Doenças de pele: conheça as principais doenças dermatológicas

Sabia que a pele é o maior órgão do corpo humano? O seu peso pode atingir 15% do peso total de um adulto, sendo duas vezes mais pesada do que o cérebro. A pele está dividida em três camadas: epiderme (camada externa), derme (camada intermediária) e hipoderme (camada mais profunda).

Graças à pele, que reveste o nosso corpo, estamos protegidos contra agressões externas, como por exemplo: fungos, bactérias, produtos químicos, físicos, fatores ambientais.

Por ser tão importante, torna-se indispensável adotar alguns cuidados que podem ser essenciais na prevenção das doenças de pele, que quando não tratadas, podem ter consequências graves para a saúde.

Redigimos o presente artigo com o intuito de esclarecer sobre quais as principais doenças de pele, como as prevenir e quais os possíveis tratamentos. Aconselhamos uma leitura atenta, e caso identifique algum sintoma das doenças de pele que mencionaremos mais à frente, não deixe de procurar aconselhamento médico.

Quais as doenças de pele mais comuns?

Quando não tratadas, as doenças de pele podem ter consequências sérias para a saúde

1. Acne

Provocada pela obstrução dos poros em decorrência da inflamação das glândulas sebáceas, a acne é uma das doenças de pele mais comuns. Embora seja mais comum durante a adolescência, época em que a produção de hormonas é maior, pode-se transformar em doença crónica se não for devidamente tratada, afetando adultos em diferentes fases da vida, por motivos variados.

Qual é o tratamento para a acne?

A acne pode ser classificada em diferentes níveis de gravidade, e para cada um deles existe tratamento adequado, que vai desde terapias simples, como uso de pomadas e sabonetes específicos, a medicamentos mais fortes, que têm necessariamente de ser prescritos por um médico especialista, nomeadamente, um dermatologista.

2. Dermatite

Irritação, alergia e estase das veias: estes são os principais sintomas da dermatite, uma doença provocada por substâncias alergénicas. Basta que a pele entre em contato com um agente capaz de causar irritação ou alergia para que os sinais se manifestem. A dermatite pode ser dividida em dois tipos, a saber:

  • Dermatite irritativa: provocada por substâncias ácidas ou alcalinas, como detergentes, solventes e até mesmo sabonetes. As lesões ficam localizadas apenas ao local do contato.
  • Dermatite alérgica: desenvolve-se após repetidas exposições a um determinado produto ou substância, como por exemplos cremes hidratantes, perfumes, medicamentos e esmaltes para unhas.

Qual é o tratamento para a dermatite?

O tratamento das dermatites deve ser prescrito por um médico, e em função da sua gravidade, poderão ser aplicadas diferentes medidas, que podem incluir utilização de medicações via oral ou injetável. É fundamental que procure orientação médica para o tratamento de quaisquer doenças de pele; portanto, evite a automedicação.

3. Psoríase

Trata-se de uma doença crónica e não contagiosa, sendo uma das doenças de pele mais comuns. Os sintomas da psoríase desaparecem e reaparecem de tempos em tempos, por este motivo, é considerada cíclica.

Não se sabe as causas que levam ao desenvolvimento da psoríase, contudo, alguns estudos apontam para o sistema imunitário, bem como para uma pré-disposição genética.

Em virtude desta condição, as células da derme multiplicam-se rapidamente e acumulam-se na superfície. Como resultado, surgem manchas escamosas, grossas, que em muito se assemelham a escoriações. As áreas mais afetadas são os joelhos, as palmas das mãos, os cotovelos, a parte inferior das costas, as solas dos pés e o couro cabeludo, provocando um enorme desconforto, inclusivamente, estético.

Entre os principais “gatilhos” da psoríase estão: distúrbios autoimunes (como o HIV/SIDA, a artrite reumatoide, etc.), temperaturas baixas, stress, tabaco, infeções ou lesões na pele, consumo excessivo de álcool e medicamentos.

Qual é o tratamento para a psoríase?

Assim como outras doenças de pele, a psoríase pode ser classificada em diferentes níveis, e para cada um deles existem um tratamento adequado. Atualmente, graças aos avanços das terapias, é possível que o paciente tenha mais qualidade de vida, prolongando períodos sem a manifestação da doença.

Não obstante, quando não tratada, a psoríase pode ter um grande impacto na qualidade de vida daqueles que sofrem desta doença de pele, afetando inclusive a autoestima e as relações sociais, uma vez que muitas pessoas, ao notarem as lesões, acreditam serem contagiosas – não sendo o caso.

4. Urticária

A urticária é uma irritação na pele, cujos sintomas passam por lesões avermelhadas e levemente inchadas, assim como vergões. Esses vergões causam enorme desconforto, visto causaram comichão, podendo ser encontrados em várias zonas do corpo. Embora seja mais frequente em adultos jovens, a urticária pode-se manifestar em qualquer época da vida.

Existem diferentes tipos de urticária, sendo ela aguda, quando os sintomas desaparecem em menos de seis semanas, ou crónica, quando os sintomas permanecem por seis semanas ou mais. Pode ser induzida, isto é, provocada por determinados alimentos, infecões, droga e estímulos físicos como o calor e o frio, por exemplo, ou espontânea, surgindo sem uma causa identificada.

Os tratamentos para a urticária variam consoante a sua gravidade. No caso das agudas e induzidas, o ideal é que se identifique a causa e se elimine qualquer tipo de contato. Na urticária crónica espontânea, o tratamento com base na prescrição de antialérgicos não costuma surtir efeitos, por isso, são avaliadas outras terapias, que poderão somente ser prescritas por um médico especialista.

Portanto, frisamos novamente: não tente a automedicação, comportamento que pode prejudicar o tratamento de quaisquer doenças de pele.

5. Cancro de pele (melanoma)

Segundo dados da Associação Portuguesa de Cancro de Pele, estima-se que em Portugal 13 mil novos casos de cancro de pele sejam diagnosticados anualmente. Embora seja um dos tipos de cancro com maior taxa de cura (sobretudo quando diagnosticado numa fase inicial), observa-se ainda níveis de mortalidade muito elevados. Isto acontece porque, quando detetado tardiamente, o melanoma tende a se espalhar para outras partes do corpo, processo conhecido como metástase.

Quais são os sinais do cancro de pele?

Pintas incomuns e assimétricas, alterações de cor e textura em pintas já existentes, escurecimento da pele, nódulos, sangramentos e feridas que não cicatrizam estão entre os principais sintomas de cancro de pele. Os melanomas podem aparecer em qualquer área do corpo, portanto, é preciso ficar atento a qualquer alteração suspeita.

Qual é o tratamento para o cancro de pele?

O tratamento dá-se por meio da remoção cirúrgica da lesão cancerígena, sendo sucedida pela quimioterapia ou radioterapia, a depender da orientação médica. O tratamento também pode ser feito com o uso de medicamentos que fortalecem o sistema imunitário, tornando-o capaz de eliminar mais células cancerígenas. Ainda que a cura não seja alcançada, o tratamento é suficiente para melhorar a qualidade e expetativa de vida dos pacientes.

Esperamos que o presente artigo tenha sido útil para compreender alguns dos aspetos das doenças de pele mais comuns. Cuide-se!

Luana Castro Alves

Graduada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)