Marketing pessoal: o que é e porque é tão importante?

Quando ouvimos a palavra marketing é provável que a associemos de imediato a marcas e produtos. No entanto, sendo o marketing uma estratégia de promoção, também as pessoas podem ser promovidas e deixar a sua marca.

Ouvimos frequentemente a expressão “a primeira impressão é que conta”, que nos mostra que sempre que interagimos com outras pessoas deixamos uma marca. Essa marca pode ser melhorada, de forma a que comunique aquilo que efetivamente pretende comunicar, tendo consequentemente maior sucesso e promoção a nível profissional.

Este artigo pretende explorar o que é o marketing pessoal e apresentar algumas estratégias fundamentais para um marketing pessoal de sucesso.

O que é o marketing pessoal?

O marketing pessoal nada mais é que uma estratégia de promoção pessoal

O marketing pessoal consiste no processo contínuo de criar, estabelecer e comunicar uma afirmação ou imagem clara daquilo que somos perante os outros. Se pensarmos nas pessoas que nos rodeiam, quer a nível pessoal quer profissional, rapidamente atribuímos a essas pessoas características. Aquele colega que é “certinho”, o que ajuda sempre os outros.

Ainda que inconscientemente, atribuímos características e rótulos aos outros, e os outros a nós. Por isso, se dominarmos o marketing pessoal, seremos nós a escolher o nosso próprio rótulo. A imagem que queremos passar e transmitir.

O marketing pessoal é um processo, o que significa que, para além das nossas características e qualidades únicas, devemos sempre reavaliar se a nossa marca está atualizada e de acordo com os nossos objetivos atuais.

Em suma, o marketing pessoal é uma estratégia que utiliza as ferramentas do marketing tradicional com foco na promoção pessoal. Em vez de promover uma empresa ou produto, o marketing pessoal fortalece o nome e a imagem de uma pessoa / profissional.

O marketing pessoal pode ser especialmente importante para trabalhadores independentes e autónomos, mas não só. Quem procura emprego numa empresa também deve investir no seu marketing pessoal como forma de se conseguir promover juntos das entidades empregadoras – não basta o currículo, é preciso uma marca e uma imagem que criem impacto.

O marketing pessoal é importante?

O marketing pessoal pode ter um forte impacto na vida profissional

O marketing pessoal tem uma influência fulcral porque atualmente, em praticamente qualquer área profissional, deve ser visto e comunicar de determinada forma para que as oportunidades surjam. Quando a imagem que passamos não corresponde à qualidade do nosso trabalho e às nossas potencialidades, isso poderá muito facilmente resultar em oportunidades perdidas.

Assim, o marketing pessoal é importante por vários motivos:

  • Constitui a base para o planeamento da imagem pessoal e profissional;
  • Permite que os outros reconheçam de forma correta as suas competências;
  • Demonstra como criar, aplicar e gerir a rede de contactos (networking);
  • Reforça a autoestima e a sua capacidade para enfrentar desafios profissionais de forma mais confiante;
  • Promove o autodesenvolvimento e a autogestão da carreira profissional;
  • Promove a capacidade para lidar com as mudanças;
  • Incrementa a probabilidade de surgirem oportunidades profissionais.

Aspetos fundamentais do marketing pessoal

Criar a sua própria marca é nisso que consiste o marketing pessoal

Para criar a sua marca pessoal e investir num marketing pessoal de sucesso, deve ter em conta um conjunto de aspetos:

  • Visibilidade – só conseguirá promover-se se se tornar visível. Por muito bom profissional que seja, se isso não for visível para os outros, dificilmente resultará em novas oportunidades. Por exemplo, imaginemos dois profissionais distintos: um tem apenas um perfil no LinkedIn desatualizado e envia currículos, o outro tem uma página profissional atualizada, publica artigos, vai a conferências e seminários, etc. Provavelmente o segundo profissional gerará mais oportunidades, porque está mais visível;
  • Originalidade – não há duas pessoas iguais, e por isso se nos queremos promover devemos fazê-lo de forma autêntica, demonstrando efetivamente aquilo que nos distingue e caracteriza;
  • Autenticidade – não vale a pena fingirmos ser quem não somos, ou promover aspetos que depois não correspondem à realidade. É fundamental passar uma imagem autêntica e genuína para conseguir criar uma adequada reputação;
  • Transparência – a sua reputação só será sólida se for facilmente observável a condução de atividades e informação de uma forma apropriada;
  • Coerência – deve ser coerente naquilo que comunica e nas suas ações, para que lhe seja dada credibilidade.

Como desenvolver o seu marketing pessoal?

Passo a passo para desenvolver o seu marketing pessoal

Abordada a teoria, passemos à parte mais prática. Em seguida partilhamos todos os passos que consideramos verdadeiramente importantes para desenvolver o seu marketing pessoal:

1. Autoconhecimento e definição do valor interior

Para podermos promover alguma coisa, temos de saber o que estamos a promover. Da mesma forma, para se promover perante o mercado de trabalho ou potenciais clientes, tem de ser consciente de si mesmo, do seu valor, das suas características e qualidades. Por isso, antes de implementar ações de promoção e comunicação exterior, deve investir algum tempo a refletir sobre o seu valor interior, através de algumas estratégias:

  • Reflita e defina quais são as suas paixões, capacidades e talentos: o que gosta de fazer? O que faz bem? Em que coisas é particularmente bom e competente? O que o move a fazer o que faz? De que forma isso o apaixona? As pessoas identificam-se com quem sabe o seu valor e mostra paixão e empenho naquilo que faz. Por isso, reflita bem nestas questões.
  • Define as suas qualidades pessoais, os seus valores e a sua missão: as pessoas não querem ver apenas um profissional, também querem ver a pessoa. Em qualquer área profissional as qualidades pessoais e socioemocionais são fundamentais. Por isso, vale a pena refletir e listar quais são as suas qualidades pessoais (ex: criativo, inteligente, original, extrovertido, curioso…), os seus valores e a sua missão. Uma missão representa o seu propósito de vida, aquilo que é a sua mensagem principal. É o que define o seu caminho, e é importante que lhe seja claro, para que torne claro também quando o comunicar aos outros.

É também importante, neste primeiro passo, fazer uma análise SWOT pessoal. A análise SWOT é uma ferramenta que as empresas utilizam bastante na definição da estratégia. Também pode ser aplicada ao marketing pessoal, como uma ferramenta muito útil para definir a sua marca pessoal.

Para fazer esta análise deve registar as suas:

  • Forças – aquilo que o diferencia, as suas competências e o que o torna competente, o seu fator diferenciador (ex: sociável, curso superior em marketing e pós-graduação em marketing digital, coordenador de equipa e excelentes conhecimentos de inglês);
  • Fraquezas – são áreas que pode melhorar (ex: organização pessoal e gestão do stress);
  • Oportunidades – são aspetos do mercado que se constituem como oportunidades para o seu trabalho ou objetivo (ex: crescente importância do marketing digital);
  • Ameaças – são aspetos do mercado ou da sociedade que podem ameaçar a concretização dos seus objetivos e que deve ter em conta (ex: crise económica e o elevado n.º de licenciados na área).

Esta análise ajuda-o a decidir se tem qualidades, habilitações e experiência para trabalhar numa determina área e se identifica alguma discrepância que tem de ser resolvida para poder concretizar os seus objetivos.

2. Definir objetivos

Após ter investido no seu autoconhecimento e saber em concreto o que pretende e o que quer comunicar, é fundamental definir objetivos. Sem objetivos não saberá como e de que forma direcionar o seu marketing pessoal: quer promover-se em quê e para quê? O que é que pretende alcançar?

Os objetivos que define devem ser:

  • Concretos e relativamente a uma questão específica;
  • Realistas, sendo possíveis de atingir;
  • Mensuráveis, ou seja, pode medir e verificar se os atingiu;
  • Ter uma indicação de tempo, ou seja, até quando pretende atingir aquele objetivo.

Por exemplo: “Escrever um artigo no blog uma vez por semana, a partir de março de 2021 e alcançar até ao final do mês mais 10 seguidores”.

3. Definir o grupo-alvo

Não adianta saber o que quer comunicar e como se quer promover, se não souber para quem está a comunicar. Tal como no marketing de marcas ou produtos, no marketing pessoal também é fundamental que defina o seu público-alvo ou o seu mercado.

Para isso, pense para quem é que o seu trabalho se dirige, se se dirige a um grupo demográfico ou com interesses específicos. Por exemplo, se é psicólogo, qual a sua área de especialidade? É especializado em crianças? Então o seu grupo-alvo serão os pais, as famílias e eventualmente instituições escolares. Por outro lado, se está à procura de emprego, deve pensar em que empresas estão à procura de pessoas com o seu perfil.

4. Saber comunicar adequadamente

A forma como comunicamos é absolutamente fundamental para criarmos um impacto positivo nos outros. Por isso, é fundamental que saiba adequar a sua comunicação, quer verbal, quer não-verbal. Seguem algumas dicas:

  • Quando for fazer uma comunicação ou apresentação importante, prepare-se muito bem. Treine antes, veja-se ao espelho, grave para depois visualizar. Obtenha todas as informações sobre o seu público-alvo para adequar a mensagem e a comunicação;
  • Crie empatia com as pessoas com quem está a comunicar: procure criar afinidade com a pessoa com quem está a comunicar, por exemplo se está a comunicar para pais, entenda quais são as suas preocupações e anseios e dirija-se a essas questões com interesse genuíno;
  • Seja autêntico: ao comunicar utilize e baseie-se na sua história pessoal, nas suas experiências e coloque sentimento naquilo que diz. Crie boas histórias, com um discurso que prende as pessoas que o estão a ouvir;
  • Controle a voz: tente falar num tom de voz com variações, moderado e faça pausas para a outra pessoa ter tempo para assimilar o que disse e para criar mais impacto;
  • Tenha atenção à linguagem corporal: através do corpo transmitimos muitas mensagens, mesmo que de forma inconsciente. Por isso, é importante ter atenção à sua postura, gestos, expressões faciais…

7. Cuide da sua imagem

Frases como “uma imagem vale mais que mil palavras” ou “a primeira impressão é que conta” podem ser clichés mas também são verdade. A forma como nos apresentamos aos outros, quer queiramos quer não, tem um grande impacto e faz parte do nosso marketing pessoal. Adote uma imagem que seja adequada à sua área profissional, mas também na qual se sinta confortável e que reflita a sua forma de ser e estar.

Apresente-se sempre com profissionalismo e evite coisas como decotes pronunciados, maquilhagem muito marcada, roupa suja ou mal cuidada. Faça uso das cores também para aquilo que quer transmitir (psicologia das cores), por exemplo:

  • Preto: é uma cor que transmite autoridade e sofisticação. No entanto, o preto total pode criar uma barreira à comunicação;
  • Azul: transmite confiança e serenidade;
  • Vermelho: é a cor da energia, da paixão e da autoconfiança;
  • Roxo: é uma boa cor para mostrar um lado mais sensível ou criativo;
  • Castanho: é uma cor neutra e causa simpatia e poucas barreiras;
  • Amarelo: cor adequada para transmitir alegria e boa disposição, não devendo ser usada em contextos mais sérios;
  • Verde: transmite calma e é associado a crescimento e esperança, devendo no entanto ser usado em ambientes mais descontraídos.

6. Faça uso da internet e das redes sociais

Hoje em dia a internet e as redes sociais são o espaço onde inevitavelmente as pessoas veem a maior parte de serviços e profissionais. Por isso, para ser visível é importante fazer uso desta ferramenta. Pode criar uma página profissional nas redes sociais, despendendo algum tempo a perceber como funcionam e como pode potenciar o seu alcance.

Dependendo da área em que trabalha, adeque o uso das redes sociais ao seu propósito. Por exemplo, se trabalha numa área mais científica ou da saúde, pode ser uma boa opção escrever artigos ou conteúdos com temáticas pertinentes para o público-alvo. Por outro lado, se trabalha em áreas mais criativas apostar em conteúdos de entretenimento e interativos pode ser a escolha certa. Independentemente da área, preocupe-se sempre em criar conteúdo adequado ao seu público-alvo e crie interatividade com quem está a ver os conteúdos.

7. Invista no networking

Networking consiste em criar uma sólida rede de contactos. Para estar visível é fundamental que estabeleça contactos diversos e que se dê a conhecer. Para fortalecer o networking pode:

  • Participar em eventos da área, quer sejam eventos científicos quer sejam eventos de networking ou mais informais;
  • Conectar-se com outros profissionais da área, por exemplo através do linkedin ou outras redes sociais;
  • Dê o seu contacto sempre que travar conhecimento com alguém que poderá contactar com outros potenciais clientes;
  • Mantenha atualizada a sua base de dados de contactos, incluindo colegas, antigos professores ou formadores, profissionais da área com os quais já trabalhou, colegas, chefes…
  • Mantenha contacto constante com os seus clientes, sem esquecer aqueles que atendeu no passado. Faça uma lista e mantenha a comunicação, por exemplo através de e-mail.

8. Dê palestras, workshops ou apresentações

Especialmente no início, quando ainda tem poucos clientes, dar palestras ou fazer apresentações pode ser uma boa forma de ganhar visibilidade e se estabelecer como expert na sua área, sem precisar de grande investimento. Pode aproveitar também as redes sociais para fazer apresentações em direto / livre streaming.

9. Desenvolva uma marca que o identifique

É importante que as pessoas tenham uma imagem que associem de imediato a si. Por isso, pode ser importante criar um logo ou uma imagem características que permita às pessoas facilmente identificá-lo. Pode usar essa imagem nas redes sociais, no seu CV, na assinatura de e-mail. As pessoas aprenderão a associar a imagem a si e o reconhecimento funcionará a favor da credibilidade.

10. Envolva-se em projetos que lhe trarão visibilidade

Mesmo que tenha o seu próprio negócio ou trabalhe de forma independente, pode ser também importante associar-se a projetos que lhe trarão maior visibilidade, sejam projetos profissionais seja trabalho voluntário, por exemplo. Trabalho pro bono também pode ser útil para ganhar experiência e se tornar mais visível.

11. Continue sempre a investir na formação

As pessoas recorrem aos serviços dos profissionais que elas reconhecem como competentes. Para isso as qualificações e a formação são muito importantes. Para fortalecer o seu marketing pessoal, é crucial investir na formação contínua e no aperfeiçoamento e especialização das suas qualificações.

Não precisa de tirar cursos caros ou fazer pós-graduações, existem muitos workshops e seminários acessíveis e alguns até gratuitos, e até cursos online. Invista não só em formação na sua área específica, mas aprenda mais sobre marketing pessoal e profissional, faça cursos de marketing, redes sociais, etc. para aprimorar as suas ferramentas para um marketing pessoal eficaz.

Diana Pereira

Amante de histórias, gosta de as ouvir e de as contar. Tornou-se Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde, pela Universidade do Porto, mas trouxe sempre consigo a escrita no percurso. Preocupada com histórias com finais menos felizes, tirou pós-graduação em Intervenção em Crise, Emergência e Catástrofe. Tornou-se também Formadora certificada, e trabalha como Psicóloga Clínica, com o objetivo de ajudar a construir histórias felizes, promovendo a saúde mental. Alimenta-se de projetos, objetivos e metas. No fundo, sonhos com um plano.