O que devo negociar para além do salário?

Ao analisar uma proposta de emprego, é comum refletir inicialmente sobre o salário oferecido pela empresa. Apesar disso, controlar as emoções e avaliar a oferta de forma racional é o mais indicado durante a negociação. 

A remuneração é muito importante, mas não é tudo: uma simples proposta pode afetar a sua produtividade e até mesmo a sua qualidade de vida. Separamos quatro pontos que devem ser levados em conta no momento em que você receber uma oferta de trabalho. Para evitar futuras preocupações e possíveis arrependimentos, confira a seguir o que negociar para além do salário.

1. Tarefas e atribuições

Logo no início das negociações, é preciso ter em mente qual o trabalhos que desenvolverá na empresa. Isto é, as suas atribuições precisam de ser condizentes às suas habilidades e competências desenvolvidas ao longo da trajetória profissional. Não adianta aceitar a proposta só pela remuneração sem ter certeza se conseguirá concretizar os projetos com qualidade.

Por isso, deve conhecer os seus limites e deixa-los claros durante as conversas com o recrutador. Você também pode perguntar à equipa de recrutamento quais são as suas possibilidades de crescimento dentro da empresa. O que deve fazer para chegar a uma posição superior? Que objetivos terá de atingir para progredir e para receber aumento de salário? Todas estas questões devem ser sanadas durante o acordo.

2. Investimento em formação

Destinar uma parte do seu salário à sua formação nunca deve ser visto como gasto. Por isso, não se sinta mal em solicitar que parte da sua retribuição seja investida em cursos relativos à sua área profissional. Isso mostra não só demonstra que está disposto a aprender, bem como a melhorar a sua performance e contribuir para a evolução da sua equipa e da empresa. Certificações, participação em congressos, sessões de formação outras formas de aprendizagem precisam de ser valorizadas. 

3. Benefícios e direitos

Além do salário e da formação, é importante apresentar as suas necessidades enquanto indivíduo. Tem filhos? Diga que prefere ter férias durante os intervalos escolares. Precisa de se deslocar todos os dias até ao local da empresa? Demonstre que isso constitui um custo extra com o transportes. Necessidades como essas são muito comuns e algumas empresas tem planos de compensação. Não tenha vergonha em verbalizá-las.

Converse também sobre possíveis planos de saúde privados, seguro de vida e outros benefícios que garantem o seu bem-estar, como descontos em ginásios. Tudo isso ajuda a aumentar a sua predisposição e produtividade no trabalho.

Além disso, não deixe de questionar se há algum bónus para os funcionários que atingem o rendimento esperado pela empresa. Em caso afirmativo, já sabe o que fazer para conseguir dinheiro extra durante o ano.

4. Horário de trabalho

Tenha em mente que o seu tempo é valioso. Dessa forma, o seu horário de trabalho pode ser decisivo para determinar a sua rotina, qualidade de vida e também produtividade, dentro e fora do trabalho. Então, não hesite em negociar a hora de entrada e de saída.

Considere o tempo nas deslocações e também os seus compromissos pós-expediente, como ir até à universidade ou buscar os filhos à escola. Antes de aceitar o horário de trabalho, lembre-se de que esta será a sua nova rotina por muito tempo.

Além de todos os pontos mencionados anteriormente, reflita se o emprego realmente o pode ajudar a longo prazo. Avalie o custo-benefício e nunca se esqueça que, como trabalhador, está a vender o seu know-how e o seu tempo para desenvolver tarefas, projetos ou materiais à organização.

Ao fazer a negociação do salário e apresentar as suas necessidades, seja sempre claro, objetivo e educado. Não há nada demais em fazer perguntas. O dinheiro é tão importante quanto a sua qualidade de vida e as possibilidades de ascensão profissional. Boa sorte!

trabalhador.pt

Adicionar comentário