Branqueamento dentário: tudo o que precisa de saber!

Ter um sorriso “perfeito”, com dentes mais brancos, é o sonho de muitas pessoas. Isto acontece porque, com o tempo, os dentes que antes eram claros vão ficando amarelados.

A causa desta alteração está nos pigmentos externos, como os alimentos e bebidas que consumimos ao longo da vida e que possuem grandes quantidades de corantes, sejam eles naturais ou artificiais. Trata-se de um processo absolutamente natural, mas que incomoda os mais apegados às questões estéticas.

Resolver este pequeno desconforto é algo relativamente simples, através de solução uma técnica bastante popular, conhecida como branqueamento dentário. Graças a este, é possível reconquistar o sorriso que pretende e também a autoestima.

Quer saber mais sobre o branqueamento dentário? Então este artigo é para si. Entre outros, abordamos os seus diferentes tipos, valores e contraindicações.

O que é o branqueamento dentário?

O branqueamento dentário consiste num procedimento de microlimpeza da estrutura dos dentes, que vão ficando naturalmente amarelados em consequência da ação dos pigmentos externos.

A ação dos radicais livres, entre eles o oxigénio, provoca a oxidação dos pigmentos orgânicos, atuando na oxidação das proteínas e aminoácidos. Além disso, conseguem clarear a estrutura mineral dos dentes.

Um branqueamento é ainda um tratamento dispendioso, podendo atingir valores entre os 150€ e os 300€ nas clínicas de medicina dentária. Referir também que, regra geral, os branqueamentos dentários não são comparticipados pelos seguros de saúde, visto serem classificados como procedimentos estéticos.

Quanto tempo demora o procedimento?

O tempo do procedimento dependerá, sobretudo, da técnica que será utilizada pelo médico dentista. Quando realizada por um profissional experiente, pode levar até 50 minutos, sendo necessárias duas a três sessões que se repetem semanalmente.

Com o uso da moldeira (molde), uma técnica caseira de branqueamento dentário, por exemplo, a aplicação precisa ser feita de uma a duas horas por dia pelo próprio paciente, num período médio de 30 dias.

O que é a luz azul do branqueamento dentário?

A luz azul nada mais é do que o laser, utilizado para acelerar a reação química dos produtos. Não obstante, esta técnica vem sendo gradualmente substituída por outras mais eficazes e menos agressivas, note-se que o laser gera mais sensibilidade nas gengivas.

Qual o melhor tipo de branqueamento dentário?

Poderá optar pelo branqueamento dentário caseiro ou pelo branqueamento dentário realizado por um médico dentista:

  • Em casa, geralmente utiliza-se um gel de concentração mais fraco, que é colocado em uma moldeira (molde) de acetato produzida por um dentista.
  • No consultório, o dentista poderá utilizar produtos específicos, que apenas poderão ser aplicados por si, como peróxidos mais fortes e laser. Os efeitos são imediatos.

Posso fazer um branqueamento em casa?

Sim, desde que devidamente orientado por um dentista, que será o responsável por indicar o gel e fabricar a moldeira (molde) que deverá ser utilizada em casa. Caso contrário, não recomendamos que realize um procedimento caseiro, dados os potenciais riscos deste procedimento, nomeadamente hipersensibilidade, que poderá provocar efeitos adversos.

O que não comer depois do branqueamento ?

Consumir alimentos produzidos com pigmentos escuros, como o café, molho shoyu e beterraba era algo habitualmente desaconselhado por especialistas. No entanto, estudos recentes mostram que não interferem no processo de repigmentação. Tratando-se, portanto, de um mito.

Não obstante, o cigarro deve ser evitado, pois realmente interfere na cor do dentes. Além disso, é recomendável o uso de uma palhinha para beber refrigerantes e outras bebidas pigmentadas com cores fortes.

Outra dica importante, é lavar bem os dentes após o consumo de alimentos como o café, o chá preto ou verde, o caril, a beterraba, o vinho ou os frutos vermelhos.

Posso fazer um branqueamento se tiver os dentes sensíveis?

O branqueamento dentário não é contraindicado para quem tem dentes sensíveis. Não obstante, é necessária uma preparação especial antes da aplicação do procedimento:

  1. Cerca de 14 dias antes do branqueamento o dentista poderá utilizar um creme dental próprio para diminuir a sensibilidade dos dentes.
  2. Já no dia do procedimento, é recomendável que se aplique nitrato de potássio durante 5 a 10 minutos antes de se iniciar o branqueamento.

As soluções caseiras podem danificar os dentes?

Regra geral, quando o procedimento caseiro é orientado por um especialista, não há riscos envolvidos para a saúde dos dentes – desde que as instruções sejam seguidas à risca.

Não obstante, existem pessoas que utilizam receitas encontradas na internet, que sugerem a aplicação de diversos produtos, entre eles bicarbonato de sódio, vinagre e pasta de morango. Além de serem abrasivos, portanto, contraindicados, agem apenas superficialmente, por serem pouco efetivos.

Quem não pode fazer um branqueamento dentário?

Menores de 16 anos de idade, as gestantes, mulheres que estão a amamentar ou ainda pessoas cujas manchas nos dentes foram causadas pelo uso de tetraciclina (antibiótico utilizado para combater infeções provocadas por microrganismos sensíveis a esta substância) não podem fazer o branqueamento dentário.

Vale lembrar que, pessoas que possuem muitos dentes restaurados poderão ficar frustradas com os resultados do branqueamento dentário, pois os agentes clareadores não atuam sobre a resina utilizada nas restaurações.

O branqueamento dentário é permanente?

Infelizmente não. Os resultados do tratamento poderão durar entre dois a cinco anos, a depender dos cuidados que terá. Entre esses cuidados, está a higiene oral, visitas regulares ao dentista, bem como o consumo de alimentos adstringentes, isto é, alimentos que atuam como “detergentes”, entre eles, a maçã, a pera, a cenoura, a couve flor, o pepino e o aipo.

Importante: o uso indiscriminado de produtos com o objetivo de branquear os dentes pode provocar danos irreversíveis. Os problemas vão desde inflamação nas gengivas e sangramento, até ulceração, necrose da polpa (morte do nervo dental) e fraturas no dente. Não tente fazer um branqueamento dentário sozinho, procure orientação de um médico dentista, pois somente este poderá avaliar o seu caso e indicar o procedimento ideal para si.

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)