Alergia ao calor: o que é, causas, tratamento e prevenção

O verão é a estação do ano preferida de uma grande parte das pessoas. Muitos dizem que é a altura do ano mais alegre e feliz, em grande medida porque para além de mais longos, os dias são também mais solarengos.

Não obstante, é também a estação mais quente do ano, havendo sempre alguns “inconvenientes” como o excesso de transpiração e o surgimento de alergias, nomeadamente a alergia ao calor.

A transpiração é um processo fisiológico para controlar a temperatura corporal, permitindo que o corpo arrefeça naturalmente. Embora seja um processo natural do corpo, a transpiração excessiva causa algo desconforto, além de que pode estar na origem de algumas reações alergicas.

Neste artigo, abordamos a alergia ao calor, entrando em maior detalhe no que concerne às suas causas, aos seus principais sintomas e às possibilidades de tratamento.

O que é a alergia ao calor?

Como referimos no início do texto, na primavera e no verão, em virtude do aumento da temperatura ambiente, é normal que a pele de algumas pessoas possa reagir ao calor.

A alergia ao calor, também conhecida como urticária colinérgica, é uma reação alérgica que ocorre devido ao aumento da transpiração na pele, um processo no qual o suor é eliminado através dos poros.

Estas “reações alérgicas” surgem normalmente em partes do corpo com maior propensão ao suor, como são exemplo, as dobras dos braços e das pernas, o pescoço e a nuca, as axilas, o abdómen e as costas.

Entre os fatores que podem contribuir para a alergia ao calor, destaque para:

  • O aumento da temperaturas;
  • Prática de exercício físico intenso;
  • Ansiedade e stress;
  • Tomar banho com água muito quente;
  • O consumo de alimentos picantes ou quentes.

Apesar de não ser um problema grave, dado normalmente não haver implicações graves para saúde do indivíduo, a alergia ao calor pode ser uma causa de desconforto. No entanto, nada melhor que recorrer a um profissional de saúde para determinar a gravidade da condição.

Quais as causas da alergia ao calor?

Com o excesso de calor, a temperatura corporal tende a aumentar e, como forma de manter o equilíbrio do organismo, transpiramos. É precisamente este o “grande vilão” causador da alergia ao calor: o suor.

O suor, é composto por uma substância chamada acetilcolina, sendo esta responsável pelo arrefecimento do nosso corpo. A alergia ao calor trata-se de uma reação do organismo a esta substância.

Outro fator, que unido à transpiração, pode causar um processo alérgico, é o uso de tecidos sintéticos, acessórios, hidratantes e protetores solares gordurosos, ou mesmo o atrito da pele contra a própria pele.

Importa referir que mesmo pessoas que nunca apresentaram nenhuma reação alérgica ao calor, num dado momento da vida poderão manifestar alguns sintomas. Isto acontece porque nem sempre o organismo reage ao primeiro contacto com o alergénio (substância que provoca alergia). Por vezes, a alergia pode só ocorrer ao fim de alguns contactos.

A generalidade das pessoas que têm alergia ao calor tem entre 15 e 25 anos. Não obstante, esta condição poderá também afetar crianças e idosos, em virtude das fragilidades do organismo.

Ao contrário do que se possa imaginar, a exposição solar não é a causa direta da alergia ao calor. Mas sim a transpiração, consequência do aumento da temperatura corporal, durante a exposição solar. Queremos com isto dizer que, em abono da verdade, não deveríamos estar a falar de uma alergia ao calor, mas sim de uma alergia ao suor.

Quais os sintomas da alergia ao calor?

Existem outros problemas de pele que podem muito bem ser confundidos com alergia ao calor, como é o caso das brotoejas – uma erupção cutânea, acompanhada de prurido.

Por este motivo, importa conhecer alguns sintomas mais característicos da alergia ao sol. Entre os mais comuns, destaque para:

  • Aparecimento de pequenas bolhas vermelhas nas regiões mais suscetíveis à transpiração, como por exemplo: axilas, dobras das pernas, braços e pescoço;
  • Comichão nessas mesmas áreas do corpo;
  • Formação de uma crosta nas áreas afetadas.

Em casos mais graves, que são raros, poderão ocorrer os seguintes sintomas:

  • Dor de cabeça;
  • Dor de barriga;
  • Excesso de salivação;
  • Náuseas;
  • Diarreia;
  • Queda da pressão arterial;
  • Síncope.

Se detetar algum dos sintomas de alergia ao calor, previamente referidos, deverá consultar o seu dermatologista de forma a ser sujeito a uma avaliação médica e, sendo o caso, que lhe seja diagnosticado o problema.

A alergia ao calor tem cura?

Não há propriamente um tratamento para a alergia ao calor. Não obstante, poderão ser adotadas algumas medidas que contribuam para a sua prevenção.

Como referimos, perante sinais desta condição, uma consulta com um médico dermatologista é manifestamente importante, pois só assim poderá saber se dela padece. O mesmo se aplica se às pessoas que, sabendo já que padecem dessa condição, estão a experienciar alguns sintomas.

Além de procurar um especialista que ajudará na melhoria dos sintomas, deixamos em seguida algumas medidas simples, mas que o poderão ajudar.

Como prevenir a alergia ao calor?

A prevenção da alergia ao calor, apesar de simples, não é propriamente fácil. Em grande medida, porque há um conjunto de situações em que não há forma de evitar a transpiração.

Não obstante, com algumas alterações no seu dia a dia, as pessoas que sofrem desta condição podem melhorar significativamente a sua qualidade de vida, evitando transpirarem.

Seguem abaixo, informações que podem ajudar no alívio/prevenção dos sintomas:

  • Evite a exposição prolongada ao sol;
  • Use roupas mais leves e largas, preferencialmente de tecidos naturais, como o algodão, por exemplo;
  • Se possível, evite coçar o local afetado;
  • No caso dos bebés, aumente o número de banhos ao longo do dia de forma a aliviar os sintomas. Manter as unhas curtas pode também ajudar a que não consiga coçar o local;
  • Caso esteja com calor, utilize uma ventoinha ou um ar condicionado para refrescar o ambiente;
  • Colocar compressas com água fria no local afetado, pode aliviar o desconforto;
  • Procure não usar acessórios, como brincos, colares, relógios e anéis, em dias mais quentes – o contato destes objetos com o suor piora os sintomas;
  • Banhos frios podem aliviar os sintomas;
  • Evite hidratantes, loções e protetores solares muito gordurosos .

Esperamos que o presente artigo o tenha ajudado a entender um pouco melhor a alergia ao calor, nomeadamente as suas causas, sintomas e as melhores formas de a prevenir.

A redação do trabalhador.pt