Esperança média de vida: saiba mais sobre este assunto

Sabia que, regra geral, as mulheres vivem mais tempo do que os homens? Quer descobrir porquê? Neste artigo, abordamos a esperança de vida, procurando dar resposta a algumas das questões mais comuns sobre este tema, nomeadamente qual a sua evolução nos últimos anos e como a aumentar. Confira!

Em que consiste a esperança média de vida?

Trata-se do número médio de anos que a população de um determinado país pode esperar viver, desde que sejam mantidas as mesmas condições de vida no momento do nascimento.

A esperança de vida tem uma relação direta com a qualidade de vida de um determinado lugar, pois para se fazer o cálculo são observados fatores essenciais que impactam nas condições de vida da população, como a educação, a assistência social, a saúde, o saneamento básico, a segurança no trabalho, a ausência ou presença de conflitos armados e dos índices de violência.

É importante observar que, ao longo da história, a esperança média de vida variou em decorrência das condições de vida apresentadas em cada período. Por exemplo, em épocas de conflitos e guerras, bem como durante a ocorrência de pestes, a esperança de vida diminuiu; já em momentos em que se observou uma elevação dos padrões de vida das pessoas, aumentou significativamente.

Alguns fatos históricos foram fundamentais para que a esperança média de vida alcançasse melhores patamares, entre eles a Revolução Industrial iniciada no século XVIII, cuja colaboração foi decisiva para o progresso da medicina e a melhoria de infraestruturas de saneamento básico e higiene em todo o mundo. A partir de então foi possível observar uma redução expressiva das taxas de mortalidade mundiais, o que proporcionou um acentuado crescimento demográfico.

Esperança de vida nos países desenvolvidos

De acordo com a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), os países desenvolvidos ganharam, em média, 10 anos de esperança média de vida desde 1970.

Este avanço na longevidade tem uma explicação: foram oferecidos avanços em cuidados de saúde, melhores condições de vida e melhorias na educação, fatores que impactam positivamente na qualidade de vida da população.

Os países com os melhores índices de esperança média de vida são:

  1. Japão (86 anos);
  2. Andorra e Singapura (84 anos);
  3. Hong Kong, Suécia, Austrália, Islândia e Itália (83 anos);
  4. Suíça, Espanha, França e Canadá (82 anos).

Surpreendentemente, embora seja uma grande potência econômica, os Estados Unidos aparecem no fim da lista, visto que o país viu aumentar dramaticamente nos últimos anos uma série de fatores que contribuem para o avanço da taxa de mortalidade dos seus cidadãos, entre eles a obesidade, o uso indiscriminado de medicamentos, consumo de drogas, mortes violentas, homicídios e acidentes.

Esperança média de vida em Portugal

Portugal faz parte da lista de países desenvolvidos citados no tópico anterior. Segundo dados divulgados em 2020 pelo Instituto Nacional de Estatística de Portugal (INE) a esperança média de vida à nascença no nosso país foi estimada em quase 81 anos (80,93), sendo 77,95 anos para os homens e 83,51 anos para as mulheres, no período 2017-2019.

Em relação aos anos de 2016-2018, houve um aumento de aproximadamente dois meses para homens e de um mês para as mulheres. Estes dados indicam que a qualidade de vida em Portugal melhorou para todos, visto que se tem investido cada vez mais em saúde, educação e medidas sociais que melhoram a vida das pessoas.

É importante observar que a área metropolitana de Lisboa registou uma esperança de vida aos 65 anos de idade de mais 19,81 anos, a maior do país. Isto é, é expetável que as pessoas com 65 anos, que residem em Lisboa e arredores, tenham mais 19,81 anos de vida. Já as regiões autônomas da Madeira e dos Açores são as que registram menor esperança de vida aos 65 anos, sendo de 17,24 nos Açores e de 17,69 na Madeira.

O aumento da esperança média de vida em Portugal fez surgir o que chamamos de quarta idade, termo que faz referência aos indivíduos que passaram dos 80 anos.

Em Portugal, já são mais de 660 mil as pessoas que pertencem a esta faixa etária, o que corresponde a 6% da população. Nesta fase, as mulheres estão em maioria, correspondendo a 64%.

Além dos fatores já referidos, responsáveis pelo aumento da esperança de vida, é essencial salientar que o estilo de vida e a alimentação dos portugueses são elementos subjetivos que contribuem de maneira importante para a longevidade da população.

Esperança de vida nos países subdesenvolvidos

A esperança de vida nos países subdesenvolvidos (designado pela Organização das Nações Unidas de países menos desenvolvidos ou menos avançados) normalmente é reduzida, embora as taxas de crescimento populacional, de natalidade e de mortalidade sejam habitualmente mais elevadas que as dos países desenvolvidos.

Isto acontece porque nestes lugares existe um significativo atraso nos setores da saúde e educação, com políticas públicas ineficientes, incapazes de responder a toda a população, impossibilitando que a esperança de vida supere os 60 anos de idade.

Na lista de países subdesenvolvidos estão Angola, Haiti, Afeganistão, Ilhas Salomão, Níger, Serra Leoa, Mali, Nepal, entre outros, nações que têm o desafio de superar diversos fatores que os impedem de ascender, como conflitos armados, violência e uma infraestrutura inadequada.

A má posição destes países é também explicada por uma situação socioeconómica difícil para a grande parte da população, bem como por problemas de acesso a tratamentos médicos.

Infelizmente, ainda há uma grande diferença entre os países pobres e ricos, o que demonstra que pessoas de países com rendimentos elevados continuam a ter mais probabilidades de ter uma vida longa e de qualidade, do que as pessoas que vivem em países com baixos rendimentos

As mulheres vivem mais anos do que os homens?

Esta é uma tendência mundial, que se repete também em Portugal, conforme referimos anteriormente. Esta desigualdade em relação ao gênero está relacionada com alguns fatores, a saber:

  • as mulheres preocupam-se mais com a própria saúde, por isso, procuram aconselhamento médico com maior frequência do que os homens. Este comportamento possibilita que eventuais doenças sejam identificadas ainda numa fase inicial, aumentando assim as probabilidades de tratamento e cura, levando a uma menor taxa de mortalidade entre o sexo feminino;
  • as taxas de criminalidade entre os jovens do sexo masculino são mais elevadas quando comparadas com o sexo feminino. Este é um fator que aumenta as taxas de mortalidade dos homens dessa faixa etária;
  • regra geral, os homens estão mais expostos a atividades pesadas e a profissões de risco, resultando num maior número de acidentes de trabalho.

Como aumentar a esperança média de vida?

Aumentar a esperança de vida passa em grande medida por adotar um estilo de vida saudável. Partilhamos algumas dicas:

  • Abandone os maus hábitos: esqueça o álcool, o tabagismo e outros vícios que não só o prejudicam a si, como também a todos à sua volta;
  • Tenha uma alimentação saudável: uma dieta equilibrada faz toda a diferença, pois consegue suprir as nossas necessidades nutricionais, levando o nosso corpo a trabalhar de uma maneira mais funcional;
  • Inclua o exercício físico na sua rotina: a atividade física melhora o sistema cardiovascular, aumenta a massa magra, ajuda na perda de gordura corporal (eliminando as probabilidades de desenvolver obesidade) e ajudam na regular o humor;
  • Faça exames médicos regularmente: pelo menos uma vez ao ano faça uma bateria de exames médicos, visto que estes são responsáveis por garantir a prevenção e o diagnóstico precoce de diversas patologias;
  • Visite o seu médico: o acompanhamento médico regular propicia maior uma segurança em relação à sua saúde. Depois de si, o médico é o seu maior aliado na procura por qualidade de vida e longevidade. Por isso, não espere ficar doente para consultá-lo. Adote as atitudes certas no dia a dia, pois estas serão fundamentais para aumentar a sua esperança de vida.

Evolução da esperança de vida à nascença em Portugal

AnoHomensMulheres
196060,766,4
197064,070,3
197163,670,1
197265,371,5
197364,570,7
197464,871,4
197564,772,1
197665,372,6
197766,573,7
197867,073,8
197967,974,6
198067,874,8
198168,275,2
198269,076,0
198368,975,8
198469,176,1
198569,476,4
198669,976,8
198770,377,2
198870,377,3
198970,977,8
199070,677,5
199170,677,6
199270,878,0
199371,078,2
199471,578,5
199571,879,0
199671,779,0
199771,979,1
199872,279,4
199972,579,6
200072,979,9
200173,380,1
200273,680,2
200374,180,6
200474,480,9
200574,881,3
200675,281,6
200775,581,8
200875,881,9
200976,282,2
201076,582,4
201176,782,6
201276,982,8
201377,283,0
201477,483,2
201577,683,3
201677,783,4
201777,883,4
2018 78,083,5
Fonte: Instituto Nacional de Estatística / PORDATA

Esperamos que este artigo tenha sido útil!

Luana Castro Alves

Graduada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)