Asma: o que é, quais os sintomas e como tratar?

A asma é uma doença inflamatória crónica dos brônquios que afeta mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo. Alguns estudos revelam que esta doença tem vindo a crescer, mesmo fora do grandes centros urbanos. O motivo é ainda desconhecido, em grande medida pela multiplicidade de causas que podem estar na sua origem.

Embora seja um doença relativamente comum durante a infância, a asma pode também afetar adultos, independentemente da idade. De acordo com o Inquérito Nacional de Prevalência da Asma, realizado em 2010, apenas 57% dos 300 mil asmáticos portugueses, parecem ter esta doença controlada.

A característica mais marcante da asma é o facto desta doença causar o estreitamento ou a obstrução das vias aéreas.

Mas quais os sintomas da asma? Como saber se sofro de asma? A asma tem tratamento? De forma a responder a estas e outras perguntas, redigimos o presente artigo onde encontrará informação útil sobre esta condição. Confira!

Em que consiste a asma?

A asma, também conhecida como bronquite asmática ou bronquite alérgica, é uma doença que causa uma inflamação nas vias respiratórias, e estreita os canais por onde o ar passa. Esta é uma doença que pode ser revertida através de alguns estímulos e tratamentos.

Nas crises asmáticas, os brônquios ficam inflamados e a passagem do ar fica mais difícil, isto causa tosse, falta de ar, chiadeira e também uma sensação de aperto no peito – principais sintomas da asma.

Existem certos “gatilhos” que podem atacar a respiração, dando início a uma crise asmática. Quando o asmático é exposto a elementos que irritam os brônquios, o corpo envia estímulos para a musculatura e esta contrai-se, exercendo pressão sobre vias aéreas, (brônquios).

Embora entremos em maior pormenores mais à frente, fique a saber que as causas da asma podem passar por:

  • Agentes irritativos, como a poluição e o fumo do tabaco;
  • Estados emocionais (ansiedade, medo, etc);
  • Alergénios, como ácaros e pólenes;
  • Pelos de animais;
  • Exercício físico;
  • Fumo do tabaco;
  • Pó e mofo;
  • Odores fortes.

Quais os tipos de asma?

De acordo com alguns estudos, estima-se que mais de metade dos casos de asma sejam leves, 25% moderados e, apenas uma pequena parte, embora ainda significativa, grave.

A asma pode ser dividida em dois tipos: asma alérgica e asma não alérgica:

  • Asma alérgica: trata-se da forma mais comum de asma. Tem a sua origem durante a infância e tende a melhorar durante a adolescência, podendo voltar a piorar já na idade adulta. Tem como principais causas os pelos dos animais, o pó, o mofo, entre outros.
  • Asma não alérgica: um tipo de asma mais raro, que tem como elementos não alérgicos (não suscetíveis a causar alérgias), como a ansiedade, o medo, o stress, o fumo do tabaco (ativo ou passivo), entre outros.

Escuso será dizer que o diagnóstico da asma, bem como a sua classificação, deverão ser realizados por um profissional de saúde (médico). Trata-se de uma condição complexa que implica, entre outros, a realização de exames médicos.

Quais as causas da asma?

Como já referimos, a asma é uma doença que pode ter várias causas, e cada pessoa pode ter crises asmáticas por vários motivos diferentes. Por essa razão, é muito importante entender quais os “gatilhos” que causam as crises de asmáticas.

1. Ácaros, pó, pólen, pelos e fumos

Quase 80% das pessoas que sofre de um quadro de asma tem crises quando são expostas a agentes transportados pelo ar, como por exemplo: ácaros, pó, pólen, mofos, pelos de animais e fumo de tabaco. Cheiros fortes, como por exemplo de tintas, e produtos químicos ou de limpeza podem também levar a uma crise asmática.

2. Alimentação

Alguns alimentos podem causar ataques de asma, principalmente se já existir um quadro de alergia. Os alimentos mais referenciados em crises asmáticas são os ovos, o leite de vaca, os amendoins, a soja, o trigo, peixe, frutos do mar e marisco e alguns vegetais e frutas. Alguns “alimentos industrializados” podem também conter ingredientes, corantes e conservantes que podem desencadear crises asmáticas.

3. Exercício físico

Existem algumas pessoas, que ao praticar atividade física, acabam por sentir alguns sintomas da asma. Nestas situações, o que ocorre é que existe um “pico” de estreitamento das vias respiratórias, o que pode gerar alguma dificuldade em recuperar o fôlego e continuar a praticar exercício.

Em alguns casos, poderá ser necessário a utilização de um dilatador para os brônquios (broncodilatadores) antes de realizar atividade física, de forma a amenizar os possíveis sintomas.

4. Local de trabalho

Pessoas que trabalham em ambientes onde estão expostas a produtos químicos, animais, pó de obras, hospitais, podem ter a chamada asma ocupacional. Este tipo de asma causa dificuldades na respiração e os sintomas geralmente surgem apenas enquanto estão no seu local de trabalho. Um grande parte das pessoas que apresenta este quadro de asma possui também casos de rinite alérgica ou de alergias.

5. Noite

As probabilidades de uma pessoa asmática sofrer de uma crise asmática é bem maior durante a noite. Isto ocorre porque o ritmo cardíaco pode influenciar a asma. Além disso, durante a noite, aumenta o nível de exposição a agentes alérgicos, o corpo e as vias nasais arrefecem, e a posição reclinada favorece a asma.

6. Alterações de temperatura

Para quem tem a respiração mais sensível, as mudanças de temperatura ou de clima poderão ter algumas consequências. No caso de quem sofre de asma, o aumento o diminuição de temperatura pode desencadear uma crise asmática. A mucosa dos brônquios pode responder à mudança do calor para o frio (e vice-versa) através de contrações e assim desencadear uma crise asmática.

7. Medicação

Certos medicamentos, como os antiinflamatórios não hormonais, podem ser prejudiciais para pessoas que sofrem de asma. Isto porque este medicamentos atuam sobre certas inflamações, como na garganta, e acabam por “sobrecarregar” algumas vias respiratórias, levando a possíveis crises.

8. Condições pré-existentes

Existem certas condições e doenças pré-existentes que podem ocasionar os mesmos sintomas da asma. A asma cardíaca, por exemplo, está associada a uam disfunção do coração, causando sintoma semelhantes à de uma crise asmática comum.

Outros problemas nas vias respiratórias e cordas vocais podem também provocar chiadeira e sintomas semelhantes aos da asma. Neste caso, é sempre bom descobrir a origem dos sintomas para que o tratamento correto lhe seja prescrito. Consulte o seu médico.

Quais os fatores de risco da asma?

Existem pessoas que podem estar mais propensas a sofrer de crises asmáticas, nomeadamente quem:

  • Tem histórico familiar de asma;
  • Sofre de alergias;
  • Tem excesso de peso (ou obesidade);
  • Está abaixo do seu peso indicado;
  • Quem sofre de refluxo gastroesofágico;

Quais os sintomas da asma?

A maioria das pessoas que tem asma passa por períodos de relativa tranquilidade, que são intercalados com crises. No entanto, geralmente, quem possui tipos mais graves de asma, acaba por “conviver” com sintomas mais frequentes.

Os principais sintomas da asma são:

  • Tosse com ou sem muco (catarro);
  • Retração intercostal;
  • Dificuldades respiratórias;
  • Chiadeira;
  • Falta de ar;
  • Sensação de aperto no peito.

Algumas das características abaixo também podem ser sinais de uma possível crise asmática, por isso, procure um médico se apresentar alguns destes sintomas:

  • Respiração pesada ou ofegante;
  • Respiração complicada durante a noite ou durante a manhã;
  • Falta de ar em momentos aleatórios;
  • Pior respiração em caso de azia ou de refluxo.

Existem também quadros considerados graves que merecem a maior atenção:

  • Lábios e rosto arroxeados ou azulados;
  • Sonolência, confusão ou perda de agilidade durante uma crise de asmática;
  • Dificuldade extrema em respirar;
  • Palpitações;
  • Ansiedade grave devido a uma crise asmática;
  • Transpiração excessiva.

Como é feito o diagnóstico da asma?

A asma é uma condição que apenas pode ser diagnosticada por um médico. Como já referimos, as causas e sintomas dependem do caso concreto, podendo ser diferentes de pessoa para pessoa. Por estes motivos, se desconfia que sofre de asma deverá consultar o seu médico para proceder à realização de exames médicos.

Pessoas com outras condições respiratórias, como alergias, rinites e bronquites, são quase sempre “suspeitas” de padecerem de asma.

Qual o tratamento para a asma?

Existem várias opções de tratamento para a asma. Todavia, estas variam de acordo com as causas que estão na origem da asma. Estes podem assumir-se como:

  • Tratamentos não farmacológico: este tipo de tratamento tem um papel fundamental numa grande parte dos casos de asma, podendo ser suficiente para eliminar os sintomas da doença. A título de exemplo, evitar agentes irritantes e ambientes poluídos pode ser suficiente.
  • Tratamentos farmacológico: este tratamento consiste, regra geral, na utilização de dispositivos inalatórios, aquilo que vulgarmente conhecemos por “bombas”. Em alguns casos, poderá ser prescrita medicação para ser tomada por via oral.

Que cuidados ter se sofre de asma?

As pessoas asmáticas devem adotar alguns cuidados para que as crises asmáticas não sejam frequentemente desencadeadas. Em seguida, listamos alguns dos cuidados que devem ser adotados:

  • Fazer pausas durante atividades que exigem esforço intenso;
  • Cuidado com os “gatilhos”;
  • Fazer exercícios para os pulmões;
  • Praticar atividade física moderada;
  • Consuma alimentos com vitamina D (salmão, atum, leite, iogurtes, etc);
  • Se prescrita pelo seu médico, tome a vacina da gripe;
  • Controle o seu peso corporal;
  • Evite a exposição a agentes químicos;
  • Evite o fumo do tabaco;
  • Cuide dos seus animais para não soltem muito pelo.

Esperamos que este artigo o tenha ajudado a compreender as causas, sintomas e principais tratamentos para a asma. Por fim, referir que o presente artigo não substitui o aconselhamento médico. Cuide-se!

A redação do trabalhador.pt