Acne: o que é, tipos, sintomas, causas e tratamento

Certamente sabe o que é acne, porque já a experimentou na pele ou porque conhece alguém que sofre com este problema. Ter acne é uma condição que incomoda bastante, e pode inclusive causar alguma dor, nos casos mais graves.

Além disso, a acne pode trazer efeitos negativos para a autoestima, uma vez que costuma surgir em regiões visíveis do corpo, como por exemplo: o rosto, o pescoço, o peito, as costas e os ombros.

Neste artigo abordamos esta condição, procurando dar resposta às perguntas mais frequente sobre a acne, nomeadamente do que se trata, quais os seus sintomas, tipos, casas e tratamento. Confira!

Mas afinal o que é a acne?

Embora muitos a designem por “borbulhas na cara”, a acne consiste em espinhos e cravos que surgem na decorrência de um processo inflamatório das glândulas sebáceas e dos folícolos pilossebáceos, que ficam entupidos pelo sebo e por células mortas.

A acne costuma aparecer durante a adolescência, não obstante, é também bastante comum na fase adulta, sobretudo nas mulheres. Além de ser uma questão de saúde, devendo ser cuidadosamente tratada nos casos mais severos, é também, como dissemos anteriormente, uma questão estética.

Pessoas que sofrem deste problema de pele costumam sentir-se inseguras com a sua própria aparência, e podem apresentar timidez excessiva, depressão e outras condições psicológicas que afetam o dia a dia.

Quais os sintomas da acne?

Durante a puberdade, período em que ocorrem mudanças biológicas e fisiológicas nos seres humanos, as hormonas sexuais começam a ser produzidas. São estas hormonas as grandes responsáveis pelas alterações na pele, e consequentemente, pelo surgimento da acne.

Estas hormonas, designadas por andrógenos e estrógenos, são produzidas tanto pelos ovários, no caso das mulheres, como pelos testículos, nos homens, mas também pelas glândulas suprarrenais em ambos os sexos. Essas hormonas ativam a produção das glândulas sebáceas, que por sua vez desencadeiam mudanças no conteúdo da gordura da pele e do couro cabeludo.

Os principais sintomas da acne são:

  • Comedões (cravos);
  • Pápulas (lesões sólidas arredondadas, endurecidas e eritematosas);
  • Pústulas (lesões com pús);
  • Nódulos (lesões caracterizadas pela inflamação, que se expandem por camadas mais profundas da pele e podem levar à destruição dos tecidos, causando cicatrizes);
  • Cistos (maiores que as pústulas, inflamados, expandem-se por camadas mais profundas da pele, podem ser dolorosos e deixar cicatrizes). 

Quais os tipos de acne?

  • Acne neonatal – Como o próprio nome diz, afeta recém nascidos, que podem ou não desenvolver formas de acne leve. Isso acontece porque, antes do nascimento, as hormonas são transferidas da mãe através da placenta. O stress durante o parto também pode ser um fator determinante para o surgimento da acne neonatal. Contudo, essas lesões não costumam ser motivo de preocupação.
  • Acne infantil – Acredite: cravos e espinhas podem ser comuns em bebés entre os 3 e os 16 meses de idade. Entretanto, a acne infantil não perdura, pois desaparece quando a criança atinge os dois anos de idade. É importante ficar atento aos casos mais graves, que podem provocar cicatrizes indesejadas.
  • Acne vulgar – É chamada de vulgar por ser o tipo mais comum, afetando sobretudo adolescentes e jovens no início da idade adulta, sobretudo no período da puberdade.
  • Acne conglobata – Este tipo de acne costuma despertar maiores cuidados por ser mais grave. É também mais rara, afetando especialmente homens jovens. É de difícil tratamento, e infelizmente acaba por deixar cicatrizes.
  • Acne fulminante – Trata-se de uma forma grave da acne conglobata, sendo mais comum em adolescentes do sexo masculino. Nesta situação, as espinhas desenvolvem-se rapidamente nas costas e no peito, causando cicatrizes profundas. A acne fulminante costuma ser acompanhada de febre, dores musculares e ósseas. Quem sofre desta condição precisa de acompanhamento médico para minimizar os impactos da acne na saúde.

Quais os graus da acne?

A acne tem cinco graus, do mais leve ao mais pesado:

  • Grau 1: manifesta-se através de cravos abertos ou fechados, os famosos “pontos negros”. Nestes casos, recomenda-se a limpeza da pele, o uso de tónicos, loções adstringentes e o uso do protetor solar.
  • Grau 2: neste caso, além dos cravos (comedões), nota-se a presença de pequenas feridas, como espinhas, conhecidas como pápulas. Estas costumam ficar avermelhadas, inflamadas e apresentar pús amarelado.
  • Grau 3: Manifesta-se através de pápulas, pústulas e cravos, além de lesões maiores e císticas, de aparência endurecida.
  • Grau 4: Nestes casos, surge a acne conglobata, cujos nódulos e cistos formam abcessos e fístulas que levam à formação de cicatrizes.
  • Grau 5: Conhecido pelo surgimento da chamada acne fulminante, costuma ser um quadro raro, em que as lesões provocadas pela acne conglobata evoluem para úlceras e sintomas sistémicos (febre, dores musculares e ósseas).

Mitos sobre a acne

Por ser uma condição bastante comum, existem alguns mitos sobre as causas que podem levar ao aparecimento de acne. Conheça dois dos mais comuns:

  • Chocolate e alimentos gordurosos: Alguns estudos indicam que não são uma causa direta da acne. Não obstante, este tipo de alimentação deve ser evitada, dado não ser propriamente saudável em nenhuma fase da vida. Opter por uma alimentação equilibrada, pois isto incidirá positivamente sobre a sua saúde de um modo geral.
  • Higiene pessoal: Embora muita gente acredite que sim, a acne não é uma condição que surja pela falta de hábitos de higiene pessoal, mas sim por fatores de outra ordem, como vimos anteriormente.

Qual o tratamento para acne?

A acne não é toda igual, por esse motivo o seu tratamento varia de caso para caso. É essencial que, nos casos mais graves, consulte um médico dermatologista de forma a ser avaliado e a ser determinado qual o grau de acne de que padece.

Em seguida, indicamos os tratamentos adequados para cada grau da acne:

  • Tratamento para acne de grau 1: O dermatologista poderá indicar o uso de sabonetes, esfoliantes, cremes, limpeza de pele, peeling, abrasão suave da pele com aparelhos simples, visando a limpeza dos comedões e das espinhas inflamadas.
  • Tratamento para acne de grau 2: os sabonetes continuam a fazer parte do tratamento, entretanto, os cremes indicados pelo dermatologista devem ser mais fortes, algumas vezes compostos por antibióticos ministrados oralmente.
  • Tratamento para acne de grau 3: são utilizadas as opções terapêuticas descritas para os graus acima, bem como antibióticos. No caso das mulheres, o uso de anticontracetivos poderá ser usado no tratamento da acne, sobretudo se o seu aparecimento estiver relacionado com o ciclo menstrual. A isotretinoína também poderá ser indicada, contudo, o paciente deve ter pleno conhecimento dos seus possíveis efeitos colaterais. A isotretinoína não deve ser administrada em grávidas, em virtude poder causar deformações no feto.
  • Tratamento para acne de grau 4 e 5: Nestes estágios (os mais graves) a isotretinoína costuma ser o medicamento mais eficaz. Em algumas circunstâncias poderá haver necessidade de intervenções cirúrgicas, para que seja feito o esvaziamento das secreções.

Como prevenir a acne?

Para evitar que a acne surja ou que se agrave, poderão ser adotados alguns cuidados, como por exemplo:

  • Lavar a pele todos os dias delicadamente;
  • Tomar banho após o exercício físico;
  • Lavar o cabelo com frequência, evitando a oleosidade;
  • Evitar tocar no rosto ou encostá-lo em objetos;
  • Optar por tecidos leves e evite tecidos sintéticos;
  • Evitar produtos químicos, potencialmente nocivos para a pele.

Esperamos que o presente artigo o tenha ajudado a compreender um pouco melhor a acne, nomeadamente os seus tipos, sintomas, causas e tratamentos.

A redação do trabalhador.pt