Procrastinar: dicas para tirar o melhor partido do seu tempo

São 19h00 de uma sexta-feira e reparou agora que só lhe resta uma hora para entregar um trabalho que anda a evitar há mais de uma semana? Parece que as horas que gastou a navegar pelas redes sociais, a ver séries na Netflix ou a tomar cafés “inadiáveis” com amigos estão agora a pesar…

Deixe-nos adivinhar… Está a culpar-se e a questionar porque é que continua a deixar tudo para a última? Sempre a correr contra o tempo e com o sentimento de que teria feito um melhor trabalho se se tivesse organizado melhor. Bem, nem tudo são más notícias. Neste artigo deixamos-lhe algumas dicas na expetativa que o possam ajudar a ultrapassar um hábito que nos afeta a todos: a procrastinação.

Porque é que procrastinamos?

A resposta é simples, procrastinamos porque estamos mais focados em sentirmo-nos felizes e confortáveis no presente do que no futuro. Sim, a procrastinação advém das nossas emoções, mais concretamente do sentimento de satisfação momentânea.

Afinal, as ideias de passar uma tarde na praia com os amigos ou de ver um filme descontraidamente no sofá são muito mais apelativas do que passar horas a trabalhar num trabalho pelo qual, muitas vezes, nem temos propriamente um grande interesse. Aliás, a partir do momento em que somos confrontados com uma tarefa que não gostamos, parece que o nosso cérebro procura quase automaticamente formas de distração, por muito pequenas que sejam.

Os investigadores explicam melhor. Existe um fenómeno, chamado “mood repair”, segundo o qual o ser humano tende a evitar sentimentos desconfortáveis associados ao trabalho através de atividades mais apelativas, como jogar videojogos.

Além disso, é possível apontar outra explicação científica. Vários estudos revelam que os nossos cérebros estão treinados para pensar em nós mesmos como pessoas diferentes no passado e futuro, tal como se fossemos efetivamente duas pessoas diferentes. É por isso que deixamos que o nosso “eu” do presente, aquele com o qual mais nos relacionamos, desfrute de pequenos momentos de lazer, deixando as tarefas chatas para um “eu” ainda distante.

Resumidamente, procuramos felicidade momentânea sem pensar nas consequências no futuro.

Dicas para ultrapassar o hábito da procrastinação

1. Reconheça que está a procrastinar

Imagine este cenário: planeou começar a estudar para um exame às 10h00. Digamos que acorda às 09h30 (o primeiro passo era não adormecer e conseguiu!) para ter algum tempo para tomar o pequeno almoço. Olha para o relógio e vê que ainda faltam 2 minutos para as 10h00, e o que é que pensa de imediato? “Bem, ainda tenho tempo para ver o que as pessoas andaram a publicar no Instagram desde ontem à noite…” E com isto, decide pegar no telemóvel, até que dá por si e já são 10h13. Sim, passou os últimos 15 minutos a olhar para o telemóvel.

Vamos recuar um pouco até ao momento em que lhe ocorreu o pensamento de pegar no telemóvel. O que é que mudaria? Exatamente… não pegava no telemóvel e aproveitava esses 2 minutos para ir abrindo os livros e ligando o computador. Queremos com isto dizer que é preciso ter responsabilidade e reconhecer possíveis fontes de distração para que se possa afastar das mesmas.

2. Imagine o que poderá fazer depois

Algo que costuma ajudar é focar-se na sensação que irá sentir após concluir as tarefas que tem para fazer. Por exemplo, certamente irá sentir-se mais descontraído assim que já não tiver prazos a cumprir ou poderá finalmente combinar um tão desejado café com um amigo ou ir ao cinema ver um filme pelo qual aguarda há meses. As pequenas coisas fazem a diferença. Concentre-se em algo que queira fazer e que só poderá acontecer assim que acabar as suas tarefas. Ao imaginar-se a viver os momentos que antecipa, irá sentir-se muito mais motivado para acabar com a procrastinação. 

3. Não pense, dê apenas o primeiro passo

Quanto mais pensar no quão aborrecido será concluir um determinado trabalho ou das horas que vai gastar e que poderia aproveitar para fazer algo que lhe interessa mais, menos vontade vai ter para dar o pontapé de saída – vai acabar por procrastinar. Em vez de imaginar diferentes cenários negativos, apenas dê o primeiro passo. Por exemplo, se tiver de fazer um relatório para a faculdade, ligue o computador ou abra o caderno e comece por escrever coisas simples, como a data ou o título do documento. A parte difícil é ter a força de vontade necessária para dar o primeiro passo. Assim que começar, verá que tudo se torna mais fácil e flui naturalmente.

4. Evite todas as fontes de distração

Para evitar procrastinar deve desligar ou silenciar o telemóvel e as notificações. Aprenda a ter a autodisciplina necessária para controlar os impulsos que levam à procura de fontes de distração. Quando estiver cansado e pretender fazer uma pausa, pode optar por ir dar uma volta de 10 ou 15 minutos e comer alguma coisa. Recomendamos que recorra ao telemóvel apenas quando tiver a certeza de que possui a disciplina necessária para saber quando parar e voltar ao trabalho.

5. Organize o seu tempo eficientemente

Recomendamos que opte por períodos de estudo/trabalho intenso, intercalados por pequenas pausas para descanso. Os tempos de trabalho/descanso variam de pessoa para pessoa. Por exemplo, se achar que consegue trabalhar 2 horas seguidas sem distrações e manter o mesmo nível de produtividade do início ao fim, então faça isso mesmo e intercale esse tempo com algumas pausas de 10/15 minutos. Se conseguir manter esta rotina ao longo do dia, verá que os resultados começam a surgir com naturalidade.

6. Encontre formas divertidas para se motivar

Já pensou em colocar músicas energéticas e positivas antes de começar dada tarefa? Por vezes, precisamos apenas de um pequeno estímulo para que o nosso cérebro acorde. Nada melhor do que obter motivação através da música motivadora.

Outra forma divertida de se certificar de que não procrastina é fazendo uma aposta. Por exemplo, fale com um amigo e marque um dia e hora para entregar dado trabalho. Se chegar esse momento e não tiver realizado a tarefa, terá de pagar 10 euros ao seu amigo. Pode parecer um pouco radical, mas resulta! Estes pequenos atos motivam-nos, pois afinal nunca queremos dar parte fraca.

O hábito de procrastinar está presente na vida de muita gente e, por vezes, pode parecer difícil colocar um ponto final neste círculo vicioso, mas a verdade é que é possível. O segredo é ter força de vontade, e ir dando pequenos passos pouco a pouco. Aliás, se está a ler este artigo é porque já reconheceu que tem um problema e tomou a iniciativa de procurar resoluções para o mesmo, o que é um ótimo sinal! A partir daqui, precisa apenas de implementar as pequenas dicas que partilhámos e certamente verá que este hábito é perfeitamente possível de combater. Boa sorte!

Catarina Fonseca

Desde cedo uma curiosa nata, decidiu seguir Ciências da Comunicação para desenvolver a sua paixão pelo jornalismo e pela escrita. Agora formada, gosta de se aventurar pelo mundo, conhecer novas pessoas e culturas, e leva sempre um caderno e câmara fotográfica às costas para eternizar as suas experiências.

Adicionar comentário