Problemas com a chefia? Saiba como lidar com a situação

O seu patrão não é capaz de lhe dar feedback positivo? É arrogante? Não valoriza a sua opinião? Deixa-o triste e ansioso? Lidar com alguém assim é complicado por si só, pior ainda se tiver de interagir com este tipo de pessoas diariamente. Se este for o seu caso, sentimos a sua dor e estamos dispostos a ajudar. Neste artigo, disponibilizamos algumas dicas sobre como deve agir quando confrontado com problemas entre si e o seu patrão.

Comece por uma conversa honesta

Esta parece ser uma dica óbvia, mas a verdade é que muitas pessoas se sentem intimidadas e desconfortáveis no que toca a partilhar as suas frustrações com os patrões. Contudo, se vir que esta é, de facto, uma situação que precisa de ser abordada, até porque muito provavelmente a sua qualidade de trabalho está a ser afetada, deve mesmo ter uma conversa honesta e aberta com o seu superior.

Recomendamos a preparar a conversa com alguma antecedência de forma a enumerar todos os pontos que quer abordar. Além disso, é importante certificar-se de que consegue manter um tom cordial e, no geral, um discurso educado. Por muito frustrado ou irritado que esteja, tente colocar essas emoções de lado e manter o profissionalismo. Este é definitivamente um passo que não pode ser ignorado. Aliás, além do seu bem-estar, o mau ambiente a que está sujeito reflete-se, consequentemente, no seu trabalho, algo que certamente não agrada ao seu patrão, ou seja, esta conversa é benéfica para ambos os lados.

Não esteja sempre na defensiva

Às vezes é difícil colocarmo-nos no lugar da outra pessoa, principalmente quando esta nos faz sentir emoções negativas, mas talvez seja necessário compreender o outro lado para poder ver melhorias nas suas circunstâncias.

Em primeiro lugar, repare se o comportamento do seu patrão é recente ou se se está a prolongar há muito tempo. Isto porque é possível que o seu patrão esteja apenas a passar por uma fase mais difícil na sua vida pessoal e a refletir essa negatividade no espaço de trabalho, o que apesar de não justificável, permite, talvez, uma melhor compreensão e tolerância da sua parte. Se estiver perante esta situação, seja paciente e espere até as coisas melhorarem.

Por outro lado, se verificar que as más atitudes são recorrentes, o melhor é realmente intervir em favor da sua sanidade mental e bem-estar, implementando a dica mencionada anteriormente: começar por falar abertamente sobre os seus sentimentos.

Não tenha medo de pedir ajuda

O ideal será manter os conflitos entre funcionário e patrão, mas caso verificar que já tentou falar com o seu superior e que nada mudou, e que não tem quaisquer expectativas para uma futura mudança, pode optar entre dois caminhos: recorrer aos Recursos Humanos, ou despedir-se.

Caso ainda esteja disposto a resolver a situação com o seu chefe ou se quiser procurar outra alternativa ainda no seio da empresa onde está, deve dirigir-se aos Recursos Humanos e descrever exatamente quais os problemas que está a enfrentar. Além disso, deve mencionar que já tentou encontrar uma solução à sua maneira, mas que não deu frutos, sendo este um último recurso de ajuda. Após partilhar a sua experiência, fique atento e, possivelmente, verá algumas mudanças positivas.

Explore outras opções no seu local de trabalho

Ok. Já falou diretamente com o seu chefe e este não lhe deu ouvidos, mantendo o seu comportamento inadequado. Depois, recorreu aos Recursos Humanos, e estes também nada conseguiram fazer para alterar a sua situação. É hora de reconhecer que o seu patrão não quer e não vai mudar. Talvez ele(a) pense que está a agir corretamente e que você é o problema.

De qualquer das formas, e independentemente das razões por trás do comportamento do seu patrão, recomendamos que pense noutra posição que lhe interessa, dentro ou fora do seu atual local de trabalho, onde lide com um superior diferente. Se esta opção não estiver disponível e não for possível passar para outro cargo ou departamento, o melhor é abandonar o barco definitivamente.

Reconheça a hora de partir

É claro que deve estar preparado para aceitar que esta é uma opção. Se se sentir física e mentalmente exausto, se estiver diariamente stressado e ansioso, se passar mais tempo a pensar no seu patrão do que no seu trabalho e se não tiver qualquer motivação para se levantar e ir trabalhar… não há dúvidas de que o melhor é despedir-se. Se já implementou todas as dicas mencionadas anteriormente e continua sem ver melhorias, mentalize-se de que o seu estado de espírito e energia vão continuar a ser drenados até atingir um ponto limite (e feio).

Não subestime o impacto que o negativismo do trabalho pode ter na sua vida. É hora de colocar os medos de lado e assumir que a melhor decisão é partir. Contudo, certifique-se de que considera os seguintes pontos antes de se despedir oficialmente:

  • Vá procurando novos empregos e, se possível, o melhor será mesmo ter um trabalho já assegurado no qual possa começar a sua jornada profissional assim que abandonar o cargo atual;
  • Certifique-se de que não deixa trabalhos/tarefas/projetos inacabados. Assuma as suas responsabilidades até ao fim e saia de cabeça erguida;
  • Avise o patrão com antecedência;

O mau estar no trabalho deixa as quatro paredes do escritório e alastra-se para todos os lugares por onde passa. Não há como fugir do que sente, portanto, o melhor é não ignorar os seus sentimentos. Tente seguir as dicas que partilhámos, de preferência pela ordem como estão apresentadas, e esperamos que estas sejam úteis. Boa sorte!

Catarina Fonseca

Desde cedo uma curiosa nata, decidiu seguir Ciências da Comunicação para desenvolver a sua paixão pelo jornalismo e pela escrita. Agora formada, gosta de se aventurar pelo mundo, conhecer novas pessoas e culturas, e leva sempre um caderno e câmara fotográfica às costas para eternizar as suas experiências.

Adicionar comentário