Temperatura corporal: o que é, como medir e qual a ideal?

A temperatura corporal é um conceito da biologia que diz respeito à termorregulação, isto é, à produção de calor e aos mecanismos de regulação e manutenção da temperatura interna do organismo, sendo estes essenciais para manter a estabilidade fisiológica.

Para o bom funcionamento do nosso organismo, a temperatura do corpo deve estar em equilíbrio, isto é, nem elevada, nem abaixo dos parâmetros definidos pela medicina, sob pena de riscos eminentes à saúde.

Se estes termos lhe parecem demasiado inteligíveis, então não se preocupe, pois vamos explicar detalhadamente, e numa linguagem acessível, tudo sobre este interessante tema. Mas não se esqueça que este artigo não substitui o aconselhamento médico. Boa leitura!

O que é a temperatura corporal?

Traduzindo para “bom português” o que dissemos anteriormente, temperatura corporal nada mais é do que o resultado do equilíbrio entre a capacidade do corpo em gerar e absorver calor para, em seguida, libertá-lo.

Não obstante, para que o corpo funcione de forma adequada, a temperatura corporal deve manter-se numa faixa de temperatura ideal – sobre a qual falaremos adiante.

Todavia, existem fatores que podem provocar oscilações dessa temperatura, entre os mais conhecidos, a prática de atividades físicas, o consumo de determinados líquidos e alimentos, o ciclo menstrual e até mesmo o horário do dia.

No entanto, via de regra, o corpo humano é capaz de manter a sua temperatura independente da temperatura ambiente, mesmo com subtis variações, e isso ocorre graças ao hipotálamo, estrutura cerebral que se localiza abaixo do tálamo, na região do diencéfalo, juntamente com o epitalâmio e o tálamo, que atua como um centro nervoso regulador.

Importante referir que, se as variações de temperatura forem extremas, poderá haver uma desregulação do mecanismo de controlo, o que causará uma elevação ou diminuição da temperatura corporal.

Assim, em casos de aumento da temperatura, é comum que o corpo superaqueça, o que provocará uma hipertermia. Da mesma maneira, quando a temperatura cai consideravelmente, o corpo perde calor, arrefecendo e sofrendo uma hipotermia. Ambas as situações são manifestamente prejudiciais à saúde.

Qual a temperatura corporal ideal?

De acordo com a Associação Médica Americana, a temperatura corporal de um humano pode variar entre 36,5°C a 37,2°C, com possível oscilação de 0,6° durante o dia. Via de regra, no início do dia o nosso corpo apresenta uma temperatura mais baixa, sendo que esta vai subindo no decorrer do dia, atingindo o pico no começo da noite.

No que respeita à temperatura corporal, é importante ficar atento às seguintes situações:

  • Nos casos em que a temperatura corporal está entre 37,3°C e 37,8°C, temos o que muitos designam por febrícula, isto é, um pequeno aumento da temperatura, contudo, sem consequências importantes para o organismo;
  • Se a temperatura for superior a 37,8°C, o corpo está a passar por um estado de febre ou hipertermia, cujos principais sintomas são calafrios, transpiração e mal-estar;
  • Quando a temperatura corporal atinge a marca de 39°, pode ocorrer confusão mental e delírios.
  • Em casos mais graves, quando a temperatura corporal está acima dos 40°, pode haver convulsões, por isso, é indispensável que socorra a pessoa acometida pela febre, procurando imediatamente suporte médico.

Como deve a temperatura corporal ser medida?

A temperatura corporal pode ser medida em várias partes do corpo, como na boca, no reto e nas axilas, sendo esta última a região mais utilizada.

A depender da região poderá haver uma variação na temperatura, por exemplo, nas axilas a média é entre 36,0° e 36,5°C, na boca a média é entre 36,0° e 37,4°e quando feita no reto, pode variar entre 36,0° e 37,5°C.

Independentemente da região escolhida, é importante referir que a medição da temperatura deve ser feita com o auxílio de um termómetro, o que garantirá a precisão do resultado.

Causas das alterações da temperatura corporal

As doenças infeciosas são as principais responsáveis pela alteração da temperatura corporal. Não obstante, existem outras intercorrências que provocam essa alteração, tais como a gripe e a constipação.

Ademais, o uso de medicamentos e substâncias, como antibióticos, narcóticos, barbitúricos, anti-histamínicos também podem causar alterações na temperatura corporal. O mesmo se poderá passar com um ataque cardíaco, acidente vascular cerebral (AVC), insolação ou queimaduras. Inclusive, casos de artrite, hipertireoidismo e alguns tipos de cancro, também podem fazer subir a temperatura corporal.

A temperatura corporal também pode diminuir bastante, abaixo de 35°, situação em que o corpo entra em estado de hipotermia. Este fenómeno acontece quando há exposição ao frio, choque, uso de álcool e drogas. Ademais, doenças como diabetes, hipotireoidismo e sepse (doença de caráter infecioso) também podem afetar a temperatura do corpo, fazendo com que esta diminua.

Diferenças entre hipertermia e hipotermia

Como referido, a temperatura do corpo pode atingir dois extremos: hipertermia ou hipotermia:

  • Hipertermia ou febre: dá-se um aumento da temperatura, o que eleva também o calor do corpo. Nessa situação, os vasos sanguíneos da pele sofrem uma dilatação, o que faz com que o fluxo sanguíneo aumente. Esse excesso de calor, quando atinge a superfície da pele, provoca a produção do suor, uma tentativa do corpo em reequilibrar a temperatura corporal.
  • Hipotermia: os vasos sanguíneos da pele contraem-se, por isso o fluxo de sangue fica bastante reduzido, sendo esta uma tentativa de conservar o calor. Nesta situação, as funções vitais do organismo ficam prejudicadas, e sintomas como pés e mãos frios, dormência nos membros, perda de destreza e pouca energia são notados. Para gerar mais calor, o corpo provoca reações como tremores e arrepios, tentativas naturais de elevar a temperatura.

Importa salientar que o corpo humano não suporta grandes variações da sua temperatura interna. Por exemplo, quando são registradas temperaturas acima de 42°, as proteínas presentes no organismo começam a ferver, levando o corpo a colapsar.

Em caso de baixa temperatura, há uma diminuição das funções metabólicas, e se porventura a temperatura interna chegar a 20°, há um risco de acontecer uma paragem cardíaca irreversível.

Ambas as ocorrências, hipertermia e hipotermia, podem ter consequências nefastas na saúde e, em casos mais graves, levar mesmo à morte se não forem devidamente tratadas por um médico. Cuide-se!

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)