O que leva alguém a mudar de área profissional?

O emprego para a vida é algo quase impensável nos nossos dias. De acordo com um estudo a 662 trabalhadores norte-americanos, de vários setores de atividade, quase metade diz já ter feito uma mudança radical de área profissional. Dos que se mantém no mesmo ramo no qual iniciaram a sua vida profissional, 65% dizem pensar ou já ter pensando nessa possibilidade.

Mas afinal o que leva alguém a querer mudar de área profissional? Um mau salário? Descubra neste artigo os fatores que podem contribuir para a decisão de mudar de ramo profissional.

Porque mudam as pessoas de área profissional?

De acordo com um estudo da Indeed, as principais razões para alguém mudar de carreira são a(o):

  • Sentimento de infelicidade no trabalho (realização profissional) – 81%;
  • Maior flexibilidade laboral – 79%;
  • Salário mais competitivo – 79%;
  • Falta de motivação e/ou desafio profissional – 78%;
  • Ausência de progressão profissional – 77%.

Mudar de área profissional é algo planeado

Em média, as pessoas necessitam de 11 meses antes de efetivamente mudarem de ramo profissional. Quer isto dizer, que não se trata de uma decisão por impulso, mas sim algo devidamente pensando. Este período de reflexão, deve-se em grande medida, à necessidade de avaliar o impacto (positivo ou negativo) que esta mudança poderá ter para as suas famílias.

O dinheiro nem sempre é tudo

Curiosamente, segundo os dados do referido estudo, 58% das pessoas que ponderam mudar de área profissional estão dispostas a aceitar uma redução do seu salário, o que demonstra que, tal como em outros domínios da vida, o dinheiro não é mesmo o mais importante.

Encontrar a “felicidade profissional”

Como referido em cima, a felicidade profissional (ou melhor, a falta dela), seja com a empresa onde trabalham ou até com as funçõe sda posição que desempenham, é o principal motivo que leva alguém a decidir mudar de área profissional.

Cultura, valorização e oportunidades

A cultural empresarial, o sentirem-se valorizados e as oportunidades de aprendizagem (leia-se, formação profissional) são outros dos motivos apontados nesta busca pela felicidade no trabalho.

Relação com as chefias

Outro dado curioso do estudo é que as pessoas que estão felizes no seu trabalho dizem que isso se deve, em grande medida, à relação com as suas chefias, não necessariamente a um ótimo salário, à relação com os colegas de trabalho ou às boas condições materiais da empresa onde trabalham.

Flexibilidade no trabalho

A flexibilidade laboral, designadamente a possibilidade de trabalharem a partir de casa ou de outro local qualquer (teletrabalho), bem como a possibilidade de definirem o seu horário de trabalho é outro dos fatores que muito contribui para a felicidade no trabalho.

Se está a pensar mudar de área profissional recomendamos que pondere os prós e os contras dessa decisão. Como vimos o salário nem sempre é tudo, a autonomia no trabalho e a sua valorização pelas chefias são sempre algo a ter em conta. Boa sorte!

A redação do trabalhador.pt

Adicionar comentário