.

Como tratar a incontinência urinária?

O melhor tratamento para incontinência urinária vai depender da(s) causa(s) e do tipo. Regra geral, as primeiras tentativas de tratamento passam por terapêuticas mais leves e simples. Apenas não havendo melhorias, são indicadas opções mais complexas.

Em alguns casos os médicos realizam um “treino da bexiga”, nomeadamente através …. procurando uma forma de ao urinar deixar a bexiga totalmente vazia ou programando os horários das idas ao banheiro.

Alterações à dieta alimentar podem também ser importantes no tratamento da incontinência urinaria. Por exemplo, uma maior ingestão de líquidos e de fibras é algo altamente recomendável. À dieta estão associados outros hábitos saudáveis, como a pratica de exercício físico para controlo do peso corporal.

Podem ser indicados, também, exercícios específicos para fortalecimento dos músculos do pavimento pélvico, feitos, regra geral, com acompanhamento de um fisioterapeuta.

Em situações mais graves o tratamento costuma ser feito com inserção de elétrodos na vagina ou no reto, para estimular e fortalecer a região, ou pela inserção de um dispositivo que atua como um “tampão”.

Alguns medicamentos podem também ser usados para tratar incontinência urinária, geralmente em complemento a algum outro tratamento não medicamentoso.

Se nada funcionar, a solução pode mesmo ser a cirurgia. Há diferentes opções de procedimentos que podem ajudar a interromper este problema.

O objetivo é sempre melhorar a qualidade de vida e devolver a autoconfiança para que a pessoa possa voltar a ter contatos sociais e profissionais sem constrangimentos.

Como prevenir a incontinência urinaria?

Por fim, importa referir que existem também algumas comportamentos que podem ajudar a evitar a incontinência urinária, nomeadamente:

  • Não esperar ficar com demasiada vontade de urinar para ir à casa de banho;
  • Regular o tempo entre uma micção e outra (entre as idas à casa de banho);
  • Praticar atividades físicas;
  • Evitar ingerir líquidos à noite;
  • Evitar bebidas alcoólicas e as que contenham cafeína;
  • Ter uma alimentação equilibrada e rica em fibras;
  • Não fumar;
  • Manter o peso corporal dentro dos limites tidos como “ideais”;
  • Realizar consultas médicas de rotina.

Esperamos que com estas informações consiga cuidar melhor da saúde. Como já referimos é importante que perante os primeiros sinais, não deixe de procurar ajuda para lidar com a incontinência urinária.

A redação do trabalhador.pt