Testes psicotécnicos: o que são e como se pode preparar?

Provavelmente já se deparou, no decorrer de uma entrevista de emprego ou na “luta” por uma posição melhor na carreira, com a necessidade da realização de testes psicotécnicos. Se foi bem-sucedido nas provas, parabéns pelo emprego novo. Se não, apresentamos-lhe algumas dicas para que a próxima vez corra melhor.

O que são os testes psicotécnicos?

Os testes psicotécnicos são provas que constituem um método de seleção muito utilizado em processos de recrutamento para empregos, sendo usados tanto no setor público como no privado. Em contexto escolar, os testes psicotécnicos também são um instrumento bastante utilizado em jovens com dúvidas quanto ao seu percurso académico e profissional, uma vez que ajudar a traçar o perfil do estudante e, assim, a indicar a área para a qual este tem mais apetência.

De que forma os testes psicotécnicos ajudam no recrutamento?

Os testes psicotécnicos são provas padronizados e iguais para todos, quer isto dizer que todos os candidatos são sujeitos ao mesmo nível de dificuldade. Isto permite ao recrutador proceder a uma triagem de quais os candidatos que mais se adequam ao perfil pretendido.

Ao contrário de outras ferramentas, não se pode dizer que os testes psicotécnicos sirvam para “medir a inteligência”, servindo sim para traçar o perfil do candidato ao emprego.

Que tipo de testes psicotécnicos existem?

Os testes psicotécnicos são, regra geral, escritos, no entanto, podem ser orais ou até realizados em formato digital.

Todos os testes psicotécnicos têm um tempo limite de realização, sendo este tempo inferior ao normalmente necessário para resolver toda a prova. O objetivo é responder ao máximo de perguntas possível e, de preferência, de forma correta.

Não responder a todas as perguntas dos testes psicotécnicos não significa que falhou. Estes testes são um mero indicativo da forma como responde quando se encontra sob pressão, da sua capacidade de reação e até de improviso.

Com base nestas provas será possível também ver como faz a gestão do tempo e a sua rapidez de raciocínio. Sim, é possível ver tudo isto. As dificuldades dos testes psicotécnicos podem variar consoante as exigências do cargo/emprego em questão.

Seguem alguns exemplos de testes psicotécnicos:

  • Testes de cálculo matemático – É realizado sem máquina calculadora e obriga a alguma agilidade mental. Existem provas de cálculo exclusivamente de somas com resultado e só tem de assinalar se a resposta é verdadeira ou falsa (escolha múltipla). Pode apresentar-se através de um problema aritmético ou de uma mistura de somas, subtrações, multiplicações e divisões.
  • Testes de compreensão verbal – Poderá ter de identificar o sinónimo ou antónimo de várias palavras. Existe ainda a possibilidade de lhe serem apresentadas duas palavras e ter de indicar se são sinónimos ou antónimos uma da outra.
  • Testes de raciocínio – Pode simplesmente consistir num “jogo de caixas” como por exemplo: Serem-lhe apresentadas três caixas, uma delas com uma bola, outra com uma tesoura e a última com um dado. E através de pistas que te lhe dadas tem de identificar em que caixa está cada objeto.
  • Testes de memória – Esta prova é um verdadeiro teste à sua memória. Por norma, apresentam-lhe uma folha com uma série de imagens ou palavras às quais tem de estar atento durante um determinado tempo (regra geral, apenas alguns segundos). Depois de retirada essa folha terá de reproduzir o maior número possível de imagens ou palavras.
  • Testes de personalidade – Regra geral de caráter não eliminatório (exceto no caso de ser identificada alguma patologia), este teste tem como objetivo medir aspetos básicos do candidato como a introversão, a motivação, agressividade ou a estabilidade. Importa referir que não há propriamente respostas certas ou erradas. Em virtude de não serem cronometrados, os testes de personalidade devem, portanto, serem respondidos com calma, procurando ser assertivo.

É possível preparar-se para os testes psicotécnicos?

A preparação para os testes psicotécnicos é um fator importante, não necessariamente para os possa iludir (afinal de contas, muito dificilmente conseguirá mesmo que tente), mas para que possa exercitar o cérebro e, assim que for confrontado com um, estar mais confortável.

Não obstante, não podemos dizer que existe um método de preparação para os testes psicotécnicos, dado serem de vários tipos e, quase sempre diferentes uns dos outros. Queremos com isto dizer que os testes psicotécnicos que o Exército Português usa nos seus métodos de seleção são diferentes dos usados na Polícia Judiciária, ou na carreira para técnico superior da função público.

O que pode e dever fazer é procurar dormir uma boa noite de sono antes do dia da realização da prova, procurar alimentar-se bem e exercitar o cérebro para que na hora H não se sinta “enferrujado”.

Dicas para a realização de testes psicotécnicos

  • Tente manter a calma antes e durante a realização dos testes psicotécnicos. Como referimos anteriormente será quase impossível conseguir completar todas as provas, devendo manter e calma e não “sucumbir à pressão” ao achar que por não ter realizado o exercício X ou Y está excluído. Se o café o deixa nervoso, evite-o, se o chá de camomila ajuda, porque não?
  • As provas são devidamente explicadas pelo que deve escutar com atenção as informações que o recrutador/examinador lhe passará. No entanto, se tiver dúvidas deve tentar clarificá-las antes de dar início à prova, uma vez que, regra geral, depois não lhe serão dadas quaisquer explicações.
  • Se lhe parecer que tem muitas perguntas sem resposta, não fique atrapalhado. Como dissemos (e não nos cansamos de repetir), não se espera que termine todos os testes durante o tempo estipulado. Tente simplesmente realizar o máximo e com a maior concentração possível.
  • Não seja precipitado ao responder aos testes psicotécnicos. Se errar pode riscar e colocar nova resposta, no entanto, o ideal é ter uma prova limpa de rabiscos para não o baralhar nem à pessoa que irá proceder à correção da sua prova.
  • Pense unicamente em si. Ninguém tem de ouvir os seus pensamentos e torna-se muito aborrecido. Imagine se fosse ao contrário (seria frustrante, não é?).

Claro que quando realiza testes psicotécnicos é sempre com o objetivo de conseguir o emprego, fazendo com que, menos que não se aperceba, coloque alguma pressão sobre si mesmo. O que, em alguns casos, pode ser prejudicial.

Somos apologistas que encare os testes psicotécnicos como “algo divertido” e não como uma obrigação que tem de cumprir para atingir um objetivo. É normal ser melhor a língua portguesa e melhor a matética (ou vice-versa), razão mais que suficiente para dever encarar com relativa normalidade o facto de não conseguir realizar todas as provas que lhe serão colocadas. Afinal de contas não somos todos iguais!

Agora é consigo, boa sorte!

Mariana Ledo

Uma eterna namorada da literatura, vibra com as pequenas notas que encontra nas páginas dos livros da biblioteca. Decidiu viver das palavras e por isso formou-se em Estudos Portugueses e Lusófonos, pela Universidade do Minho.