Stress: o que é, tipos, sintomas, causas e tratamento

O stress afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Muitas vezes, usamos a palavra corriqueiramente para designar situação de tensão ou desconfortável, bem como um facto ou uma situação que nos causa incómodo, irritação ou preocupação.

A verdade é que o stress é uma reação natural física e mental do organismo perante de factos ou situações que exigem esforço psicológico. Em alguns indivíduos, os sintomas do stress são mais claros, noutros, podem ser até imperceptíveis.

Quando na medida certa, o stress é essencial para a nossa saúde, sendo importante para garantir a defesa do nosso organismo perante os desafios que se vão colocando ao longo da nossa vida.

Neste artigo, abordamos o stress, procurando explicar em que consiste, os seus principais sintomas, como o prevenir e quais os possíveis tratamentos.

Afinal, o que é o stress?

Como referimos, o stress é uma reação natural do organismo quando vivenciamos situações de alguma “pressão”, “perigo” ou “ameaça”, colocando-nos em estado de alerta. É caracterizado por uma sensação de desconforto, irritação, nervosismo, podendo ser motivado por diversas causas.

O stress está diariamente presente nas nossas vidas e é praticamente impossível conseguiremos evitá-lo por completo. De uma certa maneira, o stress pode ser benéfico para a nossa saúde, transformando situações e episódios do nosso dia a dia em algo motivacional e desafiador. Tudo dependerá da forma como encaramos e enfrentamos os problemas e dificuldades se apresentam, como veremos logo mais à frente.

Existem vários tipos de stress?

Sim. O stress pode ser classificado mediante a sua “positividade” e a sua tipologia.

Relativamente à primeira, o stress pode ser algo positivo, como por exemplo quando nos ajuda a executar uma atividade (conhecido por eustress) – por exemplo, existem pessoas que trabalham melhor sob pressão. Mas também pode ser algo negativo, quando tem consequências negativas a nível físico e/ou psicológico.

No que que concerne à tipologia, o stress pode ser classificado como:

  • Stress agudo: trata-se de uma reação a um momento específico ou a um facto causador de stress;
  • Stress agudo episódico: quando os estímulos que o causam se repetem de forma frequente;
  • Stress pós-traumático: motivado por eventos traumáticos causadores de ansiedade extrema e pânico (situações de guerra, acidentes, atos de violência, etc).

Quais as causas do stress?

Regra geral, algumas situações que vivemos no seio da nossa família, no trabalho ou na escola/universidade, podem desencadear os sintomas do stress. É a forma e ca capacidade que temos de lidar com estas como lidamos com elas que desencadeiam o stress.

Fatores internos:

Associados a características de personalidade, como:

  • Perfecionismo;
  • Imediatismo (querer tudo agora);
  • Querer resolver tudo ao mesmo tempo.

Fatores externos (exigem adaptação):

Associados a factos ou situações que ocorrem ao longo da vida, como:

  • Preparar-se para uma entrevista de emprego;
  • Casar-se ou separar-se;
  • Mudar de emprego, ser demitido ou ser promovido;
  • Começar um novo projeto pessoal ou profissional;
  • Doença ou morte de um membro da família;
  • Terminar um relacionamento;
  • Nascimento de um filho.

Quais os sintomas do stress?

É muito importante ter atenção aos sinais que o nosso corpo emite para saber quando é hora de parar e desacelerar. Em seguida, abordamos os principais sintomas do stress:

1. Irritabilidade

A irritabilidade é um dos sintomas mais comuns do stress. Consiste numa alteração no humor devido à baixa tolerância a situações incómodas. Está associada à falta de paciência, ao descontentamento e ao mau humor.

Um indivíduo stressado tende a sentir-se irritado com muita facilidade. Regra geral, a irritabilidade pode afetar os relacionamentos sociais e a vida profissional, levando o indivíduo a afastar-se das pessoas.

2. Insónias

A insónia é outro sintoma bastante comum nas pessoas stressadas. Ao tentar adormecer é expetável que uma pessoa que esteja sob o “efeito do stress” tenha sérias dificuldades. Os pensamentos e emoções tendem a desencadear sentimentos como raiva, medo, angústia, tristeza, prejudicando o seu descanso.

Além disso, as insónias causam nervosismo e irritabilidade no dia seguinte, além de prejudicar a memória e o humor.

3. Agitação e incapacidade de relaxar

Quando nos sentimos stressados, tudo parece não ter fim. As nossas tarefas, os nossos relacionamentos e o trabalho tornam-se mais difíceis e exaustivos. A pessoa sente-se incapaz de descansar e a agitação passa a fazer parte da rotina, causando sintomas físicos como, taquicardia, transpiração excessiva, tonturas e dores de cabeça.

4. Ansiedade

As pessoas que estão sob o efeito do stress tendem a sentir-se apreensivas relativamente ao futuro e ao incerto. O nosso organismo, numa tentativa de nos proteger de uma situação de perigo, por exemplo, reage, manifestando-se através de suores frios, tremores, falta de ar, dor de cabeça, sensação de vómito, entre outros.

5. Negatividade

Pensar positivo é essencial para a nossa saúde. Ver o mundo com bons olhos, com esperança de que dias melhores virão, é algo positivo para o nosso corpo e para a mente. Quem tem pensamentos negativos e a sensação constante de que tudo vai correr mal, tende a estar mais propensa ao stress e à ansiedade.

A negatividade é um sintoma comum em pessoas stressadas e tende a ser um motivo para afastá-la dos seus amigos e familiares.

6. Falta de concentração

A concentração é essencial para a realização das nossas tarefas diárias, sejam elas pessoais ou profissionais. Qualquer fator que interfira na nossa capacidade de concentração afeta a nossa capacidade de trabalho.

As pessoas que padecem de stress parecem ser mais “alheadas”, esquecendo-se de coisas com facilidade e deixando de conseguir cumprir atividades importantes do dia a dia.

7. Sensação de cansaço constante

O stress gera cansaço. Mesmo que consiga ter uma boa noite de sono, é provável que ao estar sob stress irá sentir-se cansado, desmotivado e sem energia ao acordar. O indivíduo não consegue descansar por completo e o seu dia passa a ser improdutivo, podendo apresentar mau humor e irritabilidade.

Como prevenir o stress?

Todos nós temos limites diferentes. Enquanto umas pessoas conseguem lidar com inúmeros infortúnios da vida, outras só com alguns. A “corda” estica para todos, só que para uns mais, para outros menos.

De uma certa forma, o stress é algo que precisamos para viver, é algo motivacional que nos faz ir atrás daquilo que queremos ou precisamos, com um certo grau de compensação e satisfação.

Em situações de pressão o nosso cérebro gera reações químicas que nos fazem adaptar a situações potenciais desconfortáveis. Quer isto dizer, que ao passar por uma situação stressante, o nosso cérebro percebe e responde quimicamente para que consigamos agir de forma saudável à pressão.

O problema é quando essa pressão é superior ao que conseguimos aguentar, quebrando o equilíbrio necessário. É nesse momento que o stress passa efetivamente a ser um problema, tornando-se necessário compreender as suas causas de forma a aumentar a nossa resistência perante as situações.

Algumas mudanças na nossa rotina são benéficas para reduzir o nível de stress e podermos enfrentar novos desafios:

  • Dormir bem;
  • Alimentar-se de forma saudável;
  • Praticar exercício físico regularmente;
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas, cafeína e tabaco;
  • Reservar momentos do dia para o lazer (a vida não é só trabalho!);
  • Realizar atividades lhe sejam prazerosas e proporcionem satisfação pessoal.

Qual o tratamento para o stress?

Pode parecer difícil controlar o stress, mas existem tratamentos específicos para o efeito. Reconhecer que o nível de stress se tornou excessivo é o primeiro passo para o tratamento. Embora possa parecer uma tarefa fácil, a verdade é que, regra geral, não o é.

Precisamente por não o ser – e por não lhe darmos o devido valor – é que muitas vezes as pessoas atingem estados extremos, que, entre outras, tem como consequências o burnout.

Por estes e outros motivos, recomendamos que fique atento aos sintomas do stress. Observar alterações na respiração e/ou nos batimentos cardíacos – o seu corpo pode estar a tentar “falar consigo” mesmo que não perceba

Ao confirmar os alguns dos sintomas que relatamos neste artigo, deverá procurar um psicoterapeuta. A terapia irá ajudá-lo a identificar as causas do stress e irá ajudá-lo a lidar com elas de forma a que o seu estado físico e emocional não seja afetado.

O tratamento para o stress também deverá passar por alterações à rotina de forma a que consiga ter mais qualidade de vida. Cuide-se!

A redação do trabalhador.pt