Gravidez de risco: o que é, principais causas e como a evitar

Ter uma gestação tranquila e saudável é o sonho de qualquer mulher grávida. Poder planear o nascimento, escolher o tipo de parto, decorar o quarto, por exemplo, deveriam ser as únicas preocupações a rondar os pensamentos da futura mãe. No entanto, nem todas têm esse privilégio e algumas acabam por conviver com uma situação que é mais comum do que se pensa: a gravidez de risco.

Problema que pode ser ocasionado por inúmeros fatores, a gravidez de risco pode ser evitada quando a grávida adota uma série de cuidados com a sua saúde, o que certamente se refletirá na saúde e bem-estar do bebé.

Esses cuidados começam quando a mulher vai às consultas de pré-natal, período em que são solicitados exames visando ao acompanhamento da gestação e, por consequência, a saúde da mulher e do bebé, bem como o desenvolvimento deste. É fundamental referir que, sem as consultas de pré-natal, a gestante fica vulnerável a possíveis riscos durante a gravidez, por isso, é imprescindível que o obstetra seja o profissional a acompanhar este que é, sem dúvida, um dos momentos mais importantes na vida de uma família.

Ficou interessado neste assunto e quer saber mais sobre o que é uma gravidez de risco, quais os principais fatores associados a esta condição e como evitar este problema que pode levar a complicações graves? Então continue a leitura deste artigo que redigimos especialmente para si. Acompanhe.

O que é uma gravidez de risco?

Uma gravidez pode ser de risco quando, depois de realizados alguns exames médicos, o médico obstetra, profissional mais capacitado para acompanhar o pré-natal da gestante, identifica a existência da possibilidade de doença da mãe ou do bebé durante a gravidez ou até mesmo na hora do parto. Quando é diagnosticada gravidez de risco, é essencial que a grávida siga todas as orientações do médico para que os riscos da condição sejam minimizados e até mesmo completamente evitados.

Quais as causas de uma gravidez de risco?

São vários os fatores que podem estar associados a uma gravidez de risco, entre eles, a idade da gestante. Mulheres adolescentes (até 17 anos de idade) e com mais de 35 anos constituem as faixas etárias de maior risco. Além disso, é possível notar a existência de fatores que praticamente propiciam uma gravidez de risco, visto estarem relacionados a doenças preexistentes ou a maus hábitos. Conheça os principais:

1. Diabetes gestacional

A diabetes gestacional está entre as principais causas associadas à gravidez de risco. Ainda não existe consenso entre os especialistas sobre a causa da doença, visto que se pode manifestar até mesmo em pessoas saudáveis. Contudo, é sabido que, em muitos casos, algumas hormonas produzidas pela placenta bloqueiam a ação da insulina, e como esta substância é indispensável para a diminuição da quantidade de açúcar no sangue, na sua ausência, a glicose fica alta.

Na generalidade das vezes, a diabetes gestacional surge no terceiro trimestre da gravidez e tende a desaparecer depois do parto. Mulheres que já tiveram diabetes em gestações anteriores são mais suscetíveis a desenvolverem o problema numa próxima gravidez.

Conheça os sintomas característicos da diabetes gestacional:

  • Ganho excessivo de peso na grávida ou no bebé;
  • Aumento exagerado do apetite;
  • Cansaço excessivo;
  • Vontade muito frequente de urinar;
  • Visão turva;
  • Muita sede;
  • Boca seca;
  • Náuseas;
  • Infeções frequentes na bexiga, vagina ou pele.

A diabetes gestacional é um problema sério, e deve ser devidamente tratado para evitar riscos para a mulher e para o bebé, tais como prematuridade da criança, rompimento da bolsa amniótica antes do tempo, pressão alta na gestante, entre outros.

2. Hipertensão

A hipertensão é mais uma causa relacionada à gravidez de risco. O problema, caracterizado pelo aumento da pressão sanguínea, é identificado quando são apresentados índices superiores a 140/90mmHg. Entre os fatores que levam ao desenvolvimento desta condição estão a alimentação inadequada, a genética e a má-adaptação da placenta. Os riscos tendem a ser maiores para mulheres que engravidaram pela primeira vez depois dos 35 anos de idade, bem como para aquelas que são obesas ou sofram de diabetes.

Entre os principais sintomas da hipertensão estão:

Os riscos da hipertensão durante a gravidez são sérios, e podem desencadear pré-eclâmpsia, aborto e convulsões. Por isso, é comum que a mulher grávida precise de se afastar das suas funções habituais ou ser internada para que esteja repouso e seja constantemente acompanhada por uma equipa médica.

3. Anemia

A anemia está entre os fatores que podem ocasionar uma gravidez de risco. Diagnosticada através do exame de sangue, a doença é causada pela queda dos níveis de hemoglobina, cujos sintomas mais comuns são:

  • Pele, lábios e unhas pálidas;
  • Sentir-se cansada ou fraca;
  • Tontura;
  • Falta de ar;
  • Batimento cardíaco acelerado;
  • Dificuldade de concentração.

Em casos mais graves, a anemia na gravidez pode afetar o desenvolvimento e o aporte de oxigénio do feto, o que poderá provocar partos prematuros e até mesmo aborto. Para evitar a doença, a gestante deve consumir alimentos ricos em ferro e vitaminas e fazer a suplementação do nutriente por meio de cápsulas – o que deverá ser expressamente indicado por um médico.

4. Consumo de álcool, drogas e tabaco

O consumo de drogas, álcool e tabaco está associado à gravidez de risco. Estas substâncias interferem na gestação e ocasionam consequências negativas, tais como malformação fetal, microcefalia, baixo QI, hiperatividade, problemas de visão, de audição e de coordenação motoras. Além disso, aumenta significativamente o risco da criança nascer com dependências químicas.

5. Gestação múltipla

Esperar mais do que um bebé está entre os fatores que levam a uma gravidez de risco, por este motivo, as gravidezes múltiplas, também conhecida gravidez gemelar, são consideradas pelos médicos como dependentes de cuidados especiais.

Entre as complicações mais frequentes das gestações múltiplas estão:

  • Anemia;
  • Aborto espontâneo;
  • Defeitos congénitos;
  • Quantidades anormais de líquido amniótico;
  • Hipertensão induzida pela gravidez.

Que sinais podem indicar uma gravidez de risco?

Apenas um médico poderá diagnosticar uma gravidez de risco, contudo, a frequência de alguns sintomas pode apontar para uma situação que necessite de maior acompanhamento da gestante, por exemplo:

  • sangramentos;
  • tonturas, fraquezas e desmaios;
  • inchaço exagerado;
  • aceleração cardíaca repentina;
  • dores na hora de urinar;
  • sentir contrações antes do tempo;
  • ter muita dificuldade para caminhar, entre outros.

Por fim, referir que ao perceber algum dos sinais que indiquem uma gravidez de risco, deverá procurar imediatamente a ajuda de um médico. Apenas este profissional está devidamente capacitado para avaliar as suas condições de saúde e indicar possíveis tratamentos para evitar maiores consequências para mãe e para o bebé.

Lembre-se que alguns hábitos e atitudes, como ter uma alimentação equilibrada e praticar atividade física compatível com a sua condição, podem proporcionar uma gravidez mais tranquila e livre dos riscos que apresentamos neste artigo. Cuide-se!

Luana Castro Alves

Licenciada em Letras e Pedagogia, redatora e revisora, entusiasta do universo da literatura, sempre à procura das palavras. "Não se pode escrever nada com indiferença." (Simone de Beauvoir)